A+ / A-

As contas das legislativas. Coligação ganha eleições, mas perde 25 deputados

05 out, 2015 - 02:25 • Ricardo Vieira

PS ficou a quase 6% do PSD/CDS e o Bloco de Esquerda mais do que duplicou o número de deputados. O PAN fez história ao eleger o seu primeiro deputado.

A+ / A-

A coligação Portugal à Frente (PSD/CDS) venceu as eleições legislativas deste domingo, com 38,34%, numa altura em que estão contados os votos de todas as 3.092 freguesias e só faltam apurar os dois círculos da emigração.

Segundo os dados da Comissão Nacional de Eleições (CNE), a coligação liderada por Passos Coelho e Paulo Portas conquistou 104 deputados.

Deste total, 99 deputados em Portugal Continental, como coligação Portugal à Frente, e mais cinco na Madeira e Açores pelo PSD, que nas regiões autónomas concorreu separado do CDS.

A coligação perde 738 mil votos e 25 deputados em comparação com 2011. Nas legislativas anteriores, PSD e CDS juntaram-se e conseguiram uma maioria parlamentar de 129 deputados.

A aliança PSD/CDS conseguiu 1.979.132 votos nas legislativas deste domingo. Há quatro anos o PSD, sozinho, obteve 2.146.108 de votos e o CDS 652.379.

O Partido Socialista pediu a maioria absoluta, mas ficou em segundo lugar, com 32,38%, o equivalente a 85 deputados. Contas feitas, António Costa arrecadou 1.740.300 votos.

Há quatro anos, o PS de José Sócrates também ficou em segundo lugar, com 28,05% e um grupo parlamentar de 73 deputados, num total de 1.558.250 de votos.

O Bloco de Esquerda (BE) é o grande destaque das legislativas 2015. O partido de Catarina Martins mais do que duplicou o número de deputados. O grupo parlamentar bloquista tinha oito deputados e cresceu para 19.

Em 2011 o BE não foi além dos 5,19% e 288.206 dos votos. Nas legislativas deste domingo, disparou para 10,22% e quase 550 mil votos.

A CDU passa de terceira para quarta força política na Assembleia da República, mas ganhou um deputado e cerca de quatro mil votos em comparação com as eleições anteriores.

A coligação formada por Partido Comunista e Verdes conseguiu 8,27% nestas legislativas, o equivalente 444.319 votos.

O partido Pessoas Animais e Natureza (PAN) fez histórias. Conseguiu eleger, pela primeira vez, um deputado à Assembleia da República, com 1,39% e quase 75 mil votos. André Lourenço Silva vai ser o representante do PAN no novo Parlamento.

Falta ainda apurar quatro deputados eleitos pelos círculos eleitorais da Europa e Fora da Europa, que serão conhecidos nos próximos dias.

A abstenção aumentou em comparação com as últimas eleições. Em 2011, 41,9% dos eleitores registados nos cadernos eleitorais não foram votar, em 2015 aumentou para 43,07%, a maior de sempre numas legislativas.

Em 2011 votaram mais de 5,5 milhões de pessoas. Em 2015, foram menos 200 mil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ZTB
    06 out, 2015 Lisboa 12:10
    Vejam só !!! a menina Catarina quer fazer um golpe de estado ??? com 10 % de votos quer ser poder ? ´e bem à Trotskista . Mas não estamos em 1920 .Ela que concorresse coligada à Esquerda ... Tivesse ela os .. no sitio para convencer o Costa e o Jerónimo a irem na sua cantiga ...Ele quer o ser o Tsipras??? Esta esquerda caviar anseia pelo poder ... Não faltava mais nada senão
  • Carlos Santos
    06 out, 2015 Coimbra 09:49
    Governo para 3 meses?