|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Só 15 escolas privadas com apoio estatal não têm alternativa pública nas redondezas

19 mai, 2016 - 18:05 • Dina Soares

Maioria dos estabelecimentos com contratos de associação têm a 10 quilómetros ou menos de distância uma escola pública.

A+ / A-

Veja também:


Dos 79 estabelecimentos de ensino particular e cooperativo com contratos de associação, só 15 não têm a 10 quilómetros ou menos de distância um estabelecimento público.

Segundo um estudo da Direcção Geral de Estatísticas da Educação, datado de Abril deste ano, a que a Renascença teve acesso, na região Norte, há cinco escolas que estão sozinhas. Todas as outras têm alternativa a 10 quilómetros ou menos de distância, pelo menos para alguns níveis de ensino.

A proximidade geográfica não é o único critério do Governo na revisão dos contratos de associação. O executivo ponderou outros critérios: a lotação, o estado de conservação, a ocupação e a existência de transportes. Um desses colégios, o Externato Liceal Paulo VI, de Gondomar, tem mesmo 27 escolas públicas num raio de 10 quilómetros, 11 das quais com níveis de ocupação muito baixos.

No centro do país, há seis escolas com contrato de associação que não têm alternativa pública. Todas as outras estão situadas a menos de 10 quilómetros de escolas públicas com vagas.

O Colégio Rainha Santa Isabel, em Coimbra, por exemplo, tem 15 escolas em redor, nove das quais com taxas de ocupação de nível 1 e 2 numa escala de cinco.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo há três escolas não têm opção pública. Em contrapartida, os Salesianos de Manique ficam nas proximidades de 20 estabelecimentos de ensino públicos, só dois estão com ocupação máxima.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José
    20 mai, 2016 Braga 11:17
    Haja paciência,cá estamos nós, outra vez, volta e vira voltamos ao mesmo… Pelos vistos, havia oferta na rede publica, sim porque as vagas não apareceram por milagre, da noite para o dia...Logo a Srª Secretaria de Estado Adjunta, tinha razão pelo vistos a rede estava mesmo sub-dimensionada...Daqui se conclui que o antigo primeiros ministro, Srº Passos Coelho não tinha necessidade de assinar 79 contratos de associação... Então só...”Dos 79 estabelecimentos, só 15 não têm a 10 quilómetros ou menos de distância um estabelecimento público”... UMA PALHAÇADA… Então eu pergunto, na PROVÍNCIA , por acaso, sabem quantos quilómetros muitas crianças têm fazer para ir à escola...Que eu saiba, em Portugal não existem só cidades como “o Externato Liceal Paulo VI, de Gondomar, tem mesmo 27 escolas públicas num raio de 10 quilómetros, 11 das quais com níveis de ocupação muito baixos” ; ou o “ O Colégio Rainha Santa Isabel, em Coimbra, por exemplo, tem 15 escolas em redor, nove das quais com taxas de ocupação de nível 1 e 2 numa escala de cinco. ”; ou os Salesianos de Manique ficam nas proximidades de 20 estabelecimentos de ensino públicos, só dois estão com ocupação máxima. Então, vão para a rua manifestarem-se a argumentar o quê!!! Depois disto surge a pergunta!!! Afina,l de que é que esta gente se está a queixar… que já me esquecia... UMA PALHAÇADA…
  • Zé da Esquina
    19 mai, 2016 Alcúdia 19:36
    Pois se não existe alternativa para estas 15 escolas é justo que o Estado (governo) arranje uma forma de os alunos terem o tal acesso escolar que deveria, constitucionalmente, ser gratuito até conseguir pôr a funcionar escolas públicas que sirvam essas zonas. De acordo com o provérbio chinês: "Se vires um pessoa (masculino e feminino para não ferir susceptibilidades) não lhe dês de comer. Ensina-o a pescar. No caso deveria ser: Mata-lhe a fome e ensina-o a pescar
  • carmom
    19 mai, 2016 FAMALICÃO 19:27
    A RR emissora que sempre pugna pela justiça,deveria estudar o assunto apresentando dados concretos sobre o custo por aluno no público e no privado.Nós os que pagamos sem bufar,ficamos baralhados com noticias tão dispares.O T. de Contas diz uma coisa o Prof Marcelo disse o mesmo.Agora que tem mais responsabilidades vamos ver o que diz.
  • Padre Américo
    19 mai, 2016 Braga 18:33
    Só essas 15 é que devem continuar abertas, a lecionar, com ajudas do Estado, todas as outras empresas (escolas privadas) devem fazer pela vida e arranjar clientes que lhes paguem: Os recursos são finitos para o público!