A+ / A-

Navio patrulha “Tejo” entra ao serviço da Marinha um ano após compra

05 mai, 2016 - 12:41

Em 2017 é a vez do “Douro”, “Mondego” e “Guadiana”. Navios vão reforçar as áreas da fiscalização, busca e salvamento marítimo, combate à poluição e preservação do mar.
A+ / A-

Um ano depois de ter chegado a Portugal, o navio patrulha “Tejo” comprado à Dinamarca entra esta quinta-feira ao serviço da Marinha. A cerimónia tem lugar na Base Naval do Alfeite, onde a embarcação esteve a ser modernizada.

Para o ano, também o “Douro”, “Mondego” e “Guadiana” vão estar operacionais, representando um custo total de 24 milhões de euros.

Segundo a Marinha, estes navios vão reforçar a capacidade do Estado nas áreas da fiscalização marítima, busca e salvamento marítimo, combate à poluição e preservação do mar. "Possibilitam levar a cabo as tarefas no âmbito da sua responsabilidade, dentro de parâmetros de racionalidade, compatíveis com os recursos materiais, humanos e financeiros de que dispõe", sublinha.

Quando a aquisição foi anunciada, o Governo justificou com a necessidade de preencher a lacuna de meios para operar na faixa costeira sentida pela Marinha. Isto porque já foram abatidos sete navios patrulha da classe Cacine, devido ao seu estado de desgaste.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.