O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

"Extraordinário". Bloco critica nomeação de quem defendeu Ricardo Salgado

27 out, 2015 - 17:23

Novo ministro da Administração Interna atestou idoneidade do ex-líder do BES. O candidato à Presidência Paulo de Morais diz que Cavaco não deve dar posse a Calvão da Silva.
A+ / A-

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse esta terça-feira que Pedro Passos Coelho e Paulo Portas continuam a surpreender e “não deixa de ser extraordinário” que tenham chamado para o Governo uma figura que defendeu Ricardo Salgado.

“Não deixa de ser extraordinário como Passos Coelho e Paulo Portas não deixam de surpreender mesmo nestes momentos”, vincou a bloquista, referindo-se à nomeação de João Calvão da Silva para ministro da Administração Interna (MAI).

João Calvão da Silva foi notícia em 2013 por ter emitido um parecer por escrito atestando a idoneidade de Ricardo Salgado para continuar a exercer funções no então Banco Espírito Santo (BES), parecer esse utilizado pelo ex-banqueiro como defesa junto do Banco de Portugal (BdP).

Falando em conferência de imprensa na sede nacional do Bloco, em Lisboa, no final de um encontro com o jornalista e activista angolano Rafael Marques, Catarina Martins declarou ainda que o Presidente da República, Cavaco Silva, colocou Portugal numa posição “constrangedora” de ver um executivo ser formado quando se sabe de antemão que o mesmo não será viabilizado na Assembleia da República.

Paulo de Morais: Cavaco não deve dar posse a Calvão da Silva

Esta crítica já tinha sido feita por Paulo de Morais, na sua página do Facebook. O candidato presidencial diz mesmo que o actual presidente da República não devia dar posse a João Calvão da Silva.

“O Banco Espírito Santo (Angola) emprestou 800 milhões a Marta dos Santos, irmã do presidente angolano, para esta construir um empreendimento imobiliário em parceria com o construtor José Guilherme. O mesmo José Guilherme deu uma prenda de 14 milhões a Ricardo Salgado. Segundo parecer de Calvão da Silva, futuro ministro, esta ‘liberalidade’ justifica-se pelo ‘bom princípio geral de uma sociedade que quer ser uma comunidade – comum unidade –, com espírito de entreajuda e solidariedade’. Foi deste modo que Calvão da Silva levou o governador Carlos Costa a manter a idoneidade do ex-presidente do BES", ataca Paulo de Morais.

“Quem atesta a idoneidade de Ricardo Salgado para presidente de Banco não tem idoneidade para Ministro”, conclui o candidato a Belém.

A proposta de composição do XX Governo Constitucional apresentada pelo primeiro-ministro indigitado, Pedro Passos Coelho, é composta por um vice-primeiro-ministro mais 15 ministros, dos quais oito são novos, e inclui quatro mulheres.

Em comparação com o anterior Governo, são criados três novos ministérios na orgânica do XX Governo: o Ministério da Cultura, Igualdade e Cidadania, o Ministério dos Assuntos Parlamentares - que deixa de estar integrado com a Presidência - e o Ministério da Modernização Administrativa. Por outro lado, o Ministério do Desenvolvimento Regional é agora integrado no Ministério da Presidência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.