O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Europa, por onde tens andado estes dias?

03 out, 2015 - 00:27

Esta semana o escândalo da Volkswagen volta a dominar as atenções na União Europeia. Por cá, tentamos perceber por que é que quase não se falou de Europa na campanha que termina esta sexta-feira.
A+ / A-

A campanha eleitoral em Portugal termina esta sexta-feira. As eleições são no próximo domingo. E apesar de os últimos 4 anos terem sido dominados pela troika e pelas medidas de austeridade que foram aplicadas a Portugal também pela União Europeia, o que é certo é que as questões europeias ficaram completamente fora desta campanha. Apenas o debate nas rádios ainda colocou a questão em cima da mesa, mas durante a campanha apenas houve uma breve referência à questão dos refugiados.

No programa desta sexta, Francisco Sarsfield Cabral analisou também o impacto e a reacção que os mercados financeiros mostraram perante a campanha eleitoral.

Segundo as sondagens, nem a coligação de Governo, nem o Partido Socialista, têm maioria absoluta. O Presidente da República têm apelado à necessidade de consensos. Ainda ontem, Marcelo Rebelo de Sousa deixava também esse apelo, lembrando até o tempo em que foi líder do PSD quando António Guterres era Primeiro-ministro e, no que toca às questões europeias, os dois maiores partidos procuravam sempre um consenso nessas questões. Mas Sarsfield Cabral nota que esta convergência de pontos de vista e esta estratégia conjunta em termos europeus entre PSD e PS não tem sido possível.

Um problema sobre rodas

O escândalo da Volkswagen continua a dominar a agenda da União Europeia. Os ministros da Economia da União estiveram ontem reunidos no Luxemburgo, e todos estão de acordo que é preciso encorajar a indústria automóvel a investir em tecnologias mais limpas. Segundo o especialista da Renascença em Assuntos Europeus, não tem havido, por parte da Comissão Europeia, grande pressão sobre a Alemanha para resolver rapidamente esta questão e explica quais as implicações que este caso pode vir a ter na economia europeia.

O grupo Volkswagen reconheceu que colocou em 11 milhões de veículos um dispositivo que identifica quando o carro está a ser submetido a testes, emitindo assim menos gases poluentes para cumprir os limites impostos pelas autoridades de vários países. E um dos advogados da Organização Transporte e Meio Ambiente acusa a Comissão Europeia de ter sido avisada da manipulação dos motores de carros a gasóleo, por parte da Volkswagen. Ou seja, Bruxelas sabia de tudo e nada fez. De resto, em entrevista à Euranet Plus, Greg Archer diz que, depois de detectadas, as irregularidades foram reportadas ao mesmo tempo às autoridades dos EUA. Os norte-americanos resolveram investigar. Bruxelas não. Greg Archer diz que a Europa não tem um sistema próprio de testes de emissões e, inesperadamente, este escândalo pode abalar também a Comissão Europeia.

Financiamento a empresas facilitado a partir de agora

A Comissão Europeia apresentou e aprovou esta semana um plano de acção para criar o Mercado Único de Capitais nos 28 Estados-membros com o objectivo de facilitar o financiamento das empresas e o investimento na UE. Para Francisco Sarsfield Cabral, esta ferramenta é importante para dar um impulso à economia europeia e para Portugal.

Bruxelas no combate à xenofobia

Numa altura em que a Europa vai receber milhares de refugiados, esta semana realizou-se uma conferência em Bruxelas onde participaram comissários, deputados onde o objectivo é prevenir e combater os sentimentos antissemitas e antimuçulmanos que estão em ascensão na Europa. Uma conferência acompanhada pelo correspondente da Renascença em Bruxelas, Vasco Gandra.

Segundo as sondagens, nem a coligação de Governo, nem o Partido Socialista, têm maioria absoluta. O Presidente da República têm apelado à necessidade de consensos. Ainda ontem, Marcelo Rebelo de Sousa deixava também esse apelo, lembrando até o tempo em que foi líder do PSD quando António Guterres era Primeiro-ministro e, no que toca às questões europeias, os dois maiores partidos procuravam sempre um consenso nessas questões. Mas Sarsfield Cabral nota que esta convergência de pontos de vista e esta estratégia conjunta em termos europeus entre PSD e PS não tem sido possível.

Um problema sobre rodas

O escândalo da Volkswagen continua a dominar a agenda da União Europeia. Os ministros da Economia da União estiveram ontem reunidos no Luxemburgo, e todos estão de acordo que é preciso encorajar a indústria automóvel a investir em tecnologias mais limpas. Segundo o especialista da Renascença em Assuntos Europeus, não tem havido, por parte da Comissão Europeia, grande pressão sobre a Alemanha para resolver rapidamente esta questão e explica quais as implicações que este caso pode vir a ter na economia europeia.

O grupo Volkswagen reconheceu que colocou em 11 milhões de veículos um dispositivo que identifica quando o carro está a ser submetido a testes, emitindo assim menos gases poluentes para cumprir os limites impostos pelas autoridades de vários países. E um dos advogados da Organização Transporte e Meio Ambiente acusa a Comissão Europeia de ter sido avisada da manipulação dos motores de carros a gasóleo, por parte da Volkswagen. Ou seja, Bruxelas sabia de tudo e nada fez. De resto, em entrevista à Euranet Plus, Greg Archer diz que, depois de detectadas, as irregularidades foram reportadas ao mesmo tempo às autoridades dos EUA. Os norte-americanos resolveram investigar. Bruxelas não. Greg Archer diz que a Europa não tem um sistema próprio de testes de emissões e, inesperadamente, este escândalo pode abalar também a Comissão Europeia.

Financiamento a empresas facilitado a partir de agora

A Comissão Europeia apresentou e aprovou esta semana um plano de acção para criar o Mercado Único de Capitais nos 28 Estados-membros com o objectivo de facilitar o financiamento das empresas e o investimento na UE. Para Francisco Sarsfield Cabral, esta ferramenta é importante para dar um impulso à economia europeia e para Portugal.

Bruxelas no combate à xenofobia

Numa altura em que a Europa vai receber milhares de refugiados, esta semana realizou-se uma conferência em Bruxelas onde participaram comissários, deputados onde o objectivo é prevenir e combater os sentimentos antissemitas e antimuçulmanos que estão em ascensão na Europa. Uma conferência acompanhada pelo correspondente da Renascença em Bruxelas, Vasco Gandra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.