A+ / A-

Fernando Santos. Uma fé alimentada na Eucaristia

19 nov, 2015 - 20:45 • Eunice Lourenço

“Ser católico é acreditar em Cristo vivo que ressuscitou”, afirmou o seleccionador nacional de futebol na sessão desta semana das "Conversas sobre Deus".
A+ / A-
fernando santos - Conversas sobre Deus
fernando santos - Conversas sobre Deus
O essencial da conversa com Fernando Santos

Veja também:


É junto ao sacrário que mais gosta de rezar, é na Eucaristia que alimenta a sua fé, é em S. Paulo que encontra as palavras para dar testemunho – é assim a fé testemunhada por Fernando Santos, seleccionador nacional de futebol, em mais uma sessão das Conversas sobre Deus, iniciativa que decorre semanalmente na Capela do Rato, em Lisboa, moderada por Maria João Avillez.

A conversa começou com a jornalista a contar que, há uns anos, numa missa semanal em Cascais, se cruzou com Fernando Santos. “Pensei ‘Que estranho!’ Percebi que só podia ser sinal de uma relação não rotineira com Deus”, contou Maria João Avillez. “Percebi que preciso alimentar a fé. Percebi que podia alimentar a fé na Eucaristia”, disse Fernando Santos, contando que, desde 1994, a primeira coisa que faz é rezar e ler as leituras da missa do dia.

Para o seleccionador nacional, ser católico é “uma exigência muito forte”, é “acreditar em Cristo vivo que ressuscitou” e dar testemunho disso é como que uma militância: “Não podemos deixar de dar testemunho independentemente da profissão que tenhamos.”

Fernando Santos contou que nasceu numa família cristã, mas que não tinha prática religiosa. Andou na catequese, foi crismado, mas depois foi-se afastando. “Sabia que havia Deus, não mais do que isso”, recordou. Mas nunca deixou de rezar ao Anjo da Guarda.

Casou pela Igreja, baptizou os filhos, mas sem nunca voltar a uma vida de católico praticante. Até que, por altura da preparação da filha para o Crisma, começou a ficar “inquietado” e sentiu “necessidade de perceber um bocadinho melhor o que estava a acontecer” à filha. Na mesma altura, calhou dar boleia a um padre a quem pediu para ter uma conversa. A conversa aconteceu, o padre deu-lhe um livro – “A Fé Explicada” – e Fernando Santos começou a ir à missa com a mulher. Mas ainda faltava alguma coisa. “Via toda a gente a ir lá à frente, toda a gente ia comer e eu não ia”, contou. E, mais uma vez, teve de ir conversar com o padre. E a conversa tornou-se confissão.

Entretanto, foi despedido do Estoril – o fim de uma relação de 20 anos. E quanto chegou a casa, tinha lá uns amigos, para o consolarem, mas que lhe propuseram ir a um retiro do movimento dos Cursilhos de Cristandade. Resistiu, mas foi. “Fui para lá pôr a cabeça em ordem”, conta. “[Mas] Levei porrada que até dancei”, recordou o seleccionador que, naquele fim-de-semana, descobriu “Cristo vivo em cada um de nós”.

“Foi um momento determinante na minha vida”, confessou Fernando Santos. Foi há mais de 20 anos. Hoje assim continua para o agora seleccionador, que continua a aprofundar a fé, a ir à missa e a rezar. De preferência frente ao Santíssimo Sacramento. “O lugar onde fico mais à vontade para falar com Ele é no sacrário porque Ele está ali”, afirma Fernando Santos, que todos os dias pede a Deus que “aumente a fé, a esperança e a caridade” em si e na sua casa.

As "Conversas com Deus", conduzidas por Maria João Avillez, prosseguem na próxima quarta-feira, dia 25 de Novembro, com Pedro Mexia. Seguem-se Carminho, Henrique Monteiro e João Taborda da Gama, sempre às quartas-feiras, às 21h30.

Esta é uma iniciativa da Capela do Rato, com o patrocínio da Renascença, que transmite o essencial de cada conversa às quintas-feiras, entre as 22h00 e as 22h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Teresa Ribeiro
    21 jul, 2016 Carnaxide 14:42
    A nossa fé vem de Deus, no entanto é necessário alimentá-la, para que não morra. Também eu nasci na fé, com o baptismo e mais tarde perdi essa luz, visto que não a alimentei. Mais uma vez Deus me tocou e eu voltei e vivo hoje essa fé aumentando-a todos os dias com orações, leituras. laudes todos os dias eucaristias etc .Eu preciso desta vivência , tal como o pão para a boca.
  • 13 jul, 2016 08:04
    Deus acima de tudo é ele k nos comanda deus é amor deus é paz
  • Paulo Soares
    13 jul, 2016 Filipinas 06:50
    Um cristao, conhece seu caminho. "Nao existe solucoes, mas caminho existe sempre." Na verdade ser cristao e ser consciente com a realidade e nao permite a desistir de seu caminho de ravinas, desertos etc, tudo faz parte de uma evolucao que se quer honesta e verdadeira para se encontrar com a ressureicao, com o amor de Jesus Cristo nosso Pai e Deus. Felicito todos aqueles que fazem de suas vidas uma entrega em amor.
  • Rosa Maria M. Tadeia
    12 jul, 2016 Coruche 17:01
    Gostei muito do testemunho do Eng.Fernando Santos é este amigo maior que a todos quer conquistar e a ele nos entrega mos com toda a nossa alma, Bendito seja Deus que a cada um da o que lhe apraz.
  • Manuel Pereira
    12 jul, 2016 Santa Joana -Aveiro 14:48
    Também creio e acredito em Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos alimenta a alma. Beijos e Abraços
  • Fernanda pereira
    11 jul, 2016 21:16
    É mesmo isso transmitido nestes sentimentos . E penso pelas experiências vividas em cada dia que Ele está cada vez mais próximo de nos , manifestando alguns Sinai...
  • Margarida
    11 jul, 2016 Lisboa 19:18
    Tambem acredito em Deus e seu filho Jesus. Ja fui salva 2 vezes pela fe. Eu acredito
  • Maria do Céu Almeida
    20 nov, 2015 Coimbra 23:44
    Obrigada à Dra. Mª João Avillez por mais esta conversa!