A+ / A-

Estas foram as palavras mais pesquisadas no Google em 2015

16 dez, 2015 - 08:45

Se este fosse o retrato dos portugueses em 2015, não seria em termos gerais muito diferente do resto do mundo, preocupado com ataques terroristas, curioso sobre figuras públicas, interessado em jogos e filmes.
A+ / A-

Mortes (especialmente envoltas em polémicas), tragédias, futebol e lazer marcam as tendências de pesquisa de 2015 na Google. A lista, revelada esta quarta-feira, é liderada por um "reality show" televisivo.

Se na pesquisa do ano passado foi a "Casa dos Segredos" que prevaleceu, este ano continuou ainda a liderar as tendências de pesquisa a sequela do programa televisivo, "Desafio Final". Os portugueses também pesquisaram tendencialmente o lazer, diz a agência Lusa: a plataforma de entretenimento Netflix (lançada recentemente em Portugal) e o jogo para telemóveis Agar.io.

Depois do entretenimento, a realidade. Na lista de tendências aparecem duas palavras em quarto lugar, "Charlie Hebdo", o nome de uma revista satírica alvo de um ataque terrorista em Janeiro, que provocou 12 mortes; e a frase "je suis Charlie" ficou célebre desde então.

E depois do massacre, a morte em circunstâncias polémicas da actriz Maria Zamora e a morte também do actor Nuno Melo fizeram catapultar os seus nomes para os "10 mais" nacionais da Google. "Cansados" da vida real os portugueses lançaram-se depois na busca de informação sobre os filmes "50 Sombras de Grey" e "Velocidade Furiosa"; sobre o iPhone 6S e sobre o novo sistema Windows.

Nas tendências de pesquisa por figuras públicas a lista da Google é elucidativa: dos dez nomes mais pesquisados, sete foram mortes ocorridas este ano (Maria Zamora, Nuno Melo, Delfina Cruz, Manoel de Oliveira, Maria Barroso, Filipa Vacondeus e Mariano Gago). Depois, foi ainda a actriz Sofia Ribeiro (que revelou ter um cancro) e a política Joana Amaral Dias (que se despiu para uma revista).

Mas porque o futebol também move muita curiosidade o nome do treinador Jorge Jesus também aparece na lista, ainda que nas palavras mais pesquisadas (no futebol), em termos absolutos, seja o nome de Cristiano Ronaldo que surge em primeiro lugar, seguido de Messi, Maxi Pereira e Iker Casillas.

Nas viagens os portugueses mostraram interesse em Paris, em Barcelona e na Madeira, quiseram saber mais sobre as cantoras e atrizes Taylor Swift e Selena Gomez, questionaram o que é o amor, a "uber", o "paypal" ou o "reiki", quiseram ser felizes, "bonitas", populares e "ricos", quiseram até saber o que fazer quando não se tem nada para fazer, quando pára a digestão ou até quando se queima a língua.

Portugueses em sintonia com o mundo

Se este fosse o retrato dos portugueses em 2015, não seria em termos gerais muito diferente do resto do mundo, preocupado com ataques terroristas, curioso sobre figuras públicas, interessado em jogos e filmes. De acordo com a mesma fonte a nível mundial as tendências de pesquisa colocam em primeiro lugar Lamar Odom. Os motivos: é uma estrela norte-americana de basquetebol e há cerca de dois meses foi encontrado inconsciente numa casa de alterne, em Nevada, supostamente drogado, e ficou em coma três dias.

Mas o mundo também quis saber mais sobre o novo filme da série "Mundo Jurássico" ou sobre o "American Sniper", que levou aos cinemas a história de um soldado norte-americano inspirada no fuzileiro Chris Kyle, um nome também na lista com maior tendência de pesquisa.

Em destaque aparece também Caytlin Jenner, transsexual que foi capa da revista norte-americana Vanity Fair, ou a lutadora Ronda Rousey, que em Outubro assumiu um relação com um também lutador de artes marciais mistas.

Dos Estados Unidos só se sai apenas ao sexto lugar da lista das principais 10 tendências. É "Paris" que o ocupa, pelos atentados terroristas do mês passado, seguido de mais jogos e filmes.

O futebol, as mortes, as polémicas, o lazer, as novas tecnologias... Portugal e o mundo lidos no rectângulo de pesquisa do maior motor de busca.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.