O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Passos nega "ocultação de contas" e apoia ministra. "Teria feito o mesmo"

29 set, 2015 - 12:22

Governo mandou alterar as contas da Parvalorem para que os prejuízos fossem menores? Passos Coelho alega que há interesse em encontrar notícias incómodas e Maria Luís explica que a tutela não tem poder para alterar contas das empresas que supervisiona.
A+ / A-
Passos nega "ocultação de contas" e apoia ministra. "Teria feito o mesmo"

O primeiro-ministro nega que tenha existido "uma ocultação de contas" na Parvalorem, relacionadas com o Banco Português de Negócios. Numa acção de campanha da coligação, em Cantanhede, Passos Coelho reagia à notícia divulgada esta terça-feira, pela Antena 1, que dava conta de indicações dadas por Maria Luís Albuquerque, quando era secretária de Estado, para esconder prejuízos do antigo BPN de forma a não agravar as contas do défice de 2012.

Segundo a notícia, quando Maria Luís Albuquerque soube, em Fevereiro de 2013, que as contas da empresa pública que ficou a gerir os activos de má qualidade do ex-Banco Português de Negócios (BPN) apresentavam perdas de 577 milhões de euros com créditos em riscos de incumprimento, o que iria agravar o défice orçamental, fez o pedido à administração da empresa pública.

Pedro Passos Coelho nega a existência de algum tipo de ocultação de contas e garante que o que está em causa são “expectativas de perdas”. O primeiro-ministro foi também no peremptório no apoio a Maria Luís Albuquerque: “Fez muito bem, eu teria feito o mesmo”.

Ministra questionou empresa sobre expectativas "pessimistas"

A ministra das Finanças admitiu ter questionado a Parvalorem, empresa que gere os activos tóxicos do ex-BPN sobre as expectativas "demasiado pessimistas" sobre os prejuízos de 2012, mas rejeitou novamente qualquer espécie de manipulação. “Não é possível à tutela dar instruções para que as contas possam ser feitas de uma maneira”, afirmou.

Em declarações aos jornalistas, a governante admite um contacto com a Parvalorem, mas não para dar instruções de ocultação. "O que eu perguntei foi se a expectativa de cobrança de créditos não estava a ser demasiado negativa face àquilo que eram as nossas previsões de actividade económica", disse na Moita.

"Quando essas perdas ou ganhos se materializam são sempre registadas nas contas da empresa e são sempre registadas nas contas públicas. Não é nada que se possa ocultar, disfarçar, manipular de alguma forma", frisou.

Querem encontrar coisas incómodas

Nas declarações aos jornalistas, à margem de uma acção de campanha da coligação PSD/CDS-PP em Cantanhede, no distrito de Coimbra, o presidente do PSD e primeiro-ministro afirmou: "À medida que a campanha vai avançando, há um certo interesse em poder encontrar coisas que podem eventualmente ser incómodas, nomeadamente para o Governo".

Questionado sobre quem é que tem esse interesse, o presidente do PSD respondeu: "Não faço processos de intenção. Não. Estou a dizer que é natural, é da campanha. Desta vez até veio de um jornalista da Antena 1 que fez um trabalho de investigação. Por que é que ele acabou por ter tanto interesse e [o assunto] ser colocado como ocultação de prejuízos que não existiram? Porquê?".

Numa primeira explicação dada pela tutela, o Ministério das Finanças rejeita "qualquer manipulação ou ocultação de contas" da Parvalorem, empresa gestora dos activos tóxicos do ex-BPN, para que os prejuízos fossem menores em 150 milhões de euros. "O registo contabilístico de imparidades é função de estimativas de perdas futuras em créditos existentes", acrescentando que "as imparidades são avaliadas e validadas pelos auditores das empresas de acordo com os critérios definidos para o efeito e adequadamente reflectidas nas contas", diz o comunicado.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Passos
    30 set, 2015 Lis 09:43
    Nega sempre tudo! Qualquer dia até negará a sua propria existencia...O perfeito vira latas!
  • ao observador2
    29 set, 2015 pt 23:25
    Tem juizo, rapazola!...vai para a escola da vida!
  • Aldrabões!
    29 set, 2015 port 23:23
    E este atributo é "soft"! Com todo o respeito, não há palavra mais adequada! Cambada de Aldrabões e de Trapaças! Nunca em Portugal houve um governo de tantos aldrabões como neste que está em funções e deve ser corrido no dia 4! Estava indeciso, mas a partir de hoje já fiquei esclarecido! Votar PS para correr com esta seita de meliantes! Perante tudo isto, uma pessoa de bem, não se pode conter sem utilizar o vocabulário adequado!...
  • Ora, ora!
    29 set, 2015 Lisboa 23:05
    Eu quero lá saber desta historieta que arranjaram para hoje! Eu só sei que foi o PS que nos atirou por três vezes para a quase bancarrota. E não lhe consinto espaço para nos fazer, de novo, tal malfeitoria. O meu voto é para a Coligação, e inventem alguns jornalistas o que inventarem até ao dia das eleições. Parece que estão com saudades da "lei da rolha" que o Eng. Sócrates lhes queria impor. Perguntem a Felícia Cabrita, a Vítor Rainho, a Luís Rosa, e a outros o que é que o Governo PS tentou fazer à Comunicação Social em Portugal. Vá. Perguntem e logo verão qual a resposta. E alguns ainda tentam levar António Costa ao colo?! Tenham respeito pela vossa própria independência que é um dos pilares do Estado de Direito Democrático. Passos Coelho não tenta calar nem intimidar ninguém!
  • José António Messias
    29 set, 2015 Santo Estêvão Bnv 22:54
    O 1.º Ministro também se esqueceu dos dinheiros que recebeu da Tecniforma, devia ter um nariz como o Pinóquio para sabermos quando fala verdade.
  • José António Messias
    29 set, 2015 Santo Estêvão Bnv 22:50
    O 1.º Ministro também se esqueceu dos dinheiros que recebeu da Tecniforma, devia ter um nariz como o Pinóquio para sabermos quando fala verdade.
  • eico Russo
    29 set, 2015 Setubal 21:10
    Uma pandilha de gente rica, ultra néo liberal, e sem vergonha na cara! Ladrões e mentirosos só têm uma coisa a fazer demitam-se, por muito menos os ministros dos outros Países fazem-no!
  • Ao observador 2
    29 set, 2015 Lisboa 21:01
    Sr. Observador, que as coisas estavam mal, penso que ninguém discorda. Aqui o problema é que ficaram bem piores, e ao ponto do desespero, dou-lhe razão. Esse desespero deve-se ao facto do povo ter perdido toda a confiança em quem elegeu para o governar, o que está tão bem refletido nos comentários abaixo. Tão simples quanto isso.
  • andre souza
    29 set, 2015 SALVATERRA DE MAGOS 19:02
    O dia em que a Antena 1 (ajuda de forma correta) o PS e faz caír a PaF...puff, já era! Pena que a esquerda não seja unida e mostre o que vale. Todos gostaríamos de saber o que é governar com CDU ou PCP? (começa aqui o dilema, quem é o quê) e com as "doidonas" do BE...gostava mesmo de ver onde iríamos parar. Costa ganha e terá o apoio da PaF.... triste povo este que tem um BE e PCP.que só querem "dinheirinho/subvenção" dos votos! O sr Jerónimo foge da pergunta de se coligar ao PS, claro ele sabe que nós sabemos que a seguir perde metade dos votos!! triste povo este com comunistas assim....
  • Antonio
    29 set, 2015 Rio Maior 17:25
    A questão não é fazê-lo. É te-lo feito após a certificação das contas da sociedade, o que constitui uma fraude ou incentivo a ela.