|
A+ / A-

UNICEF. Portugal entre países com crianças pobres e em piores circunstâncias

14 abr, 2016 - 00:12 • Liliana Monteiro

Os dados mostram que as disparidades de rendimentos de agregados com crianças aumentaram na maioria dos países desde que começou a crise económica.

A+ / A-

Portugal está entre os países onde as crianças desfavorecidas vivem em piores circunstâncias. Os dados são da UNICEF que analisou 41 países da União Europeia e Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e avaliou parâmetros como o rendimento do agregado, a saúde, educação e satisfação com a vida.

O relatório compara as desigualdades entre as crianças classificadas como estando numa situação mediana e as que se encontram no patamar mais baixo.

A crise económica atirou Portugal para a lista de países onde as crianças mais pobres vivem em piores circunstâncias. Desse grupo fazem parte ainda o Chipre, Espanha, Grécia e a Itália.

Os dados mostram que as disparidades de rendimentos de agregados com crianças aumentaram na maioria dos países desde que começou a crise económica, uma tendência que o relatório aponta como “gritante” nos países do sul da Europa.

Portugal é também apontado como o país onde as desigualdades em termos de alimentação saudável (ou seja, consumo de fruta e vegetais) mais aumentaram.

Olhando para a lista de 41 países analisados, a Dinamarca surge no topo da tabela como o que tem menores desigualdades entre crianças. Já Israel surge em último lugar.

Em matéria de cuidados de saúde apenas Espanha e os Estados Unidos melhoraram. Já a Estónia, Irlanda, Letónia e Polónia conseguiram reduzir as desigualdades em matéria de Educação.

Em nome do bem-estar das crianças propõe-se que se proteja os rendimentos dos agregados familiares das crianças mais pobres; se promova o sucesso escolar dos mais desfavorecidos; promova estilos de vida saudáveis para todas as crianças.

Madalena Marçal Grilo, directora executiva do comité português para a UNICEF, salienta à Renascença queo estudo avalia o bem-estar das crianças nos países ricos. Avalia as desigualdades que separam as crianças classificadas num nível mediano e mais baixo”.

A mesma resposável lembra também que “as várias dimensões da pobreza afectam a criança agora e nas suas perspectivas de futuro”. A pobreza infantil, aponta, “diminui ou limita as oportunidades de futuro e de as crianças se desenvolverem de uma forma mais saudável e harmoniosa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fields
    14 abr, 2016 lx 17:25
    Pois é! E é engraçado que ainda não vi nem a ministra da justiça nem o PAN falar sobre o assunto, estava na altura de deixar de tratar estas crianças como animais. E já agora também era interessante que se verifica-se porque é que as familias não têm dinheiro para comer, será que é por causa do desemprego causado pelas forma como os políticos tem governado o país. Mas a esses culpados ninguém os responsabiliza, limitam-se a saltitar entre a oposição e o governo, conforme são eleitos, muitas vezes por pessoas que não têm dinheiro para comer mas que continuam a votar nos mesmos de sempre e mesmo sem dinheiro para comer ainda conseguem mandar uns foguetes para comemorar a vitoria do seu partido de eleição, os mesmos que há 42 anos alternam no poder e levaram o país ao estado em que está.
  • josé Silva
    14 abr, 2016 Gaia 12:07
    Parabens Passos .
  • Yaca
    14 abr, 2016 Amadora 11:19
    Como querem receber refugiados, se não sabem tratar da sua casa? Em Portugal há falta de solidariedade, cada um trata da sua vida, por isso é normal estas avaliações.
  • Alberto Martins
    14 abr, 2016 Lisboa 10:50
    Este estudo deve estar errado... "Às "pessoas do comentariado político" que lhe sugerem que se reinvente, Passos Coelho responde que não fez "tudo bem", mas sustenta que deixou o país melhor..." Apesar do paleio de passos: "Se Passos Coelho deixar de ser primeiro-ministro após as eleições, tornar-se-á no primeiro, desde pelo menos 1976, a registar uma quebra no PIB durante o seu mandato..." Ou seja o único que deixou o pais mais pobre do que recebeu...e não nos podemos esquecer que o pais tinha pedido resgate... Portanto não é de admirar que "UNICEF. Portugal entre países com crianças pobres e em piores circunstâncias..."
  • Manuela Neves
    14 abr, 2016 Queluz 10:14
    Por saber que no meu país há crianças com fome, com falta de casa e agasalho é que me custa compreender as constantes campanhas a favor, por exemplo das crianças de Angola, que é um país rico e tem obrigação de as tratar bem. Primeiro tratemos dos nossos!
  • Leo
    14 abr, 2016 lhéu 09:43
    Há tanta gente avarenta, medíocre por este mundo além. Não conhecem a história. Em tempos passados os portugueses tiveram de fugir do seu país por causa das invasões. Há montagens onde se vê os barcos carregados de pessoas que nem que fossem ratos, mas a mente é curta. Onde é que está a solidariedade humana? E os nossos passados quando se lembraram de ir invadir e explorar a África onde eram países povoados, com as suas leis locais, o que é que lhes fizemos? Meu pai dizia que uma pessoa quando não tem nada para dizer devia meter uma pedra na boca...
  • José
    14 abr, 2016 Viseu 09:40
    Não seria de esperar outra coisa! Com as famílias a verem os seus rendimentos a reduzirem, os impostos a subirem e as prestações Sociais a reduzirem cada vez mais sobre tudo na época do anterior Governo, o que estavam á espera? Conheço casos de várias famílias que ficaram desempregados com idades entre os 45 e os 60 anos com filhos ainda menores que se não fossem os avós esses menores passariam fome! Há largos milhares de famílias que pelo menos um dos cônjuges perdeu o emprego mas como já têm idades superior a 40 anos ninguém lhes dá trabalho, imaginem agora o que essa gente está a passar! Mas para as subvenções vitalícias, rendas excessivas e mordomias de muitos continua a haver dinheiro com fartura!
  • revoltante
    14 abr, 2016 lisboa 09:30
    enoja, revolta, ver o prof. martelo, Guterres, 1º ministro etc., pela europa fora a expressarem a vontade em ajudar os outros, agora estão na moda os chamados refugiados. e o povo deles os PORTUGUESES povo a que dizem pertencer ficarem em ultimo plano!!! como se vota nesta gente??? representam os portugueses que votam e lhes dão tachos??? ou os outros??? PRIMEIRO AS NOSSAS CRIANÇAS!!! HÁ MUITA FOME EM PORTUGAL "SENHORES" GOVERNANTES!!! Votamos em vocês para defenderem os nossos não para defenderem bancos a grande finança e os outros!!!!
  • Ze Povinho
    14 abr, 2016 Lisboa 08:51
    Esta notícia vem revelar toda a verdade: ANDA O 1º MINISTRO, ARMADO EM PROGRESSISTA, A FAZER VIAGENS À GRÉCIA, PARA IR BUSCAR OS "COITADINHOS" DOS REFUGIADOS, com terroristas à mistura, pois ninguém sabem quem são, QUANDO TEMOS GENTE A VIVER EM PIORES CONDIÇÕES DO QUE OS REFIGIADOS ! OS PORTUGUESES PRIMEIRO, SÓ DEPOIS, OS OUTROS, Sr. Primeiro Ministro!
  • 14 abr, 2016 VN Gaia 08:38
    Não é verdade, alguém dizia há meia-dúzia de meses que temos os cofres cheios, portanto elas são pobres porque querem...Quem não chora não mama. Democracia de sucesso, também alguém uma vez disse uma vez.