RR
|
A+ / A-

Escolas privadas não desistem da luta pelas verbas estatais

09 mai, 2016 - 16:36

Marcelo Rebelo de Sousa está “a acompanhar a situação com muita preocupação”, mas só fala depois de conversar com o primeiro-ministro.

A+ / A-

Depois de uma manhã entre os palácios de Belém e de São Bento, os manifestantes em defesa das escolas particulares e cooperativas garantem que vão lutar até lhes serem garantidas as verbas estatais.

Cerca de meia centena de pais, professores e funcionários de dez escolas particulares e cooperativas deixaram, esta segunda-feira, mais de 50 mil cartas na residência do primeiro-ministro, no Palácio de São Bento, e outras 50 mil no Palácio de Belém.

“Há cartas de alunos que dizem ‘deixem-me continuar na minha escola’. Outras dizem: ‘não fechem a minha escola’. São mensagens pessoais”, resumiu Renato Cruz, porta-voz do movimento.

As cartas - escritas por alunos, encarregados de educação e funcionários – pedem, no essencial, a suspensão do despacho do Ministério da Educação, que veio definir que, a partir do próximo ano, só serão financiadas as turmas que se encontrem em zonas sem oferta pública.

A equipa liderada pelo ministro Tiago Brandão Rodrigues prometeu, no entanto, que não iria retirar o financiamento das turmas até que estas terminassem o ciclo de estudos em que se encontravam. Ou seja, em causa está a abertura de novas turmas de 5.º. 7.º e 10.º anos.

Para os manifestantes, este diploma poderá significar o fim de alguns estabelecimentos de ensino, o desemprego de milhares de professores e funcionários e a transferência de alunos para outras escolas.

Para o Governo, o financiamento destas escolas quando existe oferta pública significa a duplicação de verbas e a utilização indevida do dinheiro dos contribuintes.

A concentração do Movimento “Defesa da Escola.Ponto” começou no Palácio de São Bento, onde os manifestantes deixaram metade das cartas e foram recebidos pelo assessor para os Assuntos Económicos.

No final do encontro, o porta-voz do movimento contou que o assessor para os Assuntos Económicos revelou que “o Governo está a fazer uma nova reavaliação” do mapa da rede escolar, onde constam as turmas que abrem no ano seguinte.

“O facto de termos criado este movimento levou a que o Governo adiasse a publicação do mapa da rede, que estava previsto para amanhã, porque estão a reavaliar todas as turmas”, disse Renato Cruz.

No entanto, confrontado com esta afirmação, fonte do gabinete do ministro garantiu que “a rede só está pronta no final de maio e este ano não será excepção”.

Os manifestantes estiveram também no Palácio de Belém, onde foram recebidos pela ex-ministra da Educação e assessora para a área da Educação, Isabel Alçada, e onde deixaram as restantes cartas.

No final do encontro, Renato Cruz contou aos jornalistas que a equipa de Marcelo Rebelo de Sousa está “a acompanhar a situação com muita preocupação”.

Presidente só fala depois de conversar com António Costa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que falará sobre a polémica do fim dos contratos de associação depois de conversar com o primeiro-ministro, António Costa.

"Dessa matéria em particular falarei depois de falar com o senhor primeiro-ministro", disse o chefe de Estado, quando questionado sobre a polémica do fim dos contratos de associação com escolas ou colégios privados.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas à saída da cerimónia de apresentação da Colecção Digital de Livros Infantis Zero Desperdício, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Antes, na intervenção que fez na cerimónia, a propósito dos desafios que se colocam hoje em dia à Europa e à sociedade portuguesa, o Presidente da República tinha já abordado brevemente a questão da Educação, admitindo que por vezes tem dificuldade em perceber "afrontamentos" que existem neste domínio.

"De quando em vez tenho dificuldade em perceber afrontamentos ao menos aparentes, que existem no domínio da educação por exemplo, ou como noutros, entre setores variados, o Estado, o setor social ou os privados quando o fim é o mesmo, a causa a prosseguir é a mesma, do que se trata é de saber compreender que há um dialogo a estabelecer e há caminhos de convergência que devem ser percorridos", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 11 mai, 2016 14:02
    Espero que o Presidente da Républica tenha o bom senso de não dar ouvidos a esta "gente" interesseira, usurpadora do erário público, conseguido com o suor de quem trabalha. Não têm vergonha de usufruir do que é de todos?
  • Petervlg
    10 mai, 2016 Trofa 15:23
    existe ensino de qualidade nas escolas publicas, os colégios não devem ter apoio do estado. é uma mentira que os colégios têm um ensino de qualidade, pois a maior parte dos colégios, facilitam nas notas coloquem os alunos dos colégios a fazer os exames nas escolas publicas e vão ver se o ensino é de qualidade
  • antonio
    10 mai, 2016 lisboa 10:57
    Esta cambada da comunicação social, vai puxando a brasa à sua sardinha!!! Se é privado...é privado! Se o Estado utilizar então sim deve pagar... Todo o resto é tentar enganar o Zé Pagante!
  • Helena
    10 mai, 2016 odivelas 07:40
    O ensino publico tem vagas e qualidade.. Tive um filho no particular, nao foi uma boa experiencia e nao tive ajuda. O publico tem vagas quem opta pelo privado devera pagar.
  • rosinda
    09 mai, 2016 palmela 22:53
    se mais dia menos dia acabarem com estes estabelecimentos de ensino os professores vao para o desemprego e depois a segurança social desconta na reforma de sousa tavares!
  • rosinda
    09 mai, 2016 palmela 22:38
    muita gente nao concorda sousa tavares disse que nao esta muito por dentro do assunto mas aproveitou para dar uma alfinetada!Eu tambem nao estou muito por dentro do assunto em relaçao a numeros referentes a despesa com o ensino particular e cooperativo!Mas tambem nao sei quanto gasta o estado em fundaçoes e muitas outras coisas que o estado financia e que recai sobre os contribuintes o direito que assiste a esses jovens e o mesmo!
  • Carlos Dias
    09 mai, 2016 Laranjeiro 22:09
    Querem Colégios Privados para os filhos/as, paguem-nos de seu bolso. Não da teta do Estado . Os contribuintes não devem pagar os privilégios dos " privados" . Existem muitas Escolas Públicas ás moscas . Não querem ajuntamentos com a " ralé ". Paguem .
  • Ah, pois é!
    09 mai, 2016 Portugal 22:02
    Qualquer dia também querem subsídios pra comprar um Mercedes, pra pagar a viagem e caçada no Quénia, e preços sociais tabelados pelo governo da coligação do PSD e do CDS no restaurante Gambrinus, etc, etc, etc. É incrível a lata desta gente...
  • fanã
    09 mai, 2016 aveiro 19:27
    As Escolas Publicas também não desistem !!!!!!!!........................................e não devem !
  • Carlos Costa
    09 mai, 2016 Santarem 19:27
    Em muitos casos,o ensino privado é absolutamente indispensável porque,ou não há ensino público ou,a existir,não tem a qualidade mínima.Por outro, é necessário haver oferta diversificada.Caso contrário,estaremos em presença de uma ditadura do ensino,onde a oferta é única e,sendo única,provavelmente,a qualidade é duvidosa.Ainda podemos acrescentar que,só em regimes totalitários, é que não há ensino privado!!!!!! Como não confio neste governo ilegítimo,tenho esperança no superior sentido de justiça do Sr Presidente da República!!!!