O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
O Ano da Misericórdia

Na liturgia também se vive a misericórdia

09 jan, 2016 - 10:20 • Filipe d'Avillez , Joana Bourgard (imagem)

O primeiro de oito guiões do Vaticano para melhor viver o Jubileu da Misericórdia trata do tema da liturgia e recomenda orações e leituras que os padres e diáconos podem usar nas celebrações ao longo do ano.
A+ / A-
Na liturgia também se vive a misericórdia
Na liturgia também se vive a misericórdia

Veja também:


A liturgia também é um espaço onde se pode experimentar e dar a conhecer a misericórdia de Deus, considera o Vaticano, que dedica ao tema o primeiro de uma colecção e oito guiões para melhor viver o jubileu extraordinário que decorre desde 8 de Dezembro.

Ao contrário do que os leigos possam pensar, a liturgia não é uma coisa estanque e permite até bastante variedade, explica o padre Vítor Gonçalves, da paróquia de São Domingos, na baixa de Lisboa.

“A liturgia é uma realidade viva. De facto, podemos dizer que ela tem algumas normas, por assim dizer, mas penso que a primeira é o bom senso. E tem os seus livros, que são acima de tudo uma ajuda para a diversidade, até, com que as coisas podem ser vividas. Este subsídio que é apresentado, com as múltiplas possibilidades de relevar, nas celebrações habituais, nas celebrações de domingo, mas em todas as outras, a dimensão da misericórdia, abre espaço a bastante criatividade, e criatividade legítima”, explica.

Detalhe de "O Retorno do Filho Pródigo" de Rembrandt (entre 1661 e 1669)

O guião do Vaticano, publicado em livro em Portugal pela Paulus, apresenta três leituras que podem ser usadas durante o ano para realçar a dimensão da misericórdia de Deus. “A primeira é a história do pai e dos dois filhos [filho pródigo], onde o caminho do filho para a casa do pai é aguardado com uma expectativa tão grande pelo pai que, quando o vê a vir ao longe, corre ao encontro dele. Então vemos aqui que há sempre, na liturgia, dois caminhos. É o nosso caminho e é o caminho de Deus também connosco, na nossa direcção. E o que há é um encontro, é sempre a celebração de um encontro.”

“Vemos um outro texto, o do Bom Samaritano, onde também há um caminho e alguém que fica caído à beira. E há alguém que passa e inesperadamente, porque pertencia a uma classe social que eram os samaritanos, que não era muito bem vista, por razões históricas pelos judeus, é o único que pára, interrompe o caminho, para ajudar aquele desconhecido, e faz-lhe todo o bem que está ao seu alcance fazer. É muito bonito e é também a imagem que surge no logótipo do ano da misericórdia, Cristo a tomar sobre os ombros aquele que está caído.”

“O terceiro texto, curiosamente não havendo uma dimensão de caminho, supõe, da atitude daquela mulher pecadora que na casa de Simão lava os pés de Jesus com as suas lágrimas, um caminho espantoso. Um caminho de humildade, um caminho de amor”, explica o padre Vítor Gonçalves.

“Portanto, aquilo que à partida, à primeira vista, interpela mais nesta dimensão da liturgia do ano da misericórdia, é como vamos celebrar os diferentes caminhos da Igreja que tem uma missão de ir ao encontro de todos, os diferentes caminhos de cada um de nós nesse encontro com o pai e também o cuidar dos irmãos.”

"Parábola do Bom Samaritano", pintura de Jan Wijnants (1670)

O guião não foca apenas questões de leituras e de orações. As recomendações do Vaticano vão também no sentido de se realçar certas áreas da Igreja durante este ano, a começar pelas portas santas, evidentemente, onde elas existem, mas também os baptistérios e os altares.

Para que tudo isto seja posto em prática, contudo, é necessário uma disponibilidade do celebrante e também dos fiéis, demasiadamente habituados a assistir às missas e celebrações de forma inactiva. “A razão pela qual achamos que é sempre a mesma coisa é porque os presidentes, os agentes da celebração litúrgica, acabam por repetir muito, por exemplo, a mesma oração eucarística, ou porque se tem pressa e há poucos sacerdotes e é preciso ir para outro lugar. Mas há uma riqueza extraordinária.”

“Depois há também uma outra coisa. É que somos herdeiros do Latim, em que quando o padre diz qualquer coisa nós desligamos e nem reparamos que o prefácio de hoje é diferente do prefácio da semana passada. Que a oração eucarística de hoje é diferente. Há um certo automatismo na nossa participação na celebração”, diz o padre.

"Perfume de Madalena", pintura de James Tissot (entre 1886 e 1894)
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.