A+ / A-

"Não percais a esperança!" Papa diz aos refugiados que não estão sozinhos

16 abr, 2016 - 10:40 • Catarina Santos, em Lesbos, com Aura Miguel

A chegada ao campo de Mória foi marcada por uma atmosfera de grande comoção, com muitos dos refugiados a tentarem aproximar-se e falar com o Papa.

A+ / A-
"Não percais a esperança!" Papa diz aos refugiados que não estão sozinhos
"Não percais a esperança!" Papa diz aos refugiados que não estão sozinhos

O Papa pediu hoje aos refugiados do campo de Mória, na ilha grega de Lesbos, que não percam a esperança.

"Esta é a mensagem que, hoje, vos quero deixar: não percais a esperança! O maior presente que podemos oferecer uns aos outros é o amor: um olhar misericordioso, a solicitude por nos ouvirmos e compreendermos, uma palavra de encorajamento, uma oração. Oxalá possais partilhar este presente uns com os outros", disse Francisco, que se encontrava ladeado pelo arcebispo Jerónimo, de Atenas, e pelo patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu.

"Desejei vir estar convosco hoje. Quero dizer-vos que não estais sozinhos", disse Francisco, logo a abrir a sua intervenção, que se seguiu às de Jerónimo e Bartolomeu. O Papa sublinhou que estavam ali os três para os ouvir. "Vim aqui com os meus irmãos, o patriarca Bartolomeu e o arcebispo Jerónimo, apenas para estar convosco e ouvir os vossos dramas. Viemos a fim de chamar a atenção do mundo para esta grave crise humanitária e implorar a sua resolução", declarou.

O Papa disse saber das "inúmeras tribulações" que os refugiados sofrem em "busca duma vida melhor", dos "grandes sacrifícios" que passam "sobretudo, por amor" dos seus filhos - "dos vossos pequeninos", disse - e garantiu que unirá a sua voz ás de Jerónimo e Bartolomeu "para falar abertamente" em nome de todos.

"Esperamos que o mundo preste atenção a estas situações de trágica e verdadeiramente desesperada necessidade e responda de modo digno da nossa humanidade comum", apontou.

"Deus criou o género humano para ser uma única família; quando sofre algum dos nossos irmãos ou irmãs, todos nos ressentimos", disse Francisco, mais à frente, manifestando a esperança de que o quadro actual se altere, proque "sabemos também que estas crises podem fazer despontar o melhor de nós mesmos", como tem evidenciado "o povo grego, que, apesar de imerso nas suas próprias dificuldades, respondeu generosamente" às necessidades de muitos refugiados.

"Há sempre alguém que pode dar uma mão para nos ajudar", disse o Papa, que recordou o episódio bíblico do Bom Samaritano: "Para nós, é uma parábola alusiva à misericórdia de Deus, que se destina a todos; mas é também um apelo a demonstrarmos a mesma misericórdia àqueles que passam necessidade. Que todos os nossos irmãos e irmãs, neste continente, possam - à semelhança do Bom Samaritano - vir em vosso auxílio, animados por aquele espírito de fraternidade, solidariedade e respeito pela dignidade humana que caracterizou a sua longa história."

A chegada ao campo de Mória foi marcada por uma atmosfera de grande comoção, com muitos dos refugiados a tentarem aproximar-se e falar com o Papa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Serzedelo
    16 abr, 2016 Lisboa 16:16
    Bendito seja este Papa,gloria e exemplo da Humanidade.Grande referência para nós.
  • Antonio
    16 abr, 2016 Lisboa 15:05
    Por mim podem comecar a ser acolhidos pelo Vaticano. Cá em Portugal podem trabalhar ns agricultura, pescas, etc para ajudarem a pagar as suas despesas.
  • 16 abr, 2016 14:00
    Por mim nem um refugiado entrava. Chamem-me o que quiserem. São àrabes, e teêm paises àrabes riquisssimos là perto. Porque não para esses paises? Querem é vir todos para a Europa. É no minimo estranho...
  • Jose Cortes
    16 abr, 2016 planeta Terra 11:44
    Já agora, para quando a entrada das mulheres na vida religiosa católica praticante, sem ser como seguidoras apenas, mas membros de plena igualdade como nós, homens.
  • António Costa
    16 abr, 2016 Cacém 11:22
    Os refugiados que foram atirados ao mar, só por ser cristãos, esses morreram sozinhos. esses não tiveram o direito de entrar na Europa "Cristã".