A+ / A-

Personalidades católicas assinam carta aberta contra Trump

08 mar, 2016 - 16:37 • Filipe d'Avillez

Descrevem Donald Trump como o oposto daquilo que os católicos devem esperar de um Chefe de Estado.
A+ / A-

Veja também:


Um grupo de 40 personalidades católicas americanas publicou esta terça-feira uma carta numa revista conservadora, apelando aos católicos que não votem em Donald Trump nas primárias que se seguem do Partido Republicano.

A carta chama-se “Um apelo aos nossos correligionários católicos e a todos os homens de boa vontade” e não poupa críticas ao candidato.

“Donald Trump é manifestamente inapto para ser Presidente dos Estados Unidos. A sua campanha já conduziu a nossa política a novos níveis de vulgaridade. Os seus apelos aos medos e preconceitos étnicos e raciais são ofensivos para qualquer sensibilidade genuinamente católica. Ele prometeu que ia ordenar aos militares americanos que torturem suspeitos de terrorismo e matem as suas famílias – acções condenadas pela Igreja e que envergonhariam o nosso país.”

Mas o candidato é ainda considerado imprevisível no que diz respeito a outras questões consideradas fundamentais. “Não há nada na sua campanha ou no seu passado que nos dê razões para acreditar que ele partilha os nossos compromissos quanto ao direito à vida, à liberdade religiosa e de consciência, à reconstrução da cultura do casamento ou para com a subsidiariedade e o princípio do Governo constitucional limitado”, escrevem os signatários.

Os autores sublinham que a escolha de Trump seria desastrosa também para o Partido Republicano, recordando porém que “nenhum partido incorpora perfeitamente a doutrina social católica”, mas que em questões fulcrais como os acima mencionados este partido dava algumas garantias de promover as causas defendidas pela Igreja.

A carta foi publicada no "National Review" estrategicamente esta terça-feira, no dia em que os eleitores do Michigan votam nas primárias do Partido Republicano daquele estado. As sondagens dão vantagem a Trump, que assim consolidaria a sua candidatura à presidência. Mesmo entre católicos, Trump é o favorito, recolhendo a preferência de 52% dos eleitores.

A carta aberta é assinada em primeiro lugar por dois destacados católicos, tidos como conservadores e tradicionalmente próximos do Partido Republicano, George Weigel, que foi biógrafo do Papa João Paulo II e colabora com o jornal "online" "First Things", e Robert P. George, da Universidade de Princeton.

Entre os outros signatários incluem-se Francis Beckwith, Robert Royal, respectivamente colaborador e editor do "The Catholic Thing" e ainda Mary Eberstadt, colaboradora do First Things e autora do livro "Adão e Eva depois da Pílula".

A 18 de Fevereiro, o Papa Francisco afirmou que Donald Trump "não é cristão". Trump assume-se como cristão, mas o Papa duvida: “Uma pessoa que só pensa em fazer muros, seja onde for, em vez de fazer pontes, não é cristão. Isso não é do Evangelho.”


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anderson
    09 mar, 2016 Porto de Moz 05:11
    Não se admirem se Trump for presidente, ele afirma ser cristão e o papa dúvida! Papa experto, logo querendo puxar Trump para ser aliado. Isso me cheira o fim dos últimos tempos.
  • Zezao
    08 mar, 2016 Olhão 20:11
    Qual é o problema ? A mesma mentalidade encontra-se em Portugal e quase todo o mundo dividido entre esquerda e direita, uma divisão mediocre que muitas vezes tem como resultado nas governações o pior de ambas. Por acaso os cristãos são proibidos de votar ? Portanto, se a ideologia da Igreja não escolhe partido há partidos que irnonicamente em nome da liberdade querem usar o trabalho e suor do Ze Povinho (que por acaso já paga poucos impostos...) em ideologias que atentam contra a propria liberdade individual. Por que razão tenho que pagar taxas moderadoras nos hospitais e ao mesmo tempo quem faz abortos que são contra a minha consciencia utiliza o meu trabalho para os pagar ? Se é liberdade que querem eu quero liberdade para não participar. Não me parece que Cristo fosse de direita ou de esquerda. Há extremismos dos dois lados. E já agora que raio de personalidades católicas são estas, o que tem feito o partido Democrata em relação á liberdade dos cristãos ? Seria de boa fé conhecer o que se critica, eu duvido que até mesmo alguns politicos de alto gabarito que se dizem católicos, por exemplo o nosso presidente, que nos actos muitas vezes não são mais que cata ventos. Há uma diferença entra orientações pastorais e os dogmas propriamente ditos, infelizmente pouca gente sabe a diferença, mesmo os católicos.
  • CAMINHANTE
    08 mar, 2016 LISBOA 19:58
    Para além do histrionismo, da provocação basista, dos exageros verbais, de Trump, há "coisas" que deveriam incomodar mais os Católicos ... Trump nunca será um perigo para os Católicos... uma coisa é o candidato, outra o homem que eventualmente se torne Presidente... embora eu prefira a Clinton... e não me parece muito adequado estarem a intrometer-se na campanha dos Yanques...
  • couto machado
    08 mar, 2016 porto 19:51
    A hipocrisia do costume. Se Trump ganhar, como tudo leva a crêr, os hipócritas vão sêr os primeiros a ir cumprimentar e felicitar o Trump....
  • Tiago
    08 mar, 2016 Queluz 18:47
    Mas estamos na idade media para a igreja andar a meter o bedelho? A religião é a pior doença que existe, as pessoas podem ter a sua fé, mas a religião ganha apenas este nome quando se trata de um culto onde como se sabe bem, serve para fins financeiros ou extremistas.
  • Afonso
    08 mar, 2016 Lisboa 18:20
    Então mas a religião nos states não é protestante?Posso estar enganado mas parece-me ter visto o papa Ratzinger na Casa-Branca com o Bush,esse grande cristão,depois da invasão do Iraque em 2003.
  • Jaime Macedo
    08 mar, 2016 Lisboa 17:58
    Não deixa de ser irónico pensar que Jesus se identificaria mais com a direita do que, por exemplo com o centro moderado. Parece claro que o evangelho coloca reiteradamente Jesus como estando incomodado com a ganância pela riqueza ou com os mercadores insensíveis, como os vendilhões do Templo sem regras nem respeito para com o que lhes podia afetar o negócio. Se a denúncia sobre o comunismo como anticristão já é um dado adquirido, não se percebe como é que a denúncia sobre o capitalismo desregulado demora tanto tempo a assimilar. Alguma coisa não deve ter sido bem feita ao longo destes 2000 anos da ICAR para alguém ter a pretensão de pensar que Jesus alguma vez seria tolerante para com um capitalismo desumanizante. Muitos dos que falam em nome de Deus escolheram nos seus corações servir a César e mantêm estes equívocos.
  • m
    08 mar, 2016 Santarém 17:51
    Meus Deus até a criança inocente tem os cabelos em pé .... mete mesmo medo ..... Não serve para Presidente de sitio nenhum....