|
A+ / A-

Nem 11 nem 11 milhões. A selecção nacional esqueceu-se dos emigrantes?

02 jun, 2016 - 13:38

Deputado eleito pelo círculo da emigração na Europa critica campanha de apoio à selecção, lançada a propósito do Euro2016.

A+ / A-

O deputado do PS Paulo Pisco alertou esta quinta-feira que a campanha de apoio à selecção nacional de futebol lançada pela Federação Portuguesa de Futebol ignora os cinco milhões de portugueses emigrantes, o que disse ver "com uma certa irritação".

Em causa está a campanha de apoio à selecção portuguesa, com o lema "Não somos 11, Somos 11 milhões", durante o campeonato europeu de futebol (Euro2016), que o deputado socialista, eleito pelo círculo da emigração na Europa, considera "uma desconsideração" para com os cinco milhões de emigrantes portugueses.

"Torna-se quase uma desconsideração esquecer que a nação portuguesa não é apenas composta pelos 10 milhões que habitam dentro das nossas fronteiras, é muito mais vasta e inclui os cinco milhões que estão espalhados pelo mundo, sem contar com aquelas que são as segundas e terceiras gerações, que fazem muito mais apoiantes da selecção portuguesa", disse o socialista à Lusa.

"Precisamos do apoio de todos, sem nenhum tipo de exclusão, e deveremos estar unidos. Seria importante que fossem considerados os 15 milhões de portugueses e não apenas os 11 milhões de que a Federação Portuguesa de Futebol fala", afirmou Paulo Pisco, que espera que aquele organismo ainda corrija a sua campanha.

Pisco lembrou que este é "um erro que volta a ser cometido" e que já em 2008, quando o campeonato europeu de futebol decorreu na Suíça e na Áustria, "uma marca, muito conhecida, disse que havia 10 milhões de portugueses a apoiar a selecção".

Na altura, "isso provocou reacções nas nossas comunidades, porque houve cinco milhões de portugueses que, na altura, se sentiram excluídos" e "não faz sentido que tenha voltado a haver este esquecimento", lamentou o deputado do PS.

Pisco salientou que na Europa, os "grandes apoios que a selecção nacional tem [nos jogos] são dos portugueses que residem nesses países".

O deputado socialista alertou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, para esta questão, esta quarta-feira, durante uma audição na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 08 jun, 2016 18:11
    Jesus!!!! Mas que discussão ridicula!! Alguem leu o comentário da ANA 02 JUN, 2016 LISBOA 23:12???????????
  • José Ferreira
    07 jun, 2016 Viseu 11:11
    Tem de se contar com muitos como eu que não se revêem neste país, portanto devem ser menos de 11 milhões a apoiar Portugal... já a apoiar a selecção haverá mais que os 15 milhões!
  • Inês correia
    03 jun, 2016 Hagen Alemanha 09:31
    Como emigrante que sou ja tou habituada que Portugal se esqueça des nós !é triste e revoltante !mas continuo a cantar o Hino com a mão no coração e com as lágrimas a cair-me pelo o rosto
  • Ana
    02 jun, 2016 Lisboa 23:12
    Está tudo muito susceptível credo... Ficaram 11 milhoes porque sao onze jogadores na equipa..Fossem 30 e seriam 30 milhoes.. relaxem por favor.. Nem tudo é um ataque..
  • PORTUGUÊS
    02 jun, 2016 BELEM PARÁ BRASIL 17:34
    A ignorância ainda transborda em muitas pessoas em Portugal, como exemplo, cito a baboseira escrita por esse tal Marco que escreve anteriormente. Esse elemento não imagina o que passa um emigrante desde o momento que deixa tudo para traz. Até há poucas décadas a principal riqueza de Portugal eram as divisas que os emigrantes enviavam ao País de origem. Nós emigrantes valorizamos , propagamos e até contribuímos de certa forma nas relações entre os países de origem e de acolhimento, além de carregar nosso País no coração e defendemos nossas cores a qualquer custo. Por isso gostaria que vissem o emigrante com respeito. Porque quantas vezes me sinto um estrangeiro em minha terra. Isto é horrível. Informo a esse nacionalista de araque, Marco, que embora more em outro País a bandeira portuguesa está içada em minha residência, ele no entanto não sei se conhece sequer as cores de nosso pavilhão.
  • Vitor Costa
    02 jun, 2016 Luzern-Suiça 16:41
    Para quem vem atacar a comunidade portuguesa espalhada pelo mundo, mesmo aqueles descendentes, conseguem ter Portugal no coraçao muito mais que o proprio 11 milhoes. Digo mais se fizessemos o manguito aos produtos portuguses (super bock sagres azeite vinhos etc. etc. eu queria ver o resultado da balança comercial. Neste caso independente do deputado seria necessario toda a assembleia da republica. Acho que deu para entender....Abraço Portugal Concordo com o comeentario de F. Pinto
  • 02 jun, 2016 16:39
    a selecção faz-me lembrar o festival da canção nada ganharam.é só vaidade é bom para a salafragem que a companha
  • Marco
    02 jun, 2016 Carcavelos 16:35
    Os emigrantes são estrangeiros porque vivem fora do País. Quem é português verdadeiro não emigra e aceita as condições laborais existentes no País, nem que para isso esteja desempregado.
  • José Azevedo
    02 jun, 2016 Braga 16:33
    Será que existe alguém com um pingo de inteligência no seio daquele grupo? Nós detalhes se avaliam as pessoas.
  • Kiku
    02 jun, 2016 Barreiro 16:29
    És Deputado Europeu e não pensaste que podia ser para rimar! é apenas uma e só uma campanha de apoio. Claro que lá fora são os emigrantes que puxam por Portugal, quem duvida?