A+ / A-
​Notícia Renascença

Esquerda tenta acordo sobre comissão de inquérito ao Banif

05 jan, 2016 - 22:57 • Susana Madureira Martins

Objectivo é encontrar um texto comum com as condições para a abertura do inquérito parlamentar.
A+ / A-

Veja também:


Durante os próximos dias e até ao final da semana as bancadas da esquerda poderão apresentar um texto comum para oficializar a abertura da comissão de inquérito ao Banif.

Fontes parlamentares contactadas pela Renascença admitem que será difícil apresentar algo já na conferência de líderes desta quarta-feira. Mas PS, Bloco de Esquerda, PCP e Verdes estão, neste momento, em conversações para organizar os fundamentos da iniciativa, que deverá ter por base o ano de 2012, data da entrada de capital público naquele banco de que o Estado é accionista maioritário a 61%.

As questões que deverão fundamentar o pedido de abertura de inquérito andarão à volta dos motivos para a falta de um administrador público no Banif.

O que levou à injecção de capital do Estado, a acção do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, em todo um processo que levou à resolução e venda do Banif ao Santander por 150 milhões de euros, são outras das questões que a futura comissão quer ver esclarecidas.

As bancadas da esquerda admitem que não será difícil encontrar um texto conjunto que defina o objecto desta comissão parlamentar de inquérito.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • tex
    06 jan, 2016 altura 11:21
    vou dizer outra vez may trabalho por o banco de Portugal ma supervisao e o povo a que sofre e nao devia ser assim o governador do banco de Portugal deve se demitir