O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
1962-2015

Morreu Paulo Cunha e Silva

11 nov, 2015 - 10:18

Paulo Cunha e Silva foi um dos principais responsáveis pela programação do Porto 2001 e conselheiro cultural da embaixada de Portugal em Roma. O corpo vai estar em câmara ardente no Teatro Municipal Rivoli e o funeral realiza-se na quinta-feira, às 14h00.
A+ / A-
O vereador da Cultura que queria levar o Porto ao mundo

Morreu esta quarta-feira o vereador da Cultura da Câmara do Porto, Paulo da Cunha e Silva. Tinha 53 anos e não resistiu a problemas cardíacos.

Licenciado em Medicina, Paulo Cunha e Silva destacou-se na área cultural. Foi um dos principais responsáveis pela programação do Porto 2001, tendo sido eleito vereador da Cultura nas últimas eleições autárquicas, integrando a lista do movimento independente liderado por Rui Moreira, que conquistou a presidência da Câmara.

Em entrevista à Renascença, um mês depois de ter assumido o cargo, afirmou que queria ouvir a cidade e defendeu que “este modelo de Câmara dialogante e aberta que o presidente Rui Moreira quer seguir também tem que ser seguida na estratégia cultural.”

Considerava também que a cultura tem de ter uma “lógica de pendularidade” e não de bipolaridade, sobretudo, no que toca às Câmaras de Lisboa e Porto. “Haveria um ganho em termos de recursos e economia de escala. O país como marca tem uma grande dificuldade em inscrever-se culturalmente.”

Paulo Cunha e Silva lamentava que Portugal não tivesse uma identidade própria. “Estive como conselheiro cultural [na embaixada] em Roma nos últimos três anos e meio e há dificuldade em Itália em perceber-se o que é Portugal. As pessoas sabem quem é o Siza, o Manoel de Oliveira, o Mourinho, o Ronaldo, o Vinho do Porto e sabem vagamente o que é o Porto, mas muitas vezes não sabem o que é Portugal. Temos estrelas, mas não temos uma constelação. Falta-nos uma via láctea”, sustentou.

Paulo Cunha e Silva foi ainda presidente do Instituto da Artes do Ministério da Cultura e comissário do extenso programa de Guimarães 2012. Colaborava com há largos anos com a Fundação de Serralves, a Fundação Calouste Gulbenkian e era presidente da Comissão de Cultura do Comité Olímpico Português.

No âmbito da sua licenciatura, era Mestre e Doutor pela Universidade do Porto, onde foi professor de Anatomia, e era, actualmente, professor associado de Pensamento Contemporâneo na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

A Câmara do Porto já decretou três dias de luto municipal. O presidente da autarquia, Rui Moreira, assumiu o pelouro da Cultura e nomeou para seu adjunto Guilherme Blanc, que ocupava o mesmo cargo junto de Paulo Cunha e Silva.

Velório no Rivoli

O corpo de Paulo Cunha e Silva estará em câmara ardente no palco do auditório Manoel de Oliveira, no Teatro Municipal Rivoli, a partir das 17h00 desta quarta-feira.

O Rivoli vai estar aberto durante toda a noite.

O cortejo fúnebre sai na quinta-feira, às 14h00, para a Igreja da Lapa, onde será celebrada missa de corpo presente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.