A+ / A-

Bispos reforçam "total rejeição" de legalização da eutanásia

07 abr, 2016 - 15:56 • Ecclesia

A Igreja nunca deixará de defender a vida como bem absoluto para o homem, rejeitando todas as formas de cultura de morte”, refere o comunicado final da assembleia plenária da CEP.
A+ / A-

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) reforçou esta quinta-feira, em Fátima, a sua posição de “total rejeição” de uma eventual legalização da eutanásia no país.

“A Assembleia reafirmou a total rejeição da eutanásia, que elimina a vida de uma pessoa, matando-a. A Igreja nunca deixará de defender a vida como bem absoluto para o homem, rejeitando todas as formas de cultura de morte”, refere o comunicado final da 189.ª assembleia plenária da CEP, que decorreu desde segunda-feira.

O organismo máximo do episcopado católico em Portugal debateu o tema “a partir da recente nota pastoral do Conselho Permanente” da CEP, com o contributo de “alguns peritos na área do direito e da medicina”.

Para o episcopado português, é necessário promover uma “cada vez mais uma efectiva proximidade junto dos que mais sofrem” e intensificar “a rede de cuidados paliativos como direito para todos, os quais servem para ajudar a viver e fomentar a esperança”.

Igreja contra "eufemismos"

D. Manuel Clemente, presidente da CEP, lamentou a resposta "muito minoritária" em termos de cuidados paliativos, face às necessidades do país, sublinhando aos jornalistas que esta deve ser a "verdadeira frente de combate". "Isso implica investimento de recursos e de pessoas, mas há muita gente disponível para ir neste sentido", observou.

Para o cardeal-patriarca, importa recordar que o direito à vida é "inviolável", também do ponto de vista constitucional, lamentando que se elimine do "horizonte" a dimensão de sofrimento. "Nós podemos usar muitos eufemismos, mas [a eutanásia] trata-se sempre de matar, de eliminar uma vida, mesmo que seja a pedido", referiu. "Cuidar, não descartar, cuidar", acrescentou.

D. Manuel Clemente recusou que, em matéria de vida e morte, existam "zonas de sombra" ou de esquecimento, que possam levar à "eliminação" e a situações "muito complexas". "A vida é um bloco: ou se leva todo ou não se leva", assinalou.

O presidente da CEP assumiu que, mesmo face a uma eventual legalização, a Igreja e a sociedade devem "retomar a questão e resolvê-la melhor, a seguir". Nenhuma decisão, por via parlamentar ou referendo, poderia "fechar a questão", prosseguiu.

Neste contexto, o cardeal sustentou que o Estado Português deve canalizar recursos "no sentido mais alargado e capaz possível" para as áreas dos cuidados paliativos.

Secretariado Nacional das Comunicações Sociais tem novo director

Na assembleia plenária da CEP, o padre Américo Aguiar, da Diocese do Porto, foi nomeado director do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais.

Américo Aguiar é, desde 28 de Julho de 2015, vice-presidente do Conselho de Gerência da Rádio Renascença.

Natural da Diocese do Porto, nasceu em 1973 e foi ordenado sacerdote em 2001. Em 2014 publicou o livro “Um padre na aldeia global - Evangelização e o Desafio das Novas Tecnologias”, resultado de uma investigação para o curso de Mestrado em Ciências da Comunicação.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    08 abr, 2016 Cacém 00:21
    "...rejeitando todas as formas de cultura de morte.." Mesmo? Mesmo quando as formas de Cultura de Morte vem "embrulhadas" e com o "rótulo" de Grande Religião? Ou nos "eufemismos" há uns mais iguais do que os outros?