A+ / A-

Bloco questiona contrato "milionário" de Sérgio Monteiro

11 dez, 2015 - 22:13

Mariana Mortágua afirma que, "havendo um conflito de interesses, torna-se perfeitamente inaceitável manter" o antigo secretário de Estado à frente da venda do Novo Banco.

A+ / A-

O Bloco de Esquerda (BE) apresentou um requerimento endereçado ao Banco de Portugal (BdP) a pedir o acesso ao "contrato formal" assinado entre o Fundo de Resolução, sob a alçada do banco central, e o antigo governante Sérgio Monteiro.

Os bloquistas querem saber se o banco central justifica o salário de 30 mil euros mensais por ser esse o montante que o antigo secretário de Estado dos Transportes recebia quando era administrador da CaixaBI e se ainda é administrador da Caixa.

"Se recebe salário de administrador é porque o Banco de Portugal entende que as suas funções ainda são a nível da administração. E se são ao nível da administração, nós devemos colocar a questão: Porque é que uma pessoa que está ligada à administração da Caixa Geral de Depósitos, ou melhor a Caixa Bi, o banco de investimento da Caixa Geral de Depósitos, está ao mesmo tempo a prestar serviços para o Fundo de Resolução que tem o Novo Banco, sendo que a Caixa Geral de Depósitos é credora do Novo Banco", pergunta a deputada do BE, Mariana Mortágua.

Para parlamentar que acompanhou o caso BES, "havendo um conflito de interesses, torna-se perfeitamente inaceitável manter Sérgio Monteiro nestas funções".

"Nós já dissemos muitas vezes quem politicamente, não é aceitável que Sérgio Monteiro seja recompensado com um lugar com salário milionário na venda do Novo Banco", sublinha Mariana Mortágua.

No final de Outubro foi anunciado pelo Banco de Portugal que o ex-secretário de Estado Sérgio Monteiro iria integrar o Fundo de Resolução bancário para liderar a venda do Novo Banco. Para os bloquistas, é fundamental haver "transparência" nesta contratação.

Mariana Mortágua acrescenta que, "estando o Banco de Portugal, bem como o Fundo de Resolução, vinculados aos princípios e regras de contratação pública, importa esclarecer a razão da ausência de informação sobre a matéria, nomeadamente do contrato, na Base de Contratos Públicos online".

O banco central justificou a decisão de contratar Sérgio Monteiro afirmando que "a complexidade e os desafios associados ao processo da venda do Novo Banco" levaram à "necessidade de encontrar um responsável de reconhecido mérito e elevada experiência em operações desta natureza que pudesse assegurar a coordenação e gestão de toda a operação, incluindo o acompanhamento do programa de transformação a implementar pelo Novo Banco, que é condição essencial para a sua venda".

Antes de ir para o Governo PSD/CDS-PP como secretário de Estado, Sérgio Monteiro - que é licenciado em Organização e Gestão de Empresas pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra - estava no Caixa - Banco de Investimento, que pertence ao grupo Caixa Geral de Depósitos.

O antigo governante foi o responsável, nos últimos anos, por várias operações de privatização, caso de ANA - Aeroportos de Portugal, CP Carga e TAP (ainda não concluída) e da entrega a privados dos transportes públicos do Porto (STCP e Metro do Porto).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ainda não percebi!
    13 dez, 2015 pt 17:28
    Como consideram este Serginho uma competencia! Será que estão a mamar com ele?...
  • Joana costa
    13 dez, 2015 Aveiro 00:37
    Também devia questionar o vencimento da camarada marisa e dos eurodeputados, mas aí nao convém falar ou se falam é muito baixinho
  • JoseGomesL
    12 dez, 2015 Lisboa 18:38
    O bons fazem-se pagar caro, basta por os olhos em Horta Osório, que recebe vários milhões por ano. Mas infelizmente em Portugal temos estes politicos da treta sempre a quererem enganar tudo e todos só para materem o taaaxxxxoooooo.
  • JoseGomesL
    12 dez, 2015 Lisboa 18:35
    O bloco e a catarina sempre a meterem nojo, se estivesse lá alguém do bloco já estava tudo bem.
  • aveirense
    12 dez, 2015 aveiro 15:37
    Esta mulher (Mortágua) não presta para nada, ao contrário do Dr. Sérgio Monteiro que sempre me pareceu um homem competente e com valor. Deixem-no trabalhar. Quanto à família mortágua, já devia estar satisfeita pois já colocaram as manas nos tachos que nós contribuintes pagamos.
  • E não só...
    12 dez, 2015 Lis 14:59
    Antes de ser governante subscreveu 12 contratos de PPPs como negocios leoninos para as financeiras para quem trabalhou. Chegou a receber um diploma de excelencia de uma entidade inglesa pelos negocios chorudos que fez colocando os interesses do Estado nos minimos. A seguir como governante veio hipocritamente insurgir-se contra as PPPs que ele proprio negociou e a tentar levar-nos à certa que iria negociar novas rendas! Como seria possivel se ele proprio esteve anteriormente envolvido? Aliás vê-se agora que nada disso aconteceu e o que fez foi retirat dos contratos a manutenção das estradas, beneficiando assim aqueles para quem trabalhou. É um autentico xico-esperto!
  • João Lopes
    12 dez, 2015 Viseu 07:37
    É a inveja marxista pelo mérito e competência de alguém. A seguir irão exigir que os jogadores de futebol apenas recebam o ordenado mínimo…