A+ / A-

​Vera Jardim reprova críticas públicas de Costa ao governador do Banco de Portugal

23 fev, 2016 - 01:36 • José Pedro Frazão

O socialista diz, no programa "Falar Claro" da Renascença, que uma guerra entre Governo e governador não é positivo. Morais Sarmento fala em “comportamento inaceitável” do primeiro-ministro.
A+ / A-
​Vera Jardim reprova críticas públicas de Costa ao governador do Banco de Portugal
​Vera Jardim reprova críticas públicas de Costa ao governador do Banco de Portugal

O antigo ministro da Justiça do PS Vera Jardim confessa desagrado com as críticas dirigidas pelo primeiro-ministro, António Costa, ao governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, pela falta de soluções do banco central para os lesados do BES.

“Não gostei. Um primeiro-ministro deve dizer essas coisas ao governador em privado. Em público pode e tem o direito de criticar mas a maneira como o fez foi porventura brusca demais. Não me agradou”, afirma Vera Jardim no programa "Falar Claro" da Renascença.

O histórico socialista admite que o governador do Banco de Portugal está fragilizado “não pelo que diz o primeiro-ministro, mas pelas críticas de muita gente”. Sobre a possibilidade de António Costa querer forçar uma demissão de Carlos Costa, Vera Jardim diz que “são tudo cenários”. Ainda assim reconhece que “não é positivo que haja guerra entre o Governo e o banco central”.

Para Nuno Morais Sarmento, o comportamento de António Costa é “inaceitável”, próprio de quem “deve achar que é o dono disto tudo”, lembrando a existência de “separação de funções, funções executivas e reguladores”.

Para ilustrar a sua tese, o antigo ministro social-democrata diz que “era a mesma coisa que o governador do Banco de Portugal começar a pronunciar-se sobre a competência do ministro das Finanças sobre este Orçamento lamentável que já vai em 37 versões e 56 erratas. Não é aceitável. O primeiro-ministro critica o governador do Banco de Portugal não tendo a noção do impacto internacional?”

BdP "lento", pesado e ineficaz

Vera Jardim admite que “há uma percepção clara de que o BdP tem uma estrutura muito pesada, lenta, pouco eficaz e que a supervisão fica a perder com isso”.

No caso concreto dos chamados “lesados do BES”, Vera Jardim considera que o banco central “tem sido muito lento na participação neste processo”.

No plano das carências de estrutura, o antigo ministro socialista lembra que não atribui “nunca” as culpas a uma pessoa só por si.

“Há problemas que vêm de muito longe e até antes de Vítor Constâncio. É uma estrutura muito pesada e que não se tem mostrado à altura das suas responsabilidades, sobretudo desde 2007/2008”, insiste o antigo ministro do PS no debate politico semanal da Renascença.

Já Nuno Morais Sarmento é duro na afirmação. “O Banco de Portugal, hoje como ontem, não funciona, não regula, não intervém. Tem ‘desajudado’ o país. Agora, não vou diabolizar Carlos Costa porque coerentemente o digo desde Vitor Constâncio”, remata o social-democrata na Renascença.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Francisco António
    23 fev, 2016 Lisboa 10:06
    Então...no que ficamos ? Aplaudimos a lentidão do BdP (que já não emite moeda) e não desempenha, em tempo útil, aquilo para que existe ? Isto é: fazer cumprir as regras ? Quer então que o PM fique sentado a ver a coisa a aboborar ?