A+ / A-
Fora da Caixa

​Santana Lopes: “Costa sabe que a UE não é de ferro na negociação"

30 mai, 2016 - 10:07 • José Pedro Frazão

O antigo primeiro-ministro considera que António Costa avalia atentamente a dinâmica negocial grega em Bruxelas.
A+ / A-
Fora da Caixa (27/05/16)
Fora da Caixa (27/05/16)

O exemplo grego pode servir a Portugal como exemplo "mau ou bom“ de como uma crise em torno de questões financeiras pode ser resolvido. A opinião é de Pedro Santana Lopes no programa “Fora da Caixa” da Renascença. O antigo primeiro-ministro considera que António Costa avalia atentamente a dinâmica negocial grega em Bruxelas.

"Ele [Costa] não extrema posições, mas também sabe e percebe que, em termos de negociação, a União Europeia 'não é de ferro'. Independentemente das ameaças, das vontades políticas de alguns sectores europeus, o primeiro-ministro sabe que neste momento na Europa há margem de negociação”, afirma Pedro Santana Lopes.

Os comentadores do programa “Fora da Caixa” comentam a aprovação de uma nova tranche de apoio a Atenas, acordada na última reunião do Eurogrupo.

António Vitorino reconhece que os gregos tentaram jogar "por infortúnio das pessoas que estão nessa situação” com a crise dos refugiados.

“Conseguiram de alguma forma ganhar pontos nessa matéria. Toda gente tem hoje consciência que a Grécia é um ponto nevrálgico da crise dos refugiados e que consequentemente uma Grécia desestabilizada só agravaria uma situação que já de si estava pouco sob controlo”, sustenta o antigo comissário europeu no debate semanal de temas europeus da Renascença.

A mudança de Tsipras

Pedro Santana Lopes detecta "algum alinhamento de Tsipras com algumas posições ocidentais”, pondo termo a "alguns devaneios em várias matérias de política interna e externa que ocorreram no inicio das suas funções”.

O antigo líder do PSD considera que, “depois da sua confirmação eleitoral, Tsipras procurou seguir o equilíbrio entre o respeito pelas condições acordadas com a União Europeia e algumas medidas de ‘aconchego' de algumas reivindicações mais prementes da população”.

Para Santana, é evidente o desconforto do primeiro-ministro grego com a austeridade que será aplicada em troca da libertação de nova tranche de apoio financeiro.

António Vitorino reconhece que Alexis Tsipras "passou a ter mais cuidado na maneira como se posiciona no contexto europeu”, aproximando o Syriza do espaço político histórico do PASOK, o partido socialista grego, já longe do “radicalismo” original do partido onde então militava o ex-ministro das finanças Yanis Varoufakis.

"Perdemos em coreografia mas ganhámos em responsabilidade e em confiança”, remata Vitorino.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.