|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Portas pediu a Bruxelas “que não fosse intransigente” com Portugal"

07 fev, 2016 - 17:26

Líder centrista acrescentou que o Orçamento do Estado tem o “maior esforço fiscal que alguma vez o país tinha visto”.

A+ / A-
Portas pediu a Bruxelas “que não fosse intransigente” com Portugal"
Portas pediu a Bruxelas “que não fosse intransigente” com Portugal"

O presidente do CDS, Paulo Portas, garante que esteve em Bruxelas e pediu ao presidente da Comissão Europeia “que não fosse intransigente” com Portugal e aprovasse o Orçamento do Estado.

“Ainda bem que o Governo do país chegou a acordo com a Comissão Europeia. Estive em Bruxelas esta semana, pedi ao senhor Juncker que não fosse intransigente porque se houvesse um desacordo grave o problema não era para o Governo, era para Portugal e os portugueses seriam os primeiros a ser prejudicados mais dia menos dia”, disse.

Portas lembra que seguiu “uma regra de ouro do patriotismo que é não criticar autoridades portuguesas quando estamos a dialogar com dignitários estrangeiros”.

O líder centrista, que falava em Évora, numa cerimónia de tomada de posse de várias concelhias do partido no distrito, aproveitou ainda a ocasião para criticar o Orçamento de Mário Centeno e considerou que está em causa o “maior esforço fiscal que alguma vez o país tinha visto”.

“Desde o primeiro dia que o ministro das Finanças [Mário Centeno] sabia ou tinha obrigação de saber que há regras a cumprir. Não foi para satisfazer Bruxelas que de repente o Governo lançou mão de todos os impostos indirectos e de todas as taxas possíveis para atingir um esforço fiscal nunca antes visto e conseguir fechar a conta. Foi para dar satisfação a uma opção ideológica”.

O antigo vice-primeiro-ministro do Executivo de coligação PSD/CDS lembra que “os rendimentos deviam ser devolvidos, a sua devolução devia ser gradual para poder ser definitiva; quiseram fazer tudo de uma vez e à pressa, a conta não fechou. Com uma mão dão e com outra lançaram todos os impostos indirectos disponíveis e chegaram ao maior esforço fiscal que alguma vez o país tinha visto”.

Na mesma ocasião, o presidente do CDS alertou que o acordo para a alteração de contrato com a TAP promovido pelo Governo é "um convite à discórdia" e vai implicar "um encargo superior" para o país.

"Um acordo 50/50 numa empresa é um convite à discórdia. Se houver estratégias diferentes, há um risco de impasse. Porque é que os privados terão aceitado? Parece-me evidente", é "porque o Estado vai pôr dinheiro que antes não punha", disse.

Segundo o líder centrista, o problema é que o Estado "não é dono do seu dinheiro", pois este "é dos contribuintes".

Por isso, esta alteração do contrato da TAP, promovida pelo Governo liderado por António Costa, significa "um encargo superior" para o Estado e para os contribuintes.

"Ao nível da dívida, de um eventual aumento de capital e dos investimentos necessários, o Estado foi para uma solução significativamente mais cara", frisou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • mazevedo
    08 fev, 2016 porto 17:56
    qual é o papel da cristas? portas pediu autorização para mentir aos portugueses?
  • Jose
    08 fev, 2016 Coimbra 13:30
    Afinal o orçamento passou na UE com a "cunha" do senhor portas....eheheheheh, quem diria!
  • Octavio Pinto
    08 fev, 2016 PORTO 08:21
    Pois esteve em Bruxela (verdade) e com o sr.Juncker (verdade) e pediu que a Comissão Europeia não fosse intransigente com o governo português ( MENTIRA) mas sempre foi deixando implícita uma verdade no meio de tanta mentira (......a CE e o Junckers.....estão a ser intransigentes com Portugal para prejudicarem o governo português de Costa) e.......Paulinho.....eticamente a ida a Bruxelas na altura em que o governo estava a negociar o esboço de orçamento com aquela instituição é, no mínimo, vergonhoso ......
  • Luis
    08 fev, 2016 Lisboa 05:29
    Este gajo está a tornar-se numa autêntica anedota. Alguém em Bruxelas o conhece e lhe passa algum cartão? Pediu um favorzinho? Deve ainda estar influenciado pelos vistos Gold, os vistos dos favorzinhos.
  • Maria Mendes
    08 fev, 2016 cOSTA DE cAPARICA 02:20
    O Futuro o dirá ...
  • J.D.Estèves
    08 fev, 2016 França 01:46
    Ex combatente: em fins de 2004 não aceitou humilhação .de corte de pensão de 147€uros para 54€uros . dos 11 anos até aos 25 ?foram os anos mais ingrátos da minha vida ! (Dviam ter visto o passado de um cidadão? antes de fazerem a bosteirada.J.D.S.Estèves
  • Ana Joaquina
    07 fev, 2016 Almas de Freire 23:50
    "...esta alteração do contrato da TAP significa "um encargo superior" para o Estado e para os contribuintes..." Eeu acrescentaria que, nós contribuintes, ao srs. Paulo Portas e Passos Coelho o devemos.
  • rosinda
    07 fev, 2016 palmela 22:54
    como e que os privados aceitaram a proposta 50 50 o que diz paulo portas ja eu tinha pensado antes!
  • JJ
    07 fev, 2016 Almada 22:44
    Este gajo não tem mesmo vergonha na cara. No tempo dele pediu de joelhos á Merkell que pedisse aos seus pares (!) que tivéssem pena do "aluno bem comportado Portugal" e não aplicassem penalizações, agora que levou com os pés, vem dizer estas bacoradas, como se os pedidos dele fossem atendidos por alguém!? Eventualmente só por quem não tem qualquer vergonha na cara, como ele, o Passos a frau Merkell, para alé do Herr Schaubler rodinhas...
  • rosinda
    07 fev, 2016 palmela 21:48
    paulo portas sabe explicar as coisas nao enrrola as conversas como muitos fazem. O dinheiro da tap e dos contribuintes.