A+ / A-

Costa coloca transportes públicos na pasta do Ambiente. Ou como isto ainda vai dar a Sócrates

30 nov, 2015 - 18:46 • José Pedro Frazão , em Paris

Num dia em que foi provavelmente o único chefe de Governo presente em Paris que não discursou na Conferência do Clima, o novo primeiro-ministro desvaloriza o caso e anuncia uma surpreendente passagem de pasta na orgânica do novo executivo. Inédito não fosse um certo Governo de gestão de Guterres, pela mão de José Sócrates.
A+ / A-

António Costa vai colocar os transportes públicos urbanos na tutela do Ministério do Ambiente. O anúncio foi feito pelo próprio primeiro-ministro esta segunda-feira, em Paris, à margem de um encontro com a presidente da Câmara local.

É a segunda vez que o Ministério do Ambiente tutela a pasta dos Transportes desde o 25 de Abril, quando se esperava que ficasse no novo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, liderado por Pedro Marques.

A primeira vez que um ministro do Ambiente tutelou a pasta dos Transportes aconteceu com José Sócrates no Governo de gestão de António Guterres. Com a saída de Ferro Rodrigues da pasta do Equipamento Social, para concorrer às legislativas de 2002 como secretário-geral do PS, Guterres chamou Sócrates, então ministro do Ambiente para ocupar interinamente ambas as pastas, juntando tutelas durante pouco mais de dois meses.

Política ambiental baseada na experiência autárquica

Costa fez este anúncio na Câmara de Paris, depois de um encontro de uma hora com a socialista Anne Hidalgo. A mulher que lidera a autarquia parisiense, nascida na Andaluzia, disse ter “grandes esperanças” em António Costa cuja nomeação para chefiar o Governo constituiu “uma das mais belas novidades da última semana”, premiando um “amigo de Paris” que lidera um "projecto de economia, ecologia e social-democracia".

António Costa pode ter saído da Câmara de Lisboa, mas a experiência autárquica parece não ter saído da sua visão política. “Salvar o planeta das alterações climáticas está nas mãos dos presidentes de câmara”, sublinhou o governante, que defende uma “grande aliança com as cidades” para travar o fenómeno.

Depois de desvalorizar a sua ausência no púlpito da Cimeira do Clima, que atribuiu a problemas burocráticos, o primeiro-ministro assumiu a mobilidade e a reabilitação urbanas como as suas prioridades no combate às alterações climáticas.

Na “vanguarda" do paradigma energético

Sem detalhar os seus planos, Costa repetiu várias vezes estas duas dimensões da sua política climática, baseada na ideia de "melhor cidade” como arma importante para a luta contra as alterações climáticas. Tal como na campanha eleitoral, defendeu que a prioridade a dar à reabilitação urbana é uma forma de gerar crescimento económico, de criar emprego e melhorar a eficiência energética.

“Como tive oportunidade de dizer à presidente da Câmara de Paris e nas minhas anteriores funções, esse grande desafio civilizacional que é o controlo das alterações climáticas perde-se ou ganha-se nas cidades, com a reabilitação urbana e com a mobilidade urbana. Por isso concentrámos essas políticas no Ministério do Ambiente porque acima de tudo são políticas que têm a ver com ambiente”, justificou o primeiro-ministro que promete “acelerar” o trabalho dos governos anteriores no domínio climático.

"Valorizo aquilo que é a proposta central de Portugal. Portugal quer estar na vanguarda do paradigma energético. É hoje um pais que tem uma intensidade de energias renováveis superior à media europeia”, continuou Costa que acentuou ainda que a “nova organização” do Ministério do Ambiente é “a melhor tradução daquilo que iremos fazer.

António Costa visitaria ainda o Bataclan numa homenagem às vítimas do massacre de 13 de Novembro, depois de expressar condolências por um atentado que visou o "mundo livre”.

[notícia corrigida às 22h15 - É a segunda e não a primeira vez que o Ministério do Ambiente tutela a pasta dos Transportes]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • silvana santos
    03 dez, 2015 alges 02:07
    Que o Presidente consiga elevar Lisboa a categoria que ela merece em todos os aspectos.....Com relação a mobilidade e ambiente: As 2 esferas precisam andar de maos dadas e Lisboa tem tudo para estar na Vanguarda em excelencia....Parabens e torço por melhores transportes publicos nessa bela cidade onde vivi por longos anos e vou estar sempre...
  • Janaina Macedo calvo
    02 dez, 2015 sao paulo 18:45
    Em qualquer país civilizado as pessoas dão prioridade aos transportes coletivos para proteger o meio ambiente, mas as condições precárias nos levam a recorrer a outras alternativas de mobilidade. Até que ponto isso afeta nossa qualidade de vida? Não percam novo post no blog Café&Finanças http://cafeefinancas.blogspot.com
  • Misabel
    01 dez, 2015 Almada 13:57
    OHHHHHH D. Rosinda quem é que empatou quem?????? Foi o actual 1º primeiro ministro ou o fututo cessante presidente da republica, que graças a Deus, está quase fora. E tanto quanto sei nem era o Antonio Costa que se deveria ter inscrito. Porque não se informa primeiro, antes de escrever.
  • Sofia
    01 dez, 2015 Lisboa 12:41
    É irrelevante os transportes estarem no ministério das infraestruturas ou do ambiente, se nada de novo acontecer nas políticas e no estilo de vida dos cidadãos
  • 01 dez, 2015 12:01
    Que António Costa não se esqueça da TAP. Uma venda, uma "história" muito mal contada.
  • Ó Vasco
    01 dez, 2015 Lx 11:25
    Dê bitaites sobre a cidade onde habita e não invente o que não sabe de Lisboa! A maioria dos municipes de Lisboa estão satisfeitos com o seu presidente. Está visto que é só por clubite oumá fé que dá esses bitaites!...Enxergue-se!...
  • Oh Vasco
    30 nov, 2015 Lx 22:47
    ...que mal lhe pergunte, é invisual?
  • Jorge
    30 nov, 2015 Lisboa 22:43
    Esta noticia realmente não está com nada isto foi seed copy paste está escalifobética e ainda insultou ai os comentadores :)
  • Á medida acertada
    30 nov, 2015 Lisboa 22:41
    Corroboro inteiramente com o que escreve! Mas isto é como tudo....ainda hoje veio a publico que os resultados "positivos" que a PAF apregoou antes das eleições, eram perfeitas aldrabices. O próprio INE o provou....e mesmo assim vêm os chico espertos de direita, dizer que..."isso deveu -se á instabilidade política" (?).... Mas eles acham que toda a gente é imbecil?.... Falharam em TUDO. Não deram uma para a caixa, como se costuma dizer....e continuam a arranjar desculpas ocas, em que não é preciso ser-se economista para se perceber a patranha... continuam no mesmo esquema....a repetirem muitas vezes a mesma mentira, para ver se esta se torna realidade.. mesmo com o INE a dizer o contrário. É uma vergonha ver errarem, insistirem no erro e depois desculparem-se com justificações vãs, como se estivessem a falar para uma cambada de ignorantes.... Mas mesmo assim, ainda há pessoal que os defende... como os brasileiros dizem "tem pai que é cego...."
  • 30 nov, 2015 22:29
    o homem foi a Paris para nos dar a notícia de que todos estavamos à espera. Discursos? Não é necessário, isto vai lá com a experiência de presidente de câmara de uma das maiores cidades do mundo e quem sabe da Europa, essa cidade onde vivem para lá de 1 milhão de pessoas.... Desculpem, queria dizer 1 bilião! Não entendo a dúvida de tão altos intelectos que fervilham quando não conseguem perceber a diferença entre um ministério e um ministro! É normal que com este governo de ultra comunistas venham a surgir ainda mais acontecimentos históricos. Como por exemplo mais uma bancarrota. Parabéns Costa estás ao mais alto nivel... da mediocridade!