A+ / A-

Luaty Beirão e outros activistas angolanos condenados a penas de prisão

28 mar, 2016 - 14:03

Luaty condenado a cinco anos e meio de prisão. O Ministério Público angolano considerou os 17 activistas como um "conjunto de malfeitores".
A+ / A-

O Tribunal de Luanda condenou esta segunda-feira a penas entre dois anos e três meses e oito anos e seis meses de prisão efectiva os 17 activistas angolanos julgados por co-autoria de actos preparatórios para uma rebelião. Foram igualmente condenados por associação criminosa.

No caso do 'rapper' luso-angolano Luaty Beirão, que chegou a fazer greve de fome contra este processo, a pena, em cúmulo jurídico também por falsificação de documentos, foi de cinco anos e seis meses de cadeia.

Domingos da Cruz, outro activista, cumprirá oito anos e seis meses de pena.

A defesa dos activistas e o Ministério Público já anunciaram que vão avançar com pedidos de recurso da decisão.

De acordo com o jornal "Rede Angola", todos os activistas vão pagar uma taxa de justiça no valor de 50 mil kwanzas (cerca de 300 euros).

Luaty e outros 16 activistas angolanos estão a ser julgados desde 16 de Novembro. Os activistas são acusados de actos preparatórios de uma rebelião. O Ministério Público angolano deixou cair a acusação de que estariam a preparar um atentado contra o Presidente, mas classifica-os como um "conjunto de malfeitores".

Em entrevista à Renascença, antes de ser conhecida a sentença, Luaty Beirão já prenunciava que a sentença seria política: “Estamos perante um julgamento político, na nossa opinião e assim sendo, a sentença será política também. Eu e o Domingos podemos estar confrontados com uma martelada que vai ditar 12 anos”.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pela transparência
    28 mar, 2016 Almada 20:17
    Ainda não perceberam que cá isto também pode acontecer! Ainda não perceberam que a justiça é um poder não eleito democraticamente e onde há pouca transparência com a cumplicidade dos media! Com opacidade muita coisa pode acontecer. Mas cá fala-se apenas dos outros. Assustador!
  • atento
    28 mar, 2016 Aveiro 15:56
    A ditadura continua a imperar neste país. A fantochada que são os tribunais e os "juízes". Infelizmente com a omissão do do governo português.
  • alexp
    28 mar, 2016 Porto 15:48
    O BLOCO ESQUERDA que vá lá ter com ele para o trazer. o tal partido que levou todos os deputados TSIRTES, com a foto dela no parlamento. o tal partido da razao.mas que no meio deles é só ANARQUISTAS.. só tem que mereçe .
  • Carlos Costa
    28 mar, 2016 Santarem 14:42
    É a "democracia" angolana a funcionar em pleno!!!!
  • Judite Gonçalves
    28 mar, 2016 Barreiro 14:27
    Uma associação de malfeitores? Mas o que é isto? Mais parecem condenados judeus. Como é possível? Esta gente donas do poder fazem o que querem e o que bem entendem. Trocam as acusações e julgam como lhes apetece e os países assistem indiferentes a tudo isto, porque o império do dinheiro fala mais alto.