A+ / A-

​Guterres: “Traficantes são os únicos que gerem a crise dos refugiados”

05 jan, 2016 - 13:24

"A UE e os Estados têm sido incapazes de gerir colectivamente esta situação. E o que temos tido é um caos no movimento das pessoas", diz o antigo alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados.
A+ / A-
​Guterres: “Traficantes são os únicos que gerem a crise dos refugiados”
​Guterres: “Traficantes são os únicos que gerem a crise dos refugiados”

António Guterres, antigo alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, teceu duras críticas à União Europeia pela forma como está a lidar com a questão dos refugiados. O antigo primeiro-ministro diz mesmo que a União Europeia é incapaz de gerir esta crise.

"A única entidade que verdadeiramente gere esta situação são os contrabandistas e os traficantes, visto que a União Europeia e os Estados têm sido incapazes de gerir colectivamente esta situação. E o que temos tido é um caos no movimento das pessoas", afirmou esta terça-feira, em Lisboa, onde foi o orador convidado no arranque do Seminário Diplomático 2016.

O antigo alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados diz que a Europa não consegue ser solidária e que cada país está a tomar medidas restritivas isoladamente, como o que aconteceu na Dinamarca e na Suécia com o controlo de fronteiras. António Guterres antevê um colapso do sistema europeu de asilo.

António Guterres defendeu ainda que primeiro é preciso agir na origem dos conflitos e depois ajudar os países como a Turquia, o Líbano e a Jordânia, onde estão 86% dos refugiados.

Só no ano passado um milhão de pessoas atravessou o Mediterrâneo e só à ilha grega de Lesbos chegaram numa semana pessoas de 80 nacionalidades diferentes.

Guterres cumpriu a 31 de Dezembro de 2015 o seu último dia como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados.

Guterres. Dez anos a falar pelos que não se ouvem
Guterres. Dez anos a falar pelos que não se ouvem
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    06 jan, 2016 aveiro 16:30
    Então que o presidente Cavaco Silva que os condecore!
  • passado adiado
    05 jan, 2016 lisboa 15:16
    "vou aproveitar as experiências que tenho para fazer algum de útil":Guterres.ok. e então, até aqui? foi uma "coboioada" de vida?