O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Burlas no arrendamento de casas estão cada vez mais sofisticadas

07 abr, 2016 - 07:00 • Inês Rocha

Recibos falsos com a marca Airbnb, casas de sonho com preços imperdíveis e senhorios longínquos que guardam chaves no outro lado do mundo. Conheça os truques das burlas no arrendamento "online".
A+ / A-

Veja também:


À primeira vista, parecem autênticos “negócios da China” para quem anda à procura de casa. Apartamentos com bom aspecto, bem mobilados, no centro da cidade e a baixo preço, relativamente à média do mercado. São verdadeiros “achados” para quem procura uma solução económica, principalmente em cidades onde os valores das rendas são bem superiores à capacidade económica das famílias.

Estes anúncios, que, constatou a Renascença, abundam nas plataformas de arrendamento de imóveis. São meros "iscos" com um único objectivo: burlar os utilizadores.

Os esquemas são cada vez mais complexos e os métodos mais sofisticados. Em declarações à Renascença, Carlos Pragana, subcomissário da Polícia de Segurança Pública (PSP), conta que "existem suspeitos que actuam através de servidores internacionais, porque hoje é muito fácil contactarmos uma pessoa noutro país", o que dificulta ainda mais as investigações.

Crime "online" aumenta

O representante da PSP diz que a utilização cada vez maior da internet para resolver os problemas do dia-a-dia faz com o crime "online" siga a mesma tendência. "Tem havido uma tendência gradual para os crimes acontecerem com recurso à internet", explica.

O Relatório de Segurança Interna 2015, que reúne os dados criminais das forças e serviços de segurança, confirma-o. O número de participações do crime de burla informática e nas comunicações aumentou 73,7% desde o ano passado. São mais 3.322 registos do que em 2014.

Apesar de não existirem números específicos sobre o crime de burla no arrendamento de imóveis com recurso a tecnologias informáticas, o relatório refere que esta é uma das "infracções mais comunicadas" à PJ e que teve "um aumento relevante".

Se olharmos para os números das burlas em geral, em que se enquadram também as burlas no arrendamento de imóveis, verificamos um aumento significativo no número de participações. Entre 2014 e 2015, o número de participações deste tipo de crime quase duplicou (em 2014 registaram-se 12.582 participações de crimes de burla e em 2015 iniciaram-se 24.832 inquéritos).

Burlões usam Airbnb para ganhar credibilidade

Através da plataforma trovit.pt, a Renascença encontrou mais de uma dezena de anúncios fraudulentos referentes a casas para arrendar um pouco por todo o país. Uma rápida pesquisa por imagens no Google permitiu perceber que todas estas casas, supostamente localizadas em Lisboa, Porto, Braga, Viseu, entre várias outras cidades, tinham “irmãs gémeas” na Austrália, na Polónia, em hotéis em Espanha, Itália e até na Roménia.

Para perceber como funcionam estes esquemas, a Renascença trocou emails com o suposto dono de um dos apartamentos, que pedia apenas 350 euros por um T2 de luxo mesmo em frente à estação metro de Alvalade, Lisboa.

Depois do primeiro contacto, através da plataforma de pesquisa de imóveis, chega um e-mail à nossa caixa de correio electrónico. Na maior parte das vezes a mensagem está num português macarrónico, saído directamente do “Google Tradutor”.

O proprietário garante que está no estrangeiro porque teve que emigrar repentinamente ou assegura que comprou a casa para o filho que estava a estudar em Portugal e já não precisa mais dela.

Depois de o fazerem acreditar na "história de cobertura", vem a próxima fase: o dinheiro. Este é o denominador comum a todas as burlas "online", seja com casas, carros ou até electrodomésticos: pedem sempre que o "cliente" faça um pagamento adiantado sem nunca ter visto o produto.

Nesta fase, a criatividade não tem limites para quem cria estes esquemas fraudulentos. Uma tendência recente é utilizar a Airbnb, uma plataforma mundial de arrendamento de alojamentos privados, como “escudo” para o negócio.

Depois de o "cliente" fornecer todos os seus dados, desde o nome à morada e ao número de telefone, recebe na sua caixa de correio electrónica um e-mail, que à primeira vista parece ter sido enviado pela Airbnb. Tem o mesmo design dos e-mails originais da empresa, utiliza códigos e até publicidade semelhante aos utilizados na plataforma sediada na Califórnia. O endereço, apesar de parecer credível, é falso.

Em declarações à Renascença, fonte oficial da Airbnb afirma ter conhecimento de casos em que a marca é usada em fraudes. "Informamos constantemente os nossos anfitriões e hóspedes de que todas as acções devem ser feitas unicamente através da plataforma. A Airbnb nunca pedirá a alguém uma transferência bancária. Nos casos em que temos conhecimento de que a nossa marca está a ser usada para este tipo de fraude, alertamos as autoridades, mas os indivíduos que são afectados devem fazê-lo também", diz a empresa.

"Temos uma política de tolerância zero para más práticas e comportamentos, e estamos a analisar continuamente novas medidas de segurança”, diz fonte oficial da Airbnb.

Impossível "controlar"

A Renascença denunciou a existência destes anúncios à Trovit, que afirmou ter "localizado os utilizadores" que publicaram estes anúncios e estar já a "actuar".

Sobre a forma como responde a casos de anúncios fraudulentos, a empresa, líder em plataformas de classificados na Europa e na América Latina, disse "não poder revelar os procedimentos" devido à sua política de segurança. "Tendo em conta o número incrível de anúncios que divulgamos, nem sempre conseguimos controlar a sua natureza", explica Adriana Molvinger, membro da equipa da Trovit. "Não é a primeira vez que encontramos más práticas nos nossos sites, mas confirmamos que fazemos tudo ao nosso alcance para oferecer aos utilizadores uma experiência com qualidade e sem riscos".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Marta
    03 dez, 2017 Brasília 16:08
    Só vejo matérias dos ocorridos golpes e como evitar, e quanto a solução, a investigação destes golpistas o que está sendo feito? O que a vítima pode fazer para recuperar o seu dinheiro, pois se existe a conta bancária que o dinheiro entrou é possível localizar o fraudador. Eu sou mais uma vítima e quero meu dinheiro de volta, não podemos deixar os golpistas continuar fazendo vítimas.
  • JulietaTomaz
    02 dez, 2017 lisboa 00:16
    Acabei de ser também enganada. Inicialmente o anuncio estava no site da Imovirtual e conforme aqui vão informando fui trocando e-mails e avançando com o negócio até que me enviaram um link onde fiz o booking e logo de seguida recebi instruções para liquidar. Tinha-me sido informado que iria ser contactada pela Airnb para ver a casa e se não estivesse de acordo o dinheiro ser-me-ia devolvido. Cai que nem uma patinha. Eu que até pensava que era cautelosa. Só tive o click quando me enviaram um e-mai a dizer que tinham fornecido uma conta que não funcionava e que o dinheiro iria ser devolvido no prazo de 5 dias uteis para a minha conta. Iriam informar nova conta, caso ainda estivesse interessada. Ai começaram as minhas dúvidas e só depois, eu que verifico sempre tudo, é que fui navegar na net e vi casos em todo identicos ao meu.
  • Gizele
    14 nov, 2017 Barreiro 18:38
    Gostaria de saber como se pode uma pessoa viver ganhando 500 euros e pagando uma renda de 600 euros acho que tá na hora do governo começar a ver isso é ajudar as pessoas
  • Nadia Palongo
    22 out, 2017 Setúbal 20:57
    Boa noite, acabei de ler o vosso artigo e percebi-me claramente que estou a ser vítima! Estou a conversar com essa pessoa... quero saber como posso denuncia-la, pois está a usar um nome português Helena Pinto, diz que vive em Itália e comprou casa para o filho em Setúbal mas que foi pra Itália. História igual a que está supra escrita no artigo. E por acaso, coloquei fraude no arrendamento porque estava achar fruta a mais, 350€ com tudo incluído. Mandou-me o código postal da morada e fotos do imóvel. Agradeço a vossa atenção. Pff digam-me onde me posso dirigir para denunciar esta situação.
  • Mendes
    24 mar, 2017 Lisboa 11:27
    Estou agora à procura de casa e encontrei outro negócio da "China". Um T2 em Telheiras com água, luz, gás e serviço de TV incluído. Eu guardei todas as pesquisas de casas às quais enviei email e achei muito estranho quando recebo uma resposta no email e não consigo verificar abrir a página da minha pesquisa. A primeira mensagem recebida é uma tradução clara de um tradutor online, mas mesmo assim, solicitei novas fotos, tentei negociar o valor do arrendamento e pedi detalhes sobre o pagamento e recibo de renda. Aqui vem o esquema, falam logo no plataforma Airbnb para que o negócio seja feito com segurança, no meu caso, diz que alguém da Airbnb me vai entregar as chaves e que tenho 2 dias para inspecionar a casa. O problema é que querem os meus dados para registar na plataforma Airbnb e tenho que efetuar um depósito da renda caução antes de sequer ver a casa. Isto claramente me deixou bastante inseguro. Fiz uma pesquisa pelo email utilizado, já agora, annemarieterrance@gmail.com, da qual não encontro nenhuma informação, nem imagem apenas um site com um email muito semelhante e com comentários a dizer "escroc" trapaceiro, charlatão, ou seja, fraude. Esta foi a minha história. Cumprimentos
  • Edson Santos Neto
    17 mar, 2017 Porto 20:46
    Lamentavelmente, fui vítima desta burla, há dois dias, quando me dei conta, o dinheiro já havia seguida para a Itália. Um pseudo host com o nome de Kevin Borteg, com a mesma conversa aqui narrada, em idioma inglês, "comprou apartamento para o filho, etc.". Fui a uma esquadra, disseram que eu preciso imprimir as provas e fazer a queixa. Como o pagamento foi feito através da conta de um amigo, não irei adiante para não envolvê-lo nesta história - de ir prestar depoimento, etc., mas gostaria de registrar para que outras pessoas não sejam lesadas com este golpe. Para a minha supresa, ainda recebi contato do vigarista, dizendo que houve um problema com a conta da Airbnb e que o dinheiro voltará para a minha consta e que eu deverei fazer outro pagamento, para outra conta dele. Acendeu-me a esperança de recuperar o dinheiro. Será que a conta dele foi bloqueada? Vocês sabem de algo que possa me ajudar? Obrigado.
  • Carla
    20 out, 2016 famalicão 01:07
    ""Informamos constantemente os nossos anfitriões e hóspedes de que todas as acções devem ser feitas unicamente através da plataforma. A Airbnb nunca pedirá a alguém uma transferência bancária. Nos casos em que temos conhecimento de que a nossa marca está a ser usada para este tipo de fraude, alertamos as autoridades, mas os indivíduos que são afectados devem fazê-lo também", diz a empresa." qual é a melhor forma para denunciar estes casos?
  • Miguel
    07 jul, 2016 Lisboa 14:46
    No Imovirtual, aparecem montes de anúncios que supostamente seriam da Uniplaces. Estes burlões fazem-se passar por funcionário da Uniplaces. Chamada vai para atendedor, pedem para enviar mail e o resto já sabem.... Mas já não dão tanto nas vistas, pois os valores das casas ficam 15% apenas mais baratos do que o valor normal.
  • Conceição Xavier
    24 abr, 2016 Guimarães 06:53
    Fizeram denúncia à Trovit mas eles não actuaram, o anúncio do apartamento no Porto, R da Boa Nova continua activo. A Trovit passa a ser também responsável pela burla a partir do momento que tem conhecimento da situação e nada faz.
  • MM
    07 abr, 2016 Lisboa 10:54
    se fosse so no trovit, o OLX o que nao falta para la e telefones iphones gamados ate escrevem bloqueado por icloud etc e nao vejo a psp la mas a controlar velocidades ai sim estao sempre la.