A+ / A-

Passos Coelho: Banco de Portugal “não se sentiu impelido” a resolver Banif antes de vender Novo Banco

12 jan, 2016 - 23:13

Em entrevista à Renascença, o ex-primeiro-ministro considera, no entanto, que o dossier Banif não terá sido adiado. “Nunca conseguimos identificar um comprador”, sublinha.
A+ / A-
Passos Coelho: Banco de Portugal “não se sentiu impelido” a resolver Banif antes de vender Novo Banco
Passos Coelho: Banco de Portugal “não se sentiu impelido” a resolver Banif antes de vender Novo Banco

Veja também:


No período em que “estava a procurar vender o Novo Banco”, o Banco de Portugal “não se sentiria impelido a tomar uma decisão de resolução do Banif”, admite o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho em entrevista ao programa “Terça à Noite” da Renascença.

Como explica a surpresa do Banif, que nos vai custar quase tanto como outros desastres financeiros? E isto num banco de menor dimensão e que estava nas mãos do Estado.

Vamos ver quanto custa.

Fala-se em três mil milhões...

É muito possível que esse custo esteja inflacionado porque a Direcção-geral da Concorrência fez um desconto de 66% no valor dos activos que o Banif tinha. É muito possível que esses activos valham mais do que foram contabilizados para efeitos da resolução.

Mas vai custar caro.

Foi uma questão que não se conseguiu resolver. Enquanto fui primeiro-ministro, resolvi muitas questões. Até uma verdadeira surpresa, a do Banco Espírito Santo.

Pode dizer-se que essa questão e a venda do Novo Banco o distraíram do Banif?

Não creio que a questão se possa colocar assim. A auditoria que nós [PSD] solicitámos a todo este processo e a comissão de inquérito, que também propusemos, serão importantes para olhar em detalhe para tudo isto. Não o consigo fazer aqui num minuto ou dois.

Mas não houve incúria do Estado?

Não creio. Não vou dizer que as questões Banif e Novo Banco sejam independentes, claro que houve alguma relação entre as duas. Não tenho dúvida que durante o período em que o Banco de Portugal, através do Fundo de Resolução, estava a procurar vender o Novo Banco não se sentiria impelido a tomar uma decisão de resolução do Banif.

Portanto, a questão foi atrasada.

Não diria atrasar. Nunca conseguimos identificar um comprador para o Banif. Por isso, disse que, se estivesse no Governo, não teria uma solução muito diferente. Um banco que está em dificuldades ou é capitalizado pelos seus próprios accionistas - ora, o Estado que involuntariamente era accionista não ia pôr lá mais dinheiro e os accionistas privados originais não tinham dinheiro para lá pôr -, ou é vendido (nunca conseguimos identificar um investidor) ou, se não for resolvido, tem que ser liquidado, que é um custo muito superior ao da resolução.

Não era de excluir que durante o processo de venda do Novo Banco, um investidor que não tivesse conseguido comprar o Novo Banco, e tivesse interesse em entrar em Portugal e adquirir a rede de balcões do Banif, entendesse que poderia fazer uma oferta sobre o Banif. Poderia haver sinergias resultantes do processo de venda do Novo Banco que ajudassem a resolver o problema do Banif.

Houve uma altura em que o BCE retirou o estatuto de contraparte ao Banif, porque ele já não tinha capacidade e activos para poder aceder à liquidez do Banco de Portugal ou do BCE. Isso resultou de se ter andado a tratar da questão do Banif na praça pública. Uma vez que parece ter havido a preocupação de imputar tantas culpas ao Governo anterior, parece que não houve o cuidado de tratar este assunto com a reserva que ele devia merecer. O primeiro-ministro [António Costa], para marcar uma diferença com o anterior e dizer: "Eu não me escondo por trás do governador do Banco de Portugal", quis anunciar a decisão do Banif quando quem decidiu resolver o Banif foi o Banco de Portugal.

[No Governo PSD/CDS] Não conseguimos obter da Direcção-geral da Concorrência autorização para separar os activos, vender o que era bom e tentar digerir o que era menos bom. É muito importante para futuro preservar a estabilidade do sistema financeiro para crescer. E já agora preservar também a confiança dos investidores externos em Portugal. Este Governo não o está a fazer.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Ribas
    13 jan, 2016 Ponte-de-Sor 22:07
    Porque não te calas oh piegas?
  • Mais do mesmo
    13 jan, 2016 Lx 15:55
    Mentiras, desculpas esfarrapadas... armado em calimero....uma mentira dita muitas vezes não se transforma em verdade sr. Passos Coelho
  • rosinda
    13 jan, 2016 palmela 00:18
    carpinteiro??
  • rosinda
    13 jan, 2016 palmela 00:14
    o melhor e desligar o radio senao fico maluca!
  • rosinda
    13 jan, 2016 palmela 00:11
    eu estou baralhada com isto senhor bastos a internet nao bate certo com o radio eu nao gosto disto!
  • rosinda
    13 jan, 2016 palmela 00:03
    cheguei em boa hora senhor bastos!