O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Sócrates acusa Cavaco de "desacreditar" solução de esquerda

22 nov, 2015 - 14:57

Antigo primeiro-ministro considera que o Presidente está a lançar "as bases da campanha eleitoral que a direita um dia fará contra o futuro Governo que ainda não o é".
A+ / A-

José Sócrates afirmou este domingo que está de volta à vida política portuguesa e deixou críticas à actuação do Presidente da República no pós-eleições legislativas.

Num almoço com apoiantes em Lisboa, o antigo primeiro-ministro e arguido na “Operação Marquês” acusa Cavaco Silva de estar ao serviço da direita e de estar a ouvir personalidades antes de tomar uma decisão, apenas para descredibilizar um futuro Governo de António Costa.

“A intenção do senhor Presidente da República, com esta demora, com estas audições, não é outra que não seja tentar desacreditar e enfraquecer a solução política de Governo que é a única solução política que o país dispõe”, disse José Sócrates, perante aplausos dos apoiantes.

O antigo primeiro-ministro considera que o Presidente da República está ao serviço de uma estratégia da direita.

“No fundo, o que o senhor Presidente da República quer e estar a fazer é sublinhar a anormalidade desta solução política, mostrar que ela é muito anormal, muito estranha, para com isso construir as bases da campanha eleitoral que a direita vai fazer. Ou melhor, as bases da campanha eleitoral que a direita um dia fará contra o futuro Governo que ainda não o é”, acusa José Sócrates.

O antigo líder do PS também deixou farpas a Pedro Passos Coelho: "É preciso ser muito cínico e ter muito desplante para dizer ao Partido Socialista, que se apresenta com uma coligação para responder ao fracasso que foi a apresentação do Governo da direita, que esse Governo que se apresenta como a única solução é um golpe. Golpe deram eles em 2011", argumentou, numa referência ao chumbo do PEC 4 e à queda do seu executivo.

O antigo primeiro-ministro falava num almoço de desagravo em Lisboa, que reuniu cerca de 400 pessoas, entre elas históricos socialistas como Mário Soares e Almeida Santos, o líder da UGT, Carlos Silva, e antigos ministros Como Alberto Costa, Mário Lino e Vitalino Canas.

Numa altura em que se assinala um ano da sua detenção no âmbito da "Operação Marquês", José Sócrates deixou um aviso aos seus adversários: "Se o objectivo de alguém fosse que a minha voz fosse calada, como foi durante muitos meses, ficam agora a saber que essa voz está de volta ao debate público em Portugal".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.