A+ / A-

Cardeal Patriarca pede aos católicos para se darem aos mais desprotegidos

27 mar, 2016 - 13:11

Perante centenas de fiéis, o cardeal-patriarca recordou que milhões de cristãos em todo o mundo celebram a ressurreição de Jesus, “em países em paz e em guerra, em famílias felizes e em luto, em vidas realizadas e outras por realizar”.
A+ / A-
Cardeal Patriarca. "Esvaziemo-nos de nós para que os outros caibam"
Cardeal Patriarca. "Esvaziemo-nos de nós para que os outros caibam"

O cardeal-patriarca de Lisboa propôs hoje aos católicos o “dom de si”, em favor dos mais necessitados, como forma de continuar a ressurreição de Jesus na vida de todos.

“Escolhamos o que Jesus escolheu, esvaziando-nos de nós para que os outros caibam, certos de que, sempre que assim for, começaremos a ressuscitar e, connosco, o mundo”, disse D. Manuel Clemente, citado pela Ecclesia, na homilia da Missa do Domingo de Páscoa a que presidiu na Sé patriarcal.

Perante centenas de fiéis, o cardeal-patriarca recordou que milhões de cristãos em todo o mundo celebram a ressurreição de Jesus, “em países em paz e em guerra, em famílias felizes e em luto, em vidas realizadas e outras por realizar”.

Os católicos são, por isso, chamados a ser “solidários com as alegrias e esperanças, as tristezas e as angústias” de todas as pessoas.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa sublinhou que Jesus sofre nas vidas de homens e mulheres da atualidade, pelo que “crer na ressurreição de Cristo não é alhear-se do mundo, é recomeçá-lo sempre”.

Nesse contexto, deixou um elogio a quem se empenha “nas causas da vida e da paz”, os que ajudam pobres e doentes, cumprindo as “obras de misericórdia” para “responder a necessidades do corpo ou do espírito, sejam de quem for e onde for”.

“A vida de Cristo vence a morte do mundo”, acrescentou.

Após reforçar a ideia de que os católicos que partilham “dores e tristezas” da humanidade em todo o mundo, D. Manuel Clemente sustentou que “a vida triunfa no eu solidário” ao contrário do “eu solitário”.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pinto
    27 mar, 2016 Custoias 21:54
    São esses desprotegidos e minorias que se viram contra a maioria, as leis estão feitas para defenderem a minoria, os ciganos são uma minoria e todos têm medo deles, porquê? Somos presos por nos defendermos, vejam os casos de polícias que ao defenderem a liberdade e combater a criminalidade vão presos e ainda têm de indemnizar . Aqueles dentro de suas casas para se defenderem de roubos e duma morte iminente vão presos e também têm de indemnizar ladrões ou os familiares. Vejam essa praga de ciganos romenos que todos os dias nos apoquentam, gente que nos entram dentro de casa para nos roubarem, somos abordados de forma insultuosa se não dermos uma moeda para aparcar o carro em qualquer sítio, mesmos perto de esquadras de polícias. Gente que anda toda tapada a só se ver os olhos é normal? que merda de segurança nós temos?, Desculpem-me ser tão directo mas é a realidade, ajudar sim, mas quem precisa, neste momento neste país à quem trabalhe e cujo salário é tão baixo que não conseguem pagar as contas, muitos passam fome e por vergonha não deixam transparecer. aqueles que nunca trabalharam nem descontaram para nada são os que têm apoios de alimentação e RSI, é essa minoria de que falam?