O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Grande reportagem

O cemitério dos vivos

Grande reportagem

O cemitério dos vivos

A+ / A-

21 jun, 2016 - 07:20 • João Carlos Malta , Teresa Abecasis , Rodrigo Machado

Viver lado a lado com ratos, cobras e sarjetas a céu aberto é uma realidade que se acha inimaginável para muitos, mas é ainda hoje o dia-a-dia dos 500 ciganos que vivem no Bairro das Pedreiras, em Beja. Em 2006, quando foi erguido, esperava-se que com a substituição da madeira das barracas pelas pedras das novas casas parte substancial do problema ficaria resolvido. Não ficou. Não bastou só mudar o embrulho aos problemas.
A+ / A-
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Judite Gonçalves
    22 jun, 2016 Barreiro 16:14
    Como canta o Roberto Carlos: "Como é possível que você tenha a coragem?" Como é possível que isto fosse permitido neste país que se diz de brandos costumes. Como é que se deita este punhado de gente fora da sociedade, em vez de ser integrado como qualquer pessoa, qualquer famíla em casas dignas juntamente com toda a sociedade. Para quê marginalizar? Para que separar com um muro, criticamos os outros países e nós por cá fazemos o mesmo. Olha para o rosto e para toda a postura da criança que vemos na imagem, e vejam se são capazes de ficar a olhar para tudo isto sem fazer nada. Nada que eu tenha contra os animais, mas nós seres humanos fomos domestica-los, leva-los para as nossas casas, campos e quintas, eles adqueriram luxos que há uns anos era impensável para muita gente ter o que um animal de estimação hoje tem. Eles têm direitos, nós somos penalizados e muito bem se lhes fizermos mal ou os abandonarmos. E fazemos e deixamos que faça isto a seres humanos como nós. A crianças como as nossas. Isto já não é crime, por isto já ninguém é penalizado. Espero que esta reportagem não sirva só para algluns conhecerem, olharem e continuarem indiferentes. Os cidadãos deste país que por vezes se manifestam por dá cá aquela panha têm obrigação de exigir ao Estado, aos municípios e a quem de direito que resolvam esta situação. Ou vão continuar a divertir-se nos festivais de verão como nada se passasse?
  • maria
    21 jun, 2016 viseu 08:39
    E porque as sargetas estão a ceu aberto
  • Fred
    21 jun, 2016 Lx 08:38
    Isto a mim nao me diz nada. Gostaria que quem faz estas reportagens informasse as pessoas sobre as comunidades dos balcans de onde originam estas pessoas e das suas condicoes de vida. Creio que muitos ficariam chocados ao ver filmagens das aldeias ciganas repletas de mansoes de luxo com um nivel de vida inacreditavel. A culpa deste miseria é apenas da propria comunidade que existe para servir as mordomias das familias dos balcans.
  • Carlos Gomes
    21 jun, 2016 Barreiro 08:07
    Se calhar é também o dia-a-dia de muitas famílias que trabalham para o seu sustento e não aparecem as ong do costume a dar-lhes visibilidade. Aos que nada fazem e ainda assim levam a vida a pensar a melhor forma de lesar outros aparecem sempre umas "alminhas" a apoia-los. Nem havia de valer!