A+ / A-

Portugal vai indemnizar Liliana Melo, a mãe a quem foram retirados sete filhos

16 mai, 2016 - 17:42

Estado não recorre da decisão de tribunal europeu, que considerou que houve violação da Convenção Europeia dos Direitos Humanos. Liliana Melo foi intimada a fazer uma laqueação de trompas.
A+ / A-

Portugal não vai recorrer da sentença do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem no caso de Liliana Melo, a mãe que perdeu a guarda dos sete filhos em Maio de 2012 por ordem do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte do Ministério da Justiça.

“O Estado português decidiu não recorrer da decisão do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, uma vez que as decisões tanto do Tribunal Constitucional (TC) como do STJ foram no sentido de se reiniciar o processo”, segundo o gabinete da ministra da Justiça.

Portugal tinha até esta segunda-feira para recorrer da decisão do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem que há três meses condenara Portugal ao pagamento de uma indemnização de 15 mil euros por violação de direitos humanos no caso de Liliana Melo.

A sentença ordenava também que o Estado português pagasse uma indemnização de 15 mil euros a Liliana Melo por danos morais.

Laqueação de trompas entre as condições

O processo de Liliana Melo, residente em Portugal há 20 anos, foi sinalizado em 2007 e acompanhado pelo Tribunal de Sintra e pela Segurança Social. De acordo com o Tribunal de Sintra, ao longo dos anos foram impostas várias condições a Liliana Melo, como vacinar os filhos, manter condições de habitabilidade, prover o sustento das crianças, e fazer uma laqueação de trompas.

Liliana Melo apresentou queixa naquele tribunal europeu por ter sido proibida de contactar com os sete filhos durante a pendência do processo.

O tribunal europeu considerou que houve violação da Convenção Europeia dos Direitos Humanos (artigo 8, que tutela o direito de protecção da família) e o juiz aconselhou as autoridades portuguesas a reexaminarem o caso. Recomendou ainda uma reanálise urgente da situação dos sete menores, que estão institucionalizados.

A decisão foi tomada por unanimidade por um colégio de sete juízes, entre eles o português Paulo Pinto de Albuquerque.

Já este mês os juízes do Supremo Tribunal de Justiça consideraram que em função do acórdão do Tribunal Constitucional, seria declarado nulo todo o processado desenvolvido a partir do debate judicial. Esta declaração de nulidade abrange o acórdão do tribunal de primeira instância de Sintra de 25 de Maio de 2012.

Desde que foram retirados à mãe, as sete crianças nunca chegaram a ser adoptadas.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bela
    16 mai, 2016 Coimbra 22:52
    Ainda bem que isto aconteceu! Já é altura de alguém por mão no autoritarismo de certas pessoas, que por tudo e nada retiram as crianças às respectivas famílias. Provavelmente em casos em que o deveriam fazer, ignoram.
  • fields
    16 mai, 2016 lx 22:22
    É por estas e por outras que os juizes têm que ser responsabilizados pelos seus erros, porque os cidadãos quando erram e são condenados não pedem aos outros contribuintes para pagar. O estado ou seja os contribuintes portugueses todos os anos pagam milhares de euros à custa dos erros judiciais e afins muitos deles devido à sensação de superioridade e impunidade que a toga provoca em alguns iluminados dos tribunais.
  • TS
    16 mai, 2016 Lisboa 18:18
    Bem agora com este dinheiro todo, dinheiro dos contribuintes, já vai conseguir reaver os pobres filhos, e a ver se desta vez os alimenta e os trata como deve ser, e não utiliza uma religião para justificar maluquices. É bom saber que analisaram como deve ser o caso...