A+ / A-

Guterres quer liderar ONU para ajudar o "mundo em situação muito difícil"

26 jan, 2016 - 01:11

António Guterres aceita com "grande honra" a candidatura que o Governo vai apresentar para secretário-geral das Nações Unidas.
A+ / A-

O antigo primeiro-ministro António Guterres afirmou esta segunda-feira que a sua candidatura a secretário-geral da ONU, que vai ser apresentada pelo Governo, "não é fácil", é uma "obrigação" para colocar a experiência ao serviço de causas nobres.

"Tudo o que aprendi ao longo da vida, em todas as enormes oportunidades que me foram oferecidas, me cria a obrigação de estar disponível, numa lógica que sempre foi de serviço público e num mundo em situação muito difícil, de pôr a render essas experiências e capacidades ao serviço das causas mais nobres, que são a paz, direitos humanos, causas humanitárias e sustentabilidade do planeta", afirmou Guterres na segunda-feira à noite, na Fundação de Serralves, no Porto.

Num comunicado divulgado na semana passada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Governo anunciou que vai apresentar a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas.

"É nossa firme convicção que o engenheiro António Guterres é a personalidade com melhores condições para exercer esse mandato, correspondendo à necessidade de enfrentar os desafios que hoje se colocam à comunidade internacional", afirma a nota emitida pelo gabinete do ministro Augusto Santos Silva.

O executivo realçou que a candidatura de António Guterres é "um imperativo" e destacou "a forma exemplar" como exerceu altos cargos internacionais, considerando que possui "as melhores condições" para este mandato.

O ex-alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), tendo terminado o mandato em final de 2015, frisou que aceita com "grande honra" esta candidatura do Governo PS, estando "inteiramente disponível e tranquilo".

Guterres. Dez anos a falar pelos que não se ouvem
Guterres. Dez anos a falar pelos que não se ouvem

Questionado pelos jornalistas sobre se está preparado, António Guterres realçou que "estas são coisas para as quais nunca se está preparado".

Apesar de reconhecer que a candidatura "não é fácil", António Guterres salientou que teve o "enorme privilégio" de acumular um conjunto de experiências, desde a revolução em Portugal e, depois, acções como membro de um partido, membro de um governo e primeiro-ministro.

"Depois tive esta extraordinária oportunidade de trabalhar dez anos no apoio aos refugiados, algo que me abriu as portas a tudo quanto é vital nas relações internacionais", sustentou.

O primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, disse que a candidatura de António Guterres contará com "todo o empenhamento" de Cabo Verde, adiantando que o português tem a "estatura necessária" para o cargo.

Por seu lado, o primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, adiantou que António Guterres é uma pessoa com integridade, capacidade e prestígio para desempenhar o cargo de secretário-geral das Nações Unidas.

Em anteriores declarações à Lusa, o especialista em relações internacionais Paulo Gorjão considerou que "a questão do género e a rotação no cargo" são os principais obstáculos que António Guterres enfrenta para ascender ao cargo de secretário-geral da ONU.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    26 jan, 2016 Trofa 09:55
    Este senhor por onde passa dá cabo de tudo.
  • antónio figueiredo
    26 jan, 2016 Lisboa 09:16
    Pois , faz-me lembrar aquela mesa de CINCO QUILÓMETROS sobre a Ponte Vasco da Gama, quando foi inaugurá-la, quando foi eleito 1.º ministro, embora tivesse sido Cavaco Silva quem a mandou construir, contra a vontade do sr Mário Soares ! ! ! A partir daí terá ajudado Portugal ? Quando depois de ter esvaziado os cofres do Estado, antes de fugir ? DIZENDO QUE NÃO QUERIA GOVERNAR NUM PÂNTANO :POLITICO : Lembram-se ? Quer então agora ajudar o MUNDO !!!! è preciso ser muito pedante !!!!
  • Sozinho em casa
    26 jan, 2016 Cuba 09:08
    São delírios senhor...como pode...não cuidou da "micronésia" e vai cuidar do Mundo?!
  • 26 jan, 2016 Lisboa 08:22
    deixou os portugueses a falarem sozinhos e agora quer ajudar os outros, esta politicada é toda igual!!!