O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Cinco milhões para recuperar catedrais e castelos no Norte

21 jun, 2016 - 09:52 • Olímpia Mairos

Metade para castelos, metade para catedrais. Até 2018.
A+ / A-

Os projectos de intervenção em catedrais e castelos em Trás-os-Montes, candidatados a fundos comunitários pela Direcção Regional de Cultura do Norte, já foram aprovados. São cinco milhões de euros, metade para cada área.

A candidatura “Rota das Catedrais do Norte de Portugal”, com um investimento de 2,5 milhões de euros, a concretizar até final de 2018, visa “promover e consolidar o projecto nacional, iniciado em 2009”, através de um acordo de cooperação celebrado entre o Ministério da Cultura e a Conferência Episcopal Portuguesa.

No distrito de Bragança, serão beneficiadas a catedral de Bragança e a concatedral de Miranda do Douro. No de Vila Real, será a sé catedral.

“É um grande projecto de valorização do património eclesiástico e já está com nota de aprovação”, revela o director regional de Cultura do Norte, António Ponte, realçando que as intervenções visam “capacitar e qualificar a visita” aos templos religiosos.

Para além da recuperação patrimonial de bens imóveis e móveis das catedrais, o projecto prevê a interpretação dos patrimónios para conferir significado aos lugares e a promoção e divulgação da Rota e de cada um dos seus pólos.

Revitalizar quatro castelos

Aprovada está também a candidatura “Castelos a Norte”, com um investimento de 2,5 milhões de Euros, a concretizar até final de 2018.

Vão ser intervencionados os castelos de Montalegre, Mogadouro, Miranda do Douro, de Monforte de Rio Livre, no concelho de Chaves, e de Outeiro, no concelho de Bragança.

Trata-se de um projecto de revitalização, que incide, sobretudo, em acções de recuperação, divulgação e promoção turístico-cultural, visando potenciar o usufruto dos monumentos pela população local e pelos turistas, nacionais e estrangeiros.

O director regional de Cultura do Norte sublinha que, além destas candidaturas já aprovadas, há outros projectos que aguardam aprovação no âmbito do novo quadro comunitário de apoio. “Aguardamos também a aprovação de uma candidatura para os museus, onde teremos intervenções no Museu de Bragança [Abade de Baçal] e no Museu de Miranda do Douro [Terra de Miranda]", revela António Ponte, especificando que “no Museu do Abade de Baçal, será uma pequena intervenção, já que se trata de uma estrutura renovada e bastante requalificada”.

Em fase de avaliação estão ainda “outras candidaturas de carácter imaterial que prevêem a animação de património”, remata o director regional.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    22 jun, 2016 Santarém 22:24
    Uma boa notícia e sobretudo por se tratar ainda de uma região um pouco abandonada pelas autoridades deste país, espero e desejo que mais monumentos possam ser restaurados por este país fora poi bem estão necessitados.
  • Artur Oliveira
    21 jun, 2016 Vila Nova de Gaia 14:09
    Concordo
  • Teresa
    21 jun, 2016 Lisboa 12:09
    Que excelente notícia. Sem haver dinheiro para grandes obras é importante, pelo menos, preservar o nosso Património Artístico e Cultural. Importante para nós, Portugueses, e para quem nos visita.