A+ / A-

Tragédia no Tejo. PJ detém mulher suspeita de matar as filhas

17 fev, 2016 - 13:12

Mulher vai ser ouvida em tribunal ainda esta quarta-feira.
A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção da mulher que nesta segunda-feira ter-se-á lançado ao rio Tejo com as duas filhas de 19 meses e quatro anos.

"A Polícia Judiciária, através da Directoria de Lisboa e Vale do Tejo, e em cumprimento de mandado de detenção emitido pelo Ministério Público, procedeu à detenção de uma mulher, com 37 anos de idade, por fortes indícios da prática de dois crimes de homicídio", lê-se em comunicado enviado esta quarta-feira às redacções.

Ao que a Renascença apurou junto de fonte policial, a detenção da suspeita foi feita durante a manhã desta quarta-feira, imediatamente depois de ter tido alta, no Hospital de Santa Maria, para onde foi transferida na noite do incidente.

Ainda de acordo com a nota de imprensa, a mulher será ouvida ainda esta quarta-feira para um primeiro interrogatório judicial e eventual aplicação de medidas de coacção. O interrogatóio terá lugar no Tribunal de Instrução Criminal de Cascais.

"Os factos foram cometidos ao início da noite da passada segunda-feira, numa praia do concelho de Oeiras", acrescenta a nota.

Em causa está o caso da criança de 19 meses que morreu e outra de quatro anos que ainda está desaparecida depois de terem entrado no rio Tejo na zona da praia de Caxias, em Oeiras.

De acordo com uma testemunha ocular, a mulher saiu da água, em estado de pânico e em avançado estado de hipotermia, a afirmar que as suas duas filhas estavam dentro de água.

Depois do incidente, as autoridades confirmaram que a mulher envolvida no incidente já tinha apresentado queixa na polícia, em Novembro passado, por violência doméstica e suspeita de abusos sobre as meninas, encontrando-se o caso sinalizado pela comissão de menores.

As expectativas para encontrar a criança de quatro anos desaparecida desde segunda-feira à noite após ter caído ao rio Tejo, junto à praia de Caxias, em Oeiras, são cada vez menores, segundo o comandante da Capitania de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.