O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Soldado Milhões inspira jogo de cartas que dá a conhecer o herói de guerra

31 out, 2015 - 11:20

A aventura de Aníbal Augusto Milhais ocorreu em Abril de 1918, durante a Batalha de La Lys, na Flandres, Bélgica, e os seus actos de bravura valeram-lhe a mais alta condecoração militar nacional, a Ordem de Torre e Espada.
A+ / A-

O soldado Milhões inspirou a personagem principal de um jogo de cartas familiar que quer dar a conhecer e perpetuar a história do herói português da Primeira Guerra Mundial, afirmou o autor do projecto.

“Millions, o Último Soldado” é uma aventura em 72 cartas que retrata a história do destemido Aníbal Augusto Milhais, o soldado raso que partiu de Murça para combater na Primeira Guerra Mundial e que ganhou fama quando se bateu sozinho contra os alemães para ajudar à retirada das forças aliadas.

“O principal objectivo é tornar a história conhecida”, afirmou à agência o autor David Mendes, um professor de história que criou a Pythagoras, sediada em Leiria, uma editora portuguesa de jogos e conteúdos educativos com temas de história e cultura.

Apesar de ser docente da área, o responsável referiu que foi só quando estava a desenvolver outro projecto que se cruzou com o soldado transmontano.

“Comecei a estudar a personagem e achei que seria muito interessante desenvolver um jogo inspirado nela para a dar a conhecer aos mais novos”, salientou.

Aqui os jogadores assumem o papel de um general a quem foi entregue a missão de comandar o soldado Milhões nos últimos dias da Primeira Guerra Mundial.

David Mendes referiu que à história verdadeira se juntaram elementos de ficção, como o Barão Vermelho, o piloto alemão que se torna no inimigo do português.

As ilustrações das cartas foram feitas por Daniel Souto, natural de Vila Real, que retrata o pequeno soldado, com um grande bigode preto, uns olhos grandes e a metralhadora a quem deu o nome de “Luisinha”.

A aventura de Aníbal Augusto Milhais ocorreu em Abril de 1918, durante a Batalha de La Lys, na Flandres, Bélgica, e os seus actos de bravura valeram-lhe a mais alta condecoração militar nacional, a Ordem de Torre e Espada.

O soldado ter-se-á voluntariado para cobrir a retirada de todos os seus companheiros, ficando com a metralhadora e criando a ilusão, nas tropas alemãs, que a posição estava a ser guardada por várias unidades do seu batalhão, porque ele fazia fogo de vários pontos distintos.

O epíteto “Milhões” nasceu com o elogio do seu comandante, Ferreira do Amaral: “Tu és Milhais, mas vales milhões”. Aníbal Milhais nasceu em 1895, em Valongo, aldeia que, em 1924, se passou a chamar Valongo de Milhais em sua homenagem.

Evitar o Barão Vermelho para ganhar

David Mendes explicou que o jogo se desenrola em 12 dias, ao longo dos quais o soldado português vai ter que vencer oito batalhas. “O objectivo é que o jogador vença as batalhas e fazer com que os adversários fiquem com as cartas do Barão Vermelho, que são pontos negativos. No final quem somar mais pontos ganha”, acrescentou.

A ilustração das cartas explica e transmite várias curiosidades sobre a guerra e a participação de Portugal no conflito. Há alusões aos ratos que inundavam as trincheiras, ao pão que chegava duro à frente de batalha e ainda ao “Stubby” um cão americano, que foi promovido à patente de sargento e que no final de vida ainda frequentou a universidade.

“Millions, o Último Soldado” está traduzido para inglês e espanhol e vai ser oficialmente apresentado a 21 de Novembro em Lisboa e Vila Nova de Gaia.

“O principal objectivo é que sejam mais do que jogos, que tenham sempre algo educativo e que levem as pessoas a conhecer os temas, neste caso o soldado Milhões”, afirmou.

David Mendes era professor de substituição, uma situação precária que acabou por deixar para se dedicar à empresa e à criação de jogos que quer que sejam “importantes ferramentas de apoio escolar” e despertem nas crianças o “seu lado criativo e interesse pelo estudo da história”.

O primeiro que desenvolveu foi o “Quinto Império”, que contém 600 perguntas que percorrem a história de Portugal, seguindo-se outros como “Aljubarrota, a Batalha Real” ou ainda o puzzle “Reis de Portugal, a Dinastia de Borgonha ou Afonsina”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.