A+ / A-

Provas de aferição dividem escolas

29 abr, 2016 - 07:00 • Fátima Casanova

Directores acreditam que cerca de metade das escolas vão realizar as provas marcadas para o início de Junho.

A+ / A-

Os directores das escolas alertam que as provas de aferição estão a dividir o país e as escolas que prevêem que este será o desfecho do processo que o Ministério da Educação decidiu colocar nas mãos dos directores escolares. Esta sexta-feira termina o prazo para as escolas dizerem se não querem fazer as provas de aferição no 2º, 5º e 8º anos do ensino básico.

O Ministério da Educação para já ainda não faz qualquer balanço, mas os directores acreditam que cerca de metade das escolas vão realizar as provas marcadas para o início de Junho.

O processo começou por dividir as escolas com professores contra directores e também pais uns contra os outros. Foi assim no agrupamento de escolas Dr. Costa Neves, em Vila Nova de Gaia, como diz o seu director Filinto Lima.

Apesar das divisões, Filinto Lima decidiu-se pela realização das provas de aferição para os cerca de 650 alunos do seu agrupamento. O também presidente da Associação Nacional dos Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas acredita que esta será a decisão de pelo menos metade das escolas.

Já o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares, aponta para uma adesão superior e acredita que a maior parte vai fazer as provas de aferição. Manuel Pereira diz que é uma forma de defender a escola pública.

Manuel Pereira é director do agrupamento de escolas de Cinfães, onde os cerca de 350 alunos do básico vão fazer as provas de aferição a português e a matemática, sendo que no 2º ano têm uma componente de estudo do meio.

As provas, que estão marcadas para o início de Junho, não contam para a nota final dos alunos.

Os directores que optarem por não realizar as provas terão que comunicá-lo ao Ministério da Educação até à meia-noite desta sexta-feira. Contactado pela Renascença, o gabinete de Tiago Brandão Rodrigues não se compromete em divulgar qualquer balanço.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.