A+ / A-

Quanto tempo pode viver Nuno Dala sem comer? Não há uma resposta objectiva

12 abr, 2016 - 17:32

Nutricionista explica à Renascença que o limite para um jejum depende das reservas, ou seja, da quantidade de gordura de cada organismo.
A+ / A-

O nutricionista Cláudio Rodrigues diz que o tempo humanamente possível de jejum para um humano depende das reservas de cada organismo, ou seja, da quantidade de gordura que cada pessoa tem.

“Quanto maior for a quantidade das reservas que o nosso corpo tinha previamente, maior será o tempo que o nosso corpo consegue aguentar, ou seja, a quantidade de gorduras que a pessoa tinha armazenadas vai ditar o tempo que nós conseguimos aguentar”, explica este dirigente da Associação Portuguesa dos Nutricionistas, confrontado pela Renascença com a situação clínica do activista angolano Nuno Dala, em greve de fome há 32 dias.

O especialista sublinha que um período prolongado de jejum pode trazer alterações não recuperáveis. Mesmo quando alimentação volta ao normal, os transtornos dificilmente são corrigíveis: “Uma greve de fome vai fazer com que, a médio/longo prazo, alguns parâmetros metabólicos dificilmente voltem ao normal, mesmo que depois a pessoa se alimente de uma forma correta e adequada”.

O clínico acrescenta que, entre outros problemas, podem surgir complicações como o enfraquecimento das unhas e a queda de cabelo em grande quantidade. “O cabelo poderá nunca mais voltar a ter a mesma força e a crescer da mesma forma”, aponta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Arq Jose Martins
    12 abr, 2016 Oeiras 20:38
    Há que fazer vir para Portugal estas pessoas perseguidas pela incompetência do Governo, "Luanda a cidade do Lixo", e trata-las com a devida dignidade. O Problema de Angola só se resolve quando as Agências Especializadas das Nações Unidas coordenarem localmente e duravelmente.a solução dos problemas, os naturais não têm a preparação escolar e não são capazes, como se vê nos últimos 40 anos. E não é preciso qe seja Portugal a levantar o problema, qe dói não ver resolvido.