A+ / A-

Portugueses são os europeus que pagam mais pela luz e gás

27 mai, 2016 - 11:55

O peso das taxas e impostos no preço da electricidade doméstica é o terceiro maior da UE (50%) e acima da média europeia de 33%, enquanto no gás as taxas e impostos são 23%, em média com a UE.

A+ / A-

Portugal tinha no segundo semestre de 2015 a electricidade e o gás para uso doméstico mais caros da União Europeia expressos em paridade de poder de compra padrão (PPS, na sigla inglesa), divulga o Eurostat.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas europeu, em Portugal, a electricidade custava, na segunda metade do ano passado, 29,3 PPS (unidade monetária artificial que elimina as diferenças de níveis de preços entre os países) por 100 kWh (quilowatt hora) e o gás 12,6 PPS.

Na UE, o preço médio da electricidade subiu, em termos homólogos, 2,4% e na Zona Euro 1,3%, para os 21,1 e 22,1 euros por 100 kWh, respectivamente, enquanto o do gás recuou 1,7% na UE para os 7,1 euros e 3,4% na Zona Euro para os 7,6 euros por 100 kWh.

Entre Junho e Dezembro de 2015, o preço do preço da electricidade doméstica na UE era de 21,1 PPS por 100 kWh e na zona euro de 21,6 PPS, enquanto o do gás era de 7,1 PPS por 100 kWh na UE e de 7,5 PPS na Zona Euro.

Além de Portugal (29,3 PPS por 100 kWh), na Alemanha (28,3), em Espanha e na Roménia (26,5 cada) a electricidade para uso doméstico tinha os preços mais altos face aos de outros bens e serviços, enquanto a Finlândia (12,3 PPS por 100kWh), a Suécia (14,6), o Luxemburgo (14,7) e a França (15,2) apresentavam os preços mais baixos.

No que respeita ao gás, face ao custo de outros bens e serviços, os preços mais baixos registaram-se no Luxemburgo (4,0 PPS por 100 kWh), Reino Unido (5,1), Bélgica (5,6) e Dinamarca (5,7), enquanto os mais altos foram observados em Portugal (12,6), Espanha (10,4), Grécia e Suécia (9,2 cada), República Checa (9,1) e Itália (9,0).

O peso das taxas e impostos no preço da electricidade doméstica em Portugal é o terceiro maior da UE (50%), depois da Dinamarca (69%) e da Alemanha (52%), e acima da média europeia de 33%, enquanto no gás as taxas e impostos são 23%, em média com a UE.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • vasco
    29 mai, 2016 Viseu 19:17
    Lembram-se quão bom foi a venda da EDP aos Chineses, ora aí está se eles sãos os donos são eles que impõem os preços, agora é comer e calar. Para além do preço ainda temos a vantagem de ter o território repleto daqueles aéro- geradores provavelmente “ made in china”, que tanto contribuem para a decoração paisagística e protecção da natureza, tenho cá para mim que as pessoas quando sobrevoam este nosso País ficarão com toda a certeza cheias de inveja por na terra deles não terem nada de tão belo e espetacular! A sorte não é para todos não senhor.
  • fields
    29 mai, 2016 lx 11:28
    O que eu gostava ver era o comparativo antes de impostos, isso também seria importante e com apenas dois indicadores, o salario minimo e o custo da luz e do gás, andamos a propagandear que somos os maiores a produzir energia a partir de fontes renovaveis mas esquecemo-nos de dizer que essa energia é bem mais cara que a tradicional.
  • Alentejano
    28 mai, 2016 Évora 17:54
    Temos que pagar os salários escandalosos dos Mexias e Companhia!
  • JULIO
    28 mai, 2016 vila verde 14:38
    Temos que pagar mais caro que os outros, porque temos de pagar uma pesada maquina do estado e todos os milhares de parasitas que custão milhões, e até lhe chamam funsiunarios.
  • carmom
    28 mai, 2016 FAMALICÃO 13:00
    Aumentar os preços dos bens,não é austeridade,segundo o governo.Dizer que dá,mesmo sem ter dado,tirando pela porta do cavalo,não se nota tanto.
  • fanã
    27 mai, 2016 aveiro 19:28
    Pagamos mais em tudo...................até o papel higiénico !
  • Rui
    27 mai, 2016 Loures 15:28
    E ainda dizem que estamos a ser beneficiados. Isto não faz sentido nenhum. Temos os preços mais altos da UE, temos um dos menores rendimentos na UE e continuam a achar que pagamos pouco. Cada vez que liberaliza os serviços em Portugal tudo fica mais caro e nós continuamos alegremente a sorrir para os políticos em Portugal. Caramba quando isto acaba ?!!! Chego a pensar que nos querem trocar por chineses, indianos, eu sei lá e atenção que isto não tem a haver com xenofobia, mas sim pelo rendimento destes povos ser inferior ao nosso e se calhar é o que os "empresários" portugueses querem. Assim podem ter ordenados maiores e continuarem a queixar-se que isto está mau.... E um dia voltamos à escravidão, onde se trabalha para comer (pão e agua e duas refeições por dia se der jeito aos senhores) e nada mais. É uma vergonha onde estamos a chegar. Palavras de um português com passado e sem futuro.
  • jacc
    27 mai, 2016 evora 13:56
    Em contrapartida o Mexia deve ser o que ganha menos !!!!!