O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

"Um sonho de humanidade". A vida de refugiados pelos olhos das crianças

10 out, 2015 - 10:00

Ao longo das margens do rio Sena, em Paris, estão expostas fotografias tiradas por crianças sírias do campo de Kawergosk, no Curdistão iraquiano.
A+ / A-

Retratos das duras condições de vida dos refugiados tirados por eles próprios e por repórteres estão à vista de todos nas paredes de Paris. Os muros também podem servir para despertar consciências.

"A Dream of humanity" (Um sonho de humanidade) junta imagens captadas pelo fotojornalista Reza Nomade durante três décadas e pelo fotógrafo de documentários Ali Bin Thalith.

O longo de 370 metros, nas margens do rio Sena, também estão afixadas fotografias tiradas por crianças sírias do campo de Kawergosk, no Curdistão iraquiano. Estes meninos e meninas aspirantes a repórteres, e a uma vida normal, receberam formação de Reza Nomade, através do projecto “Exile Voices”.

A exposição tem o apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), presidido pelo português António Guterres.

A foto seguinte mostra uma criança, na privacidade da sua tenda, a fazer os trabalhos de casa à luz de candeeiro a petróleo, no campo de refugiados sírios de Kawergosk, no Curdistão iraquiano. A imagem foi captada pelo jovem fotógrafo Amer Abdulah, também ele um refugiado.



Um vislumbre de normalidade no campo de Kawergosk. Crianças brincam num parque infantil improvisado, com um labirinto de centenas de tendas em pano de fundo. A fotografia é de Amer Abdulah, um menino que teve de fugir à guerra na Síria.




No campo de refugiados sírios de Kawergosk, em Erbil, no Norte do Iraque, vivem cerca de dez mil pessoas em condições precárias. Muitas são crianças que, com as suas famílias, fugiram à guerra civil que destrói a Síria. A foto que se segue foi tirada por Amina Morad, no âmbito do projecto “Exile Voices”.



O banho matinal é tempo de improviso no campo de Kawergosk, onde o consumo de água é racionado. O jovem fotógrafo Mohammad Husein captou este momento da vida quotidiana. Ao mesmo tempo, alerta para as dificuldades dos refugiados.



Fotografia tirada por Maya Rostam, de 13 anos, mostra dois amigos a brincarem numa mini-banheira de esferovite. Um momento de alegria e inocência. A vida não é só tristeza em Kawergosk.




Maryam Husein fotografou os três irmãos ao cair da noite, iluminados pela chama trémula de uma vela, no campo de refugiados de Kawergosk, no Curdistão iraquiano. A imagem é uma das que está exposta nas margens do rio Sena, em Paris.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pirus
    10 out, 2015 Porto 15:42
    Artigo manipulador, tendencioso, mentiroso.....Vergonha jornalismo assim.