A+ / A-

​Santana e a espera pelos refugiados: "É uma questão de tempo, eles hão-de vir"

04 dez, 2015 - 23:00

As conclusões da cimeira UE/Turquia e os atrasos na gestão da crise dos refugiados na Europa são alguns dos temas comentados esta semana por Pedro Santana Lopes e António Vitorino.
A+ / A-
Oiça na íntegra o Fora da Caixa (04/12/2015)
Oiça na íntegra o Fora da Caixa (04/12/2015)

Pedro Santana Lopes assegura que a estrutura preparada para receber os milhares de refugiados definidos na redistribuição europeia vai continuar a preparar o acolhimento dos migrantes. O comentador responde ao cenário actual de espera pela chegada de migrantes. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras já reconheceu que poucos migrantes manifestam preferência por Portugal no quadro da recolocação na União Europeia. Portugal aguarda a chegada de apenas 50 dos mais de 4.700 refugiados que iria receber no âmbito do plano acordado nos 28.

O antigo primeiro-ministro fala no peso de "lideranças que vão surgindo nestes movimentos dramáticos e trágicos" que vão fazendo pressão em relação aos destinos dos refugiados. " São fenómenos que estão a ser acompanhados e merecem acompanhamento profundo", acrescenta Santana Lopes que descreve a situação como "complexa e de certa maneira insólita".

O antigo comissário europeu, António Vitorino, assinala que a Alemanha é o grande factor de atracção destes refugiados. Portugal surge como um país desconhecido ou com fracas condições de emprego, acrescenta.

Convergência com a Turquia

Os comentadores sublinham, ainda, o bom entendimento expresso nos resultados da cimeira União Europeia-Turquia, realizada no último domingo em Bruxelas. A Turquia vai receber compensações para ajudar a conter o fluxo de refugiados que ali chegam, vindos da Síria e do Iraque. Em troca Bruxelas promete apresentar em quinze dias um plano para reinstalar os refugiados que estão na Turquia. O acordo implica a reabertura da negociação sobre os vistos de entrada de turcos na Europa e o retomar das negociações de adesão à União Europeia. Santana Lopes anota a convergência na generalidade dos assuntos discutidos entre ambas as partes.

Conferência do Clima já está a ser "frutífera"

O caminho é difícil, mas a Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas está a ser positiva até ao momento. É a avaliação do antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, que sublinha o trabalho preparatório que permitiu a apresentação de diversas iniciativas privadas a favor do ambiente na reunião de Paris.

A conferência está a ser frutífera e demonstra empenho político", considera Santana Lopes. O antigo primeiro-ministro mantém algum optimismo em relação ao desfecho da conferência e insiste nos exemplos de iniciativas que à margem da negociação do texto principal vão mostrando contributos positivos.

Já António Vitorino considera que as declarações iniciais dos chefes de Estado e de Governo foram encorajadoras e admite que o processo negocial em curso traga naturais avanços e recuos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Gouveia
    08 dez, 2015 Lisboa 22:57
    Hão-de vir, quando os países do norte da europa começarem a escorraça-los, ou como no caso da Filândia, os obrigar trabalhar de graça ou a repatriá-los. Nessa altura não se importarão de vir para Portugal.