A+ / A-

Pedro Mexia. “A Bíblia está cheia de instruções que não compreendemos"

26 nov, 2015 - 21:52 • Eunice Lourenço

“Conversas sobre Deus” desta semana foi com Pedro Mexia, para quem o cristianismo sem dimensão metafisica “é uma espécie de ONG”.
A+ / A-

A “Conversa sobre Deus” desta semana passou por vários poemas, filmes, livros, citações de vários autores, com predominância para Kierkegaard e T.S. Elliot. E por muitas referências ao Livro de Job, um livro sapiencial do Antigo Testamento que conta a história de um homem que mantém a fé em Deus, apesar de todas as duras provas a que é sujeito. Com este livro, o cronista e poeta Pedro Mexia aprendeu que Deus não dá as respostas a todas as perguntas.

“Nós esperamos respostas de Deus, mas há muitos livros que não são satisfatórios no sentido imediato de quem procura um Manual de instruções”, disse Pedro Mexia na conversa com Maria João Avillez, esta quarta-feira, na Capela do Rato, em Lisboa. E acrescentou: “A Bíblia está cheia de instruções que não compreendemos.”

Mas essa dimensão de incompreendido, de mistério é central na vivência cristã do ensaísta, para quem o cristianismo “é uma relação com o transcendente e não apenas um conjunto de regras, de crenças, de códigos éticos”.

“O cristianismo a que se retira a dimensão metafisica é um edifício respeitável, mas não passa de uma espécie de ONG”, disse Mexia, depois de explicar que “entre os homens de boa vontade” há a tendência para olhar para os crentes e pensar ou dizer “isto são tudo umas ‘patranhas’, mas, se estas pessoas são melhores por causa disto, ainda bem”. Essa não é contudo a sua visão. “Isso pode ser fonte possível de diálogo entre crentes e não crentes, mas não me diz muito”, afirmou o convidado desta semana, que, à semelhança de Fernando Santos, na semana passada, gosta de citar São Paulo e a máxima: “Se Cristo não ressuscitou é vã a nossa fé.”

Pedro Mexia reconheceu que o seu catolicismo é, em parte, fruto de um “percurso familiar”, mas não só, pois muita gente que conhece e que fez o mesmo percurso não tem hoje fé e saiu da Igreja. “Há uma certa transmissão de valores e de hábitos, nos quais, no meu caso, o catolicismo fazia parte, mas há um momento em que tem de se ficar em pé na bicicleta, sem as rodinhas da transmissão familiar”, disse. Ou seja, há um momento de decisão pessoal, acredita este cronista, que diz ter “uma espécie de pudor religioso” e prefere “viver a fé como um assunto íntimo”.

Pedro Mexia é um grande seguidor do filósofo dinamarquês Soren Kierkgaard e, como ele, acredita que “o cristianismo interpela cada pessoa e não grupos inteiros”, pelo que não há países cristãos nem sociedades cristãs, mas “cristãos individuais”.

Outro dos seus autores preferidos é Santo Agostinho. Pelo contrário, não gosta de S. Tomás de Aquino, que lhe faz lembrar o seu detestado curso de Direito. “Quanto leio S. Tomás lembro-me das sebentas do professor Freitas do Amaral: tudo muito compostinho, muito organizadinho… “, disse, causando alguns sorrisos na capela.

Questionado sobre se encontra Deus no “sublime estético”, Pedro Mexia respondeu que tem “uma visão tendencialmente laica do sublime” e encontra muito mais “o pensamento de Deus” nas “experiências da vida em que é indispensável encontrar um sentido”, em que pensa “isto não podem ser só átomos encontrados ao acaso”.

Nessa sua relação com Deus, o cronista, que colabora com vários meios de comunicação, diz que não tem um contrato, mas está a recibos verdes. “Sinto que o vínculo é duradouro, mas não sei se é contrato. É como aquelas pessoas que continuam a recibo verde, embora tenham local de trabalho, horário e relação hierárquica”, afirmou, acrescentando que nessa relação há uma cláusula implícita: “Se há qualquer coisa que choca com a minha fé, é a outra parte que cede.”

As "Conversas com Deus", conduzidas por Maria João Avillez, prosseguem na próxima quarta-feira, dia 2 de Dezembro, com a fadista Carminho. Seguem-se Henrique Monteiro e João Taborda da Gama, sempre às quartas-feiras, às 21h30.

Esta é uma iniciativa da Capela do Rato, com o patrocínio da Renascença, que transmite o essencial de cada conversa às quintas-feiras, entre as 22h00 e as 22h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Eu Quero Paz
    27 nov, 2015 Brasil 08:35
    Blá blá blá ou seja nâo sabe aa respostas porque saiu da igreja e nao conhece a biblia de verdade pois quem lê e medita Deus explica tudo e assim sua palavra se revela a quem se dedica e acredita nas verdades nela contida pois é nosso manual de como ser um bom humano e um bom adorador esperando a volta de nosso Senhor Salvador Jesus Cristo . Que Deus te dê oportunidade de conhece la de verdade! Abraços a todos que lê e medita nas sagradas escrituras.
  • eduardo murinelo
    27 nov, 2015 Rana 07:44
    Dá sempre muito, nestes tempos de heresia modernista, atacar o grande Doutor da Igreja.Não há pchorra para estes modernistas de meia tijela, muito ecumenicuzinhos, de braço dado com os heréticos dos sec. xv e xvi...
  • da Silva
    26 nov, 2015 Guimaraes 23:57
    Nao concordo muito com a parte do comentario do Pedro Mexia quando diz que Deus nao nao dà resposta a todas as perguntas. Para os que estudam a biblia é claro que , Deus por intremédio da Biblia, responde de fato a TODAS as perguntas, podemos nos nao estar à espera desta