|
A+ / A-

​Venda do Banif está por explicar, diz João Salgueiro

02 mar, 2016 - 03:47 • Sandra Afonso

Em entrevista ao programa "Terça à Noite", da Renascença, o antigo presidente da Associação Portuguesa de Bancos diz que o Banif caiu às mãos da União Europeia, que "trata as coisas como se fosse o quintal deles".

A+ / A-
​Venda do Banif está por explicar, diz João Salgueiro
​Venda do Banif está por explicar, diz João Salgueiro

Veja também:


A venda do Banif aos espanhóis do Santander "merecia e merece ser melhor explicada" porque, “aparentemente, havia propostas melhores”, afirma o economista João Salgueiro em entrevista ao programa “Terça à Noite” da Renascença. Em causa está a venda relâmpago ao Santander por 150 milhões de euros, no final de 2015.

De acordo com o antigo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, "não foi bem explicado porque é que só aparece um concorrente no final”.

João Salgueiro recorda ainda notícias que anteciparam a queda do Banif antes dela se verificar e refere em tom irónico: "Há uma senhora que diz qualquer coisa sobre a eutanásia, há logo um processo crime de investigação, há divulgação de notícias que põem em causa o sigilo bancário, não é averiguado, não tem importância, e também é crime".

O Governo também não está isento de críticas, uma vez que era accionista maioritário do Banif, com 60% do capital, desde que o banco recorreu a ajuda estatal. Salgueiro conclui, por isso, que "o Estado português não se podia afastar daquilo", "não é possível dizer que alguém vai ser responsável por essa área e não conhecia o problema. Conhecia-se".

Depois do Banif, Caixa e Novo Banco são os próximos

Para João Salgueiro, o Banif caiu às mãos da União Europeia (UE) e não vai parar aqui. Segundo o economista, "é fácil suspeitar que isto é o paradigma do que vai acontecer nos outros casos a seguir".

"Estou a falar [da venda] do Novo Banco, estou a falar da Caixa Geral de Depósitos, que tem sido um entrave a que se reforce o capital. Por um lado, diz que é obrigado a reforçar o capital, por outro lado, proíbe-se o aumento porque são ajudas de Estado. Isto não pode ser", declara.

O ex-ministro de Estado e das Finanças defende que "estamos a viver num mundo em que a UE trata as coisas como se fosse o quintal deles", "é contra os Tratados", assim como "é contra os Tratados descriminar em função da natureza dos proprietários das entidades, os bancos privados, cooperativos ou públicos deviam ser tratados da mesma maneira, não podia haver discriminação em função da natureza do accionista."

"Falsa partida" entre Governo e governador

João Salgueiro diz que as declarações públicas de desentendimento entre o Governo e o Banco de Portugal foi uma "falsa partida que, felizmente, se percebeu logo que não fazia muito sentido".

O economista sublinha que estamos perante instituições sensíveis e os governos e a banca são negócios de confiança, "independentemente das pessoas quererem dizer alguma coisa, não devem dizer em público, devem conversar".

Em entrevista este sábado ao “Expresso”, o governador Carlos Costa minimizou a situação e afastou um cenário de demissão. João Salgueiro diz que ele "tentou arrumar a coisa com aquela do 'pequeno incidente' e se calhar conseguiu".

Nacionalização do Novo Banco deve ser ponderada

O debate foi lançado por Vítor Bento, que defende a nacionalização do Novo Banco, num cenário de consolidação interna da banca nacional, em oposição a um processo a partir do estrangeiro.

A hipótese agrada a João Salgueiro: "A versão que foi dada, e me parece bem, era uma das alternativas que devia ser ponderada”. No entanto, o economista dá também a questão como encerrada, porque recebe como resposta que “não é possível, porque a UE não deixa".

Se os bancos ficarem todos nas mãos do mesmo país perdemos a independência

A expansão da banca espanhola para Portugal tem alimentado o debate sobre a possibilidade dos maiores bancos portugueses serem comprados por espanhóis. João Salgueiro defende que o problema não é a nacionalidade de quem compra, mas a concentração.

"Não me agrada nada que estivéssemos na mão dos bancos de um único país, espanhóis ou outros, se fossem todos chineses também não me agradava, porque perdemos a independência", afirma em entrevista à Renascença.

Questionado sobre a importância da soberania bancária num mundo onde os capitais nunca tiveram tanta mobilidade, o economista defende que "se um banco dá crédito de risco não vai dar a Portugal, dá no seu país, tem uma justificação muito melhor".

Em conclusão, "nós ficamos subalternizados". Pelo contrário, "se forem bancos de vários países, ainda haverá alguma concorrência entre eles", diz, mas a melhor solução seriam "bancos de proximidade."

Uma Europa com poucos e grandes bancos

João Salgueiro rejeita a existência de uma estratégia europeia para que a Espanha domine o sistema financeiro da Península Ibérica, mas admite que pode existir num plano mais abrangente. "Se houver não é por causa de Portugal e Espanha, é uma estratégia mais ampla, mas duvido que isso dê bons resultados na Europa", frisa.

Segundo o economista, poderemos estar perante "uma tentação tecnocrática de considerar que é mais fácil a política monetária se houverem alguns grandes agentes, que tenham dimensão para terem influência no mercado".

Salgueiro dá como exemplo o Banco Central Europeu (BCE), quando decide reanimar a economia. Nesta situação e de acordo com esta teoria "há meia dúzia de parceiros que são eficazes a fazer isso, se houver centenas de bancos eles acham que a resposta é pior".

O ex-ministro das Finanças não concorda com esta teoria. Pelo contrário, diz mesmo que "estamos a entrar num momento do surrealismo em relação às políticas europeias”.

“Aqui há uns anos todos estavam de acordo que era mau haver bancos tão grandes, 'Too big to fail' [grande demais para falir] cria problemas insolúveis, agora estão a criar-se bancos que se têm um problema são um problema para a Europa", conclui João Salgueiro.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis
    04 mar, 2016 Lisboa 18:56
    Ó João pede explicações à tua amiga, à ex ministra das Finanças. Ela melhor que ninguém te pode explicar ou talvez não devido ao novo emprego.
  • amorabe
    02 mar, 2016 Gondomar 17:05
    Na verdade é lamentável a nossa democracia não ter uma justiça oportuna e eficaz..., sobretudo para casos de tão lesa contribuinte. Espero agora que o nosso actual governo, seja capaz de gerir bem a nossa autonomia bancaria, mas com mais sensatez do que aquela como se constituiu.
  • Luis
    02 mar, 2016 Lisboa 12:02
    Ó MP. Palas deves usar tu e não é porque vejas muito. Quanto ao BPM desconheço a sua existência. De esquerda não sou mas também não sou PaFalhado. Quanto BPN acredito que a Esquedalhada tenha resolvido mal a roubalheira de direitalha. Cura-te, porque pior que ser ignorante é ser imbecil.
  • MP
    02 mar, 2016 Porto 11:07
    Ó Luís - A cegueira é um mal que afeta muitas pessoas, principalmente aqueles que usam palas e só vêm no sentido que lhes convém ou seja: A tua "querida esquerda" nacionaliza o BPM onde se enfiaram já milhões de euros e a culpa é do Cavaco e do PSD, vendem o BANIF por 150 milhões e a culpa é do Governo cessante, culpar sempre os outros, francamente, a ignorância tem limites é por esta e por outras que infelizmente nunca sairemos do fundo do poço.
  • Miguel
    02 mar, 2016 Lisboa 10:55
    1º o governo pafurdia conduziu muito mal o processo banif e isso teve custos para os portugueses 2º apesar da decisão poder ter sido a melhor o governo actual não pode permitir que a UE tome decisões de venda de coisas que não lhes pertence nem lhes compete ter intervenção a vender porque senão não precisamos de governo nenhum por cá.
  • Luis
    02 mar, 2016 petinga@netcabo.pt 10:50
    A Dona Branca ao pé os patifes do BPN, BES e BANIF poderia ser considerada uma honesta senhora que nunca roubou nada a ninguém. Só que ela por apenas uns trocos foi de cana. Os patifes dos banqueiros que estouraram com o sistema financeiro em milhares de milhões estão numa boa e só não são medalhados pelo Cavaco porque ele vai de ferias compulsivas. Sobre as patifarias dos "camaradas amigos" o Joaõzinho Salgueiro, moita carrasco. Não diz nada. Pudera
  • Facil
    02 mar, 2016 Port 10:30
    Que questione os seus correligionários Passos Coelho e a sua partenaire Maria Luis...
  • Luis
    02 mar, 2016 Lisboa 07:14
    Ó João, por muito que queiras defender a traquitana PaFiana, e até és pago para isso, não queiras fazer de todos nós parvos. E por explicar está a razão porque a traquitana PaFiana deixou o BANIF chegar ao ponto que chegou? Onde estiveste nessa altura? De férias? Vai catar.