O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Muralha de Silves em risco de derrocada. Câmara não tem dinheiro para as obras

21 mar, 2016 - 12:03

Há já registo de colapso de pedras no sector poente da edificação. Há uma rubrica no orçamento da autarquia para a reabilitação do monumento, mas o dinheiro não chega.
A+ / A-
Muralha de Silves em risco de derrocada. Câmara não tem dinheiro para as obras
Muralha de Silves em risco de derrocada. Câmara não tem dinheiro para as obras

A presidente da Câmara de Silves está preocupada com a degradação da muralha da cidade - no sector poente, a muralha está mesmo em risco de ruir - e queixa-se da falta de apoio financeiro para poder avançar com obras.

Em declarações à Lusa, a autarca, Rosa Palma, eleita pela CDU, diz que o município tem já uma rubrica aberta no orçamento para reabilitar aquele sector da muralha, mas não é suficiente para cobrir o custo total, pelo que é preciso obter apoio financeiro do Estado, através das Direcção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg).

A diretcora regional de Cultura, Alexandra Gonçalves, admitiu que a recuperação da muralha é prioritária - estando já inscrita no lote de monumentos que integrarão candidaturas a fundos comunitários até 2020. Contudo, referiu, aquele organismo não possui "qualquer linha de financiamento ou capacidade de investimento" nos imóveis que não estão sob a sua gestão.

O problema, que se arrasta há vários anos, afecta também outros pontos da muralha de Almedina, o sistema defensivo da antiga cidade no período islâmico. Porém, é mais visível no sector poente, mesmo junto aos Paços do Município, onde já se registou o colapso de pedras, tendo o local sido entretanto vedado pela Protecção Civil.

A presidente da autarquia classifica a situação como sendo uma emergência e considera que o município não tem que ficar "com o ónus da recuperação do património que é de todos", pois, apesar de estar disponível para financiar parte da obra, a verba inscrita no orçamento "não consegue cobrir todo o investimento".

De acordo com a arqueóloga municipal Maria José Gonçalves, a gestão da muralha de Silves, monumento nacional desde 2012, ainda é uma indefinição, uma vez que durante muitos anos se pensou que seria propriedade do Estado, embora vários documentos apontem para que seja propriedade municipal.

"Neste momento, e porque tivemos necessidade de desenvolver alguns procedimentos relacionados com a conservação e classificação, ficámos com dúvidas [sobre a propriedade das muralhas]", afirmou a arqueóloga, observando que a autarquia ainda aguarda uma clarificação, pois "há ainda a hipótese de serem do Estado".

Um documento da Direcção-Geral do Património do Estado datado de 1987 e baseado num decreto de 1932, a que a Lusa teve acesso, refere que a "Almedina de Silves se encontra na posse e propriedade da Câmara Municipal de Silves".

Contudo, para esclarecer definitivamente se a muralha pertence ao município ou ao Estado, a directora regional de Cultura fez esta semana um pedido àquela direcção-geral, para saber em que nome está o registo predial "deste ponto em concreto".

Uma empresa contratada pela autarquia está neste momento a fazer o levantamento topográfico e arquitectónico do alçado da muralha, com a finalidade de ser elaborado um projecto de reabilitação, mas a equipa tem tido dificuldades no acesso a algumas partes da muralha, que estão no interior de habitações ou quintais privados.

"Algumas pessoas até ajardinaram as muralhas, o que obviamente não é bom para a manutenção do seu estado de conservação", observou a arqueóloga municipal, sublinhando que a última intervenção na muralha terá acontecido no final da década de 1990, pela Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, que integrava o antigo Ministério das Obras Públicas.

A directora regional de Cultura do Algarve sugere como hipóteses para o financiamento da obra o recurso ao Fundo de Salvaguarda do Património ou à verba gerada pela bilheteira do Castelo de Silves, que é o segundo monumento mais visitado do Algarve.

Quando os monumentos não estão afectos à DRCAlg, este organismo emite parecer sobre os projectos de reabilitação do património, presta apoio técnico e acompanha as intervenções, mas não dispõe de capacidade de investimento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sonia barrasas
    22 mar, 2016 Alcantarilha 14:46
    Por acaso o dinheiro que cada visitante paga não seria suposto ser tb algum dele guardado pra ser utilizado em restaurações necessárias !? Fico muito triste sempre que vou a Portugal vou ao castelo eu com amigos e familiares ;( desejo que não deixem perder assim essa parte do monumento por questões financeiras .....