|
A+ / A-

​Entrevista a Francisco José Viegas ou ao inspector Jaime Ramos?

17 fev, 2016 - 23:26 • Maria João Costa

“A poeira que cai sobre a terra” é o novo livro de Francisco José Viegas, um policial num país onde há um grande preconceito contra este género literário, afirma o autor em entrevista à Renascença.

A+ / A-

Afirma que há um grande preconceito em Portugal contra o romance policial, mas há 25 anos que criou a personagem do inspector Jaime Ramos que habita os seus livros. Francisco José Viegas lança agora “A poeira que cai sobre a terra”. A obra com a chancela Porto Editora reúne cinco histórias onde há cinco crimes, muita ironia, mulheres e o inspector Jaime Ramos que completa em 2016, 60 anos e que até já tem página própria na internet - jaimeramos.booktailors.com. Entrevistamos o escritor ou o inspector?

Ao autor Francisco José Viegas pergunto que contos são estes e ao inspector Jaime Ramos que histórias são estas?

São sobretudo histórias. Costumo dizer que não sei escrever contos porque não tenho a noção do tamanho e da estrutura do conto. Prefiro vê-las como histórias. São histórias que têm como elemento comum passarem-se todas na cidade do Porto, onde vive o inspector Jaime Ramos; e serem todas histórias que circulam à volta da vida de mulheres. E têm um olhar entre o melancólico e o irónico de Jaime Ramos.

Quem é que está a responder? O inspector Jaime Ramos ou o escritor Francisco José Viegas?

(risos) Eu acho que o Jaime Ramos tem vida própria. Eu não poderia responder por ele. As pessoas perguntam muitas vezes se ele é um alter-ego. Sinceramente, não é um alter-ego. É outra pessoa. Diz coisas com as quais eu não concordo, faz coisas que eu acho reprováveis, mas é uma pessoa viva que tem independência em relação a mim. Só isso explica que eu tenha muitas vezes que me vigiar e controlar porque penso “Ele não diria isto!”, ou seja, ganhou autonomia e vida.

São 25 anos de uma personagem, mas o inspector Jaime Ramos tem mais idade?

Ele deve estar a entrar nos 60...faz 60 este ano. Está naquela fase em que olha para um inquérito policial e já é capaz de ver os desenvolvimentos que ele vai ter. Por isso é cada vez mais importante a equipa de inspectores que o rodeia, porque ele perde-se um bocadinho em divagações. São coisas próprias da idade, da falta de paciência e de “pachorra” como ele diz, para cumprir os requisitos todos de uma investigação policial. Não quer dizer que não a faça, mas há pormenores que não lhe interessam tanto.

Pergunto quando é que Jaime Ramos despertou dentro do escritor?

Eu tinha escrito um romance policial chamado “Crime em Ponta Delgada” do qual este ano deverá sair uma nova edição e tinha um detective, o Filipe Castanheira. E eu precisava de um detectiva que não fosse exactamente o Filipe Castanheira que era da Polícia Judiciária de Lisboa que tinha pedido transferência para os Açores para viver em São Miguel um período de reclusão e afastamento.

Eu precisava de um detective que fosse exactamente o contrário. Que fosse irónico, céptico e um conservador no meio de uma cidade conservadora, que de alguma maneira fosse uma imagem da polícia. Com o tempo o Jaime Ramos qualificou-se e transformou-se numa personagem que às vezes me dá vontade de rir. Às vezes leva-me como autor a escrever coisas que eu não tinha pensado. Ele vai um pouco à minha frente e eu senti necessidade dele.

O cenário de um crime nem sempre é perfeito, mas é perfeito em termos literários. Tem um morto, suspeitos e sempre muitos ingredientes literários.

Eu acho que quase toda a literatura é policial. Esses ingredientes, a morte, o desaparecimento, o mistério, o enigma, a perseguição, a culpa são elementos fundamentais da literatura policial, mas são elementos que também toda a literatura acaba por tomar como seus. A literatura policial mantem vivo o espírito de contar uma história com princípio, meio e fim, sendo que pode não se começar pelo princípio, coisa que geralmente ocorre. A literatura como a lemos hoje é muito devedora do romance policial.

O romance policial é reconhecido em termos literários em Portugal?

Não. Acho que em Portugal há um grande preconceito contra o romance policial. O próprio meio literário olha para o romance policial como uma espécie de subproduto. Eu acho que são preconceitos injustificados porque nada nos impede de considerar um romance policial um grande romance.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.