O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Soares Dias é o árbitro do ano

06 jun, 2016 - 19:22

Juiz portuense dirigiu quatro embates entre os “grandes” e a final da Taça de Portugal, em 2015/16. Sucede a Jorge Sousa como o melhor árbitro da temporada em Portugal.
A+ / A-

Artur Soares Dias é o melhor árbitro português da temporada de 2015/16. O Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) divulgou as classificações de todos os escalões do sector, esta segunda-feira, após o último plenário dirigido por Vítor Pereira, que amanhã passará o testemunho ao novo presidente do órgão, José Fontelas Gomes.

O juiz da AF Porto, natural de Vila Nova de Gaia, vê premiada a época intensa que protagonizou e na qual dirigiu quatro embates entre os “grandes” e ainda a final da Taça de Portugal. Ao todo, dirigiu 39 desafios, contabilizando todas as competições em que actuou.

O empresário nortenho, de 36 anos, terminou a temporada com uma média final de 3.419 pontos. João Capela, da AF Lisboa, foi segundo (3.395), à frente do algarvio Nuno Almeida, que completa o pódio, com média de 3.383.

Soares Dias, um dos mais credenciados internacionais da arbitragem lusa, sucede a Jorge Sousa, outro juiz filiado à AF Porto que, contudo, registou uma temporada atípica e marcada por problemas físicos.

Árbitros-assistentes. Portuense Rui Licínio no topo

Se Soares Dias foi o melhor árbitro, outro juiz da AF Porto foi também considerado o melhor assistente do ano.

Trata-se de Rui Licínio, um dos valores do sector, que sucede a Bertino Miranda, um dos mais experientes auxiliares que esta época encerrou a carreira para passar a dirigente do Conselho de Arbitragem.

[notícia corrigida às 22h15]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Manuel Paiva
    07 jun, 2016 Loulé 03:09
    Fez-se justiça. Parabéns ao A. Soares Dias.
  • Figueiredo
    06 jun, 2016 Cacia 20:41
    Deixem_me rir .........Capela em segundo?