A+ / A-

Rui Moreira recandidata-se à Câmara do Porto como independente, mais uma vez

14 mar, 2016 - 12:40

Autarca agradece o apoio do CDS manifestado por Assunção Cristas, a nova presidente do partido, mas insiste que nem a sua recandidatura nem o seu programa serão condicionados por apoios partidários.
A+ / A-

O independente Rui Moreira vai voltar a ser candidato independente à Câmara do Porto e "aceitará o apoio de todos os partidos que queiram apoiá-lo" nas autárquicas de 2017, revelou o seu adjunto na autarquia.

"Rui Moreira não será candidato por nenhum dos partidos que o apoiam. Será candidato independente e aceitará o apoio de todos os partidos que queiram apoiá-lo. Isso em nada condicionará o seu programa", disse à agência Lusa Nuno Santos.

O assessor do presidente da Câmara do Porto reagiu desta forma ao anúncio feito no domingo pela nova líder do CDS-PP, Assunção Cristas, de que vai propor a renovação do apoio ao independente Rui Moreira, se este se recandidatar.

"Posso dar o exemplo da Câmara do Porto: o CDS apoiou desde a primeira hora a candidatura independente de Rui Moreira e com ele temos governado a autarquia. Se ele decidir candidatar-se de novo proporei aos órgãos do CDS a renovação do apoio à sua candidatura", anunciou Cristas, no discurso de encerramento do 26.º Congresso do CDS-PP.

Rui Moreira foi o primeiro candidato independente a conquistar a Câmara do Porto depois de vencer as eleições autárquicas de 2013, derrotando o candidato do PSD, Luís Filipe Menezes, e o do PS, Manuel Pizarro.

O autarca tem na equipa um ex-vereador do CDS (Manuel Sampaio Pimentel, vereador da Fiscalização e Protecção Civil) e uma ex-vereadora do PSD do mandato do antecessor, Rui Rio (Guilhermina Rego, vice-presidente e vereadora da Educação, Organização e Planeamento).

Depois das eleições, Moreira fez um acordo com o PS, atribuindo pelouros a dois dos três vereadores eleitos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.