A+ / A-

Portugal na expectativa do OK de Bruxelas

05 fev, 2016 - 14:16

Às sextas-feiras, no Visto de Bruxelas, fazemos um balanço da semana e as notícias da capital europeia acabaram por dominar toda a actualidade também aqui em Portugal, antes de mais por causa do Orçamento do Estado. Mas as negociações para evitar uma saída do Reino Unido também marcaram a semana.
A+ / A-
Visto de Bruxelas (05/02/2016)
Visto de Bruxelas (05/02/2016)

A esta hora está reunido o colégio de comissários para analisar o esboço de Orçamento português. O Primeiro-ministro já disse que está “confiante”. Esta semana não faltaram declarações sobre o decorrer das negociações em Bruxelas e em Lisboa entre a Comissão Europeia e o Governo. Agora a palavra final cabe aos comissários.

O “Diário de Notícias” diz esta manhã que António Costa conseguiu que a Comissão Europeia cedesse no sentido de aliviar algumas metas orçamentais porque Lisboa ameaçou bloquear o acordo da União Europeia com David Cameron, para evitar a saída do Reino Unido da União Europeia, mas aos poucos se saberão os pormenores destas negociações.

“Brexit” ou não “Brexit”

A saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado “Brexit”, é o outro tema que dominou a semana na União Europeia. O presidente do Conselho Europeu apresentou as propostas para manter o Reino Unido na União Europeia. Uma das medidas passa por permitir que Londres limite as ajudas sociais aos imigrantes cidadãos da União Europeia, num período até 4 anos. Depois de meses de negociações, Donald Tusk apresentou o documento final.

Entretanto, uma sondagem divulgada ontem à noite pelo “Times” mostra que aumenta a distância daqueles que defendem a saída do Reino Unido da União Europeia. 56% dos britânicos são favoráveis a um "Brexit", contra 44% que defendem a manutenção do país no espaço dos 28.

Estas propostas do Conselho Europeu vão ser apreciadas e debatidas, e podem ser aprovadas no Conselho Europeu de 18 e 19 de Fevereiro.

Esta semana, Jorge Sampaio foi entrevistado aqui na Renascença, a propósito da conferência de doares que decorreu em Londres, para angariar fundos para a Síria.

O antigo Presidente da República diz que a Europa tem que assumir as suas responsabilidades no auxílio às vítimas da guerra na Síria que continuam no país ou se refugiaram nos estados vizinhos.

Entrevistado pela jornalista Dina Soares, o antigo Presidente da República diz que a Grécia não pode ficar sozinha no acolhimento dos refugiados. Jorge Sampaio considera que é dever de todos os Estados-membros participar no acolhimento porque o problema afecta toda a Europa e não apenas a porta de entrada dos migrantes.

Nesta entrevista, Jorge Sampaio diz que só uma resposta democrática vai permitir resolver, com sucesso, o problema dos refugiados que todos os dias chegam à Europa. Jorge Sampaio, que desde 2013 se dedica a ajudar jovens sírios a prosseguirem os seus estudos universitários, não percebe como é que a União Europeia, com todos os seus recursos e todos os seus funcionários, não têm sido capazes de organizar a chegada e a distribuição de quem foge da guerra.

Costa apoia Merkel na integração de refugiados

Esta sexta-feira, o Primeiro-ministro António Costa está em Berlim, já esteve reunido com a Chanceler alemã Angela Merkel e ofereceu apoio à Alemanha na integração de refugiados, nomeadamente para receber estudantes para o Ensino Superior, cerca de duas mil vagas e emprego no sector agrícola.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.