A+ / A-

D. Duarte daria posse a António Costa

13 nov, 2015 - 07:48

O pretendente ao trono tem dúvidas sobre a estabilidade que os acordos da esquerda possam dar ao país, mas vê como "saudável" que diferentes partidos se entendam. Sobre o Bloco de Esquerda, Duarte Pio de Bragança não manifesta opinião, mas tem "confiança na seriedade do Partido Comunista".
A+ / A-

O pretendente ao trono, D. Duarte Pio de Bragança, diz que, no lugar de Cavaco Silva, daria posse ao governo minoritário do PS, embora entenda que há riscos.

Em declarações à Renascença, o chefe da Casa de Bragança não dá uma resposta imediata à questão sobre o que faria na posição do Presidente da República. Mas conclui: “Certamente, daria posse a António Costa. Podemos não concordar com a situação, mas a lei é lei”.

"Se os partidos que se juntaram ao PS garantirem uma governação estável, a Constituição expressa o direito de formarem um Governo."

Embora a solução que se desenha possa deixar "a comunidade internacional e, sobretudo, os meios financeiros preocupados e assustados, por parecer que estamos a seguir a utopia e a falta de realismo, como aconteceu com a Grécia”, D. Duarte não vê perigo nos acordos da esquerda por entender que “é saudável para a democracia portuguesa que partidos com ideias diferentes e que, desde a sua existência, só estiveram na oposição, sejam capazes de se responsabilizar” por um novo Governo.

O chefe da Casa de Bragança tem esperança que os acordos partidários à esquerda originem a estabilidade política de que o país precisa e manifesta a sua confiança, em particular, no PCP: “Eu tenho confiança na seriedade do Partido Comunista, embora tenham umas teorias que estão bastante longe da realidade. No entanto, o sentido pragmático pode levá-los a dar a estabilidade ao Governo. Do Bloco de Esquerda, não sei.”

A solução de um governo de gestão não agrada ao duque de Bragança porque há uma maioria parlamentar a suportar o Governo. “Eu acho que, se não houvesse uma maioria que garantisse a estabilidade governativa, faria todo o sentido recorrer a um governo de gestão”, declara.

O pretendente ao trono lembra ainda que, "na Bélgica, aconteceu uma situação semelhante", de impasse político, e "durante um ano e tal, não houve um acordo para um Governo", mas "com a orientação do rei, o país andou muito bem e não houve problemas de maior”.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pSalaberth
    16 nov, 2015 Portugal 11:10
    Qual trono?
  • rosinda
    15 nov, 2015 palmela 15:26
    Ninguem e de ninguem portanto nao admito que minorias radicais mandem em mim!
  • rosinda
    15 nov, 2015 palmela 15:23
    Nao quero entregar o meu pais a um governo que se juntou a um partido de filhas de terroristas! Ninguem e ninguem!!
  • Leonel dos Anjos
    14 nov, 2015 Guimarães 21:25
    Em muitos casos um rei é bem mais agregador do seu povo que um presidente. Não sendo monárquico reconheço que esta atitude é bem mais sensata que a do presidente que temos; ou melhor, que alguns têm. É mesmo um capitão de bamdoleiros.
  • manuel lamas silveir
    14 nov, 2015 fonte das somas 15:24
    Obrigado Tomás Caldeira tu e o Bernardo G são os únicos sobreviventes desse ramo- Obrigado pela ponderação. pela sensatez, pela aceitação honrada das regras, mesmo quando não correm como o coração desejaria ( não falo por mim, anticomunista de sempre, e com memória, mas que prefiro sectários que cumpram algumas regras , do que mercadores de templo e sepulcros caiados de branco, ou chefes de repartição com carreira internacional garantida nas SUAS organizações patronais). Bordalo Pinheiro falta-nos. De todo o som e fúria argumentativa que deveria rodear as questões de Regime e da ética, vejo sobrenadar e boiar as magnas questões dos Engenheiros diplomados ao domingo, dos fadistas que ainda são Bragança por uma tetravô, (somos dezenas de milhares os descendentes de Afonso Henriques o Primeiro, possivelmente filho de pais incógnitos, e daí) e dos litígios em torno da importantíssima ordem da lagarta dourada, que desceu ao nível das ordens da república sorteadas entre os membros das panelas Não sei, e importa-me tanto como a minha primeira camisa, se Dom Duarte é o Duque de acordo com todas as interpretações possíveis da jurisprudência. Mas tu e eu sabemos que é Dux, acima da confrangedora miséria paroquial e da feira microscópica das vaidades e dos interesses. Por isso somos realistas, mesmo antes de ser monárquicos. Um abraço do teu Manuel , bisneto em linha feminina de um Rodrigues estucador de Afife que muito me honra como monárquico dos reis aliados do poder concelhio Abr
  • Dário
    14 nov, 2015 Lisboa 12:54
    Ó Piçarra "dom" não é título, é tratamento. E, segundo a wikipedia "desse senhor", o STJ proibiu D. Duarte Nuno Pio de Bragança "de fazer uso do nome e das insígnias da Ordem de São Miguel da Ala". Mais nada. E a wikipedia "desse senhor" também diz que "em 2006 o Estado português legitimou Duarte Pio de Bragança como o único e legítimo herdeiro do trono de Portugal". De certeza que não te chamas Nuno da Câmara Pereira, o "refundador" da tal ordem de São Miguel da Ala e que teve um título de conde reconhecido pelo senhor Dom Duarte Nuno Pio de Bragança para, depois de ter conseguido o que queria, o ter passado a atacar ferozmente? Chama-se a isto "ser cão que não conhece dono"! E, só para terminar, não é o dito Nuno da Câmara Pereira primo do Duque de Loulé, o qual pode alimentar pretensões ao trono português por ser descendente de D. João VI através de uma sua filha, infanta Ana de Jesus Maria?
  • Paulo Piçarra
    14 nov, 2015 Moura 10:12
    Ele não se chama "Dom". Ele não é "dom" nenhum. Ele não tem esse título e esses títulos não existem hoje em Portugal portanto não se devem usar. Aliás, o Supremo Tribunal de Justiça em Portugal condenou esta pessoa por isso mesmo este ano - a não usar mais um título que não tem. Basta ir à página da wikipedia deste senhor para ter essa informação. Aqui não há doutor, quanto mais "dom". É mesmo o Senhor Duarte Pio e já vai com sorte.
  • rosinda
    13 nov, 2015 palmela 23:09
    basta o senhor d.duarte ir ao site correio da manha !Encontra o video antigo de antonio costa que se tornou viral! para ver como andou tantos rodeado de gente que nao presta!
  • rosinda
    13 nov, 2015 palmela 22:36
    que culpa tenho eu de d.duarte andar uma vida inteira rodeado de gente que nao presta!
  • rosinda
    13 nov, 2015 palmela 22:32
    que culpa tenho eu do senhor d. duarte nao ser corajoso?