O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Passos anuncia pagamento antecipado ao FMI. “Menos dívida para o futuro”

21 set, 2015 - 17:59

Sem nunca mencionar o PS, o líder do PSD deixa claro a crítica aos socialistas por terem chamado a troika para Portugal.
A+ / A-

Portugal vai reembolsar antecipadamente, já a 15 de Outubro, mais de 5.400 milhões de euros para abater na verba de 78 mil milhões concedidos pelo Fundo Monetário Internacional no âmbito do pedido de ajuda financeira internacional.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro Pedro Passos Coelho esta tarde, em campanha no Alentejo.

“Arrumámos a casa, temos vindo a pôr as contas em ordem, temos vindo a pagar as dívidas dos outros – e foram muitas as que pagámos – e até resolvemos pagar mais cedo o que podia ter sido pago mais tarde, embora com mais juros”, disse perante os aplausos dos presentes.

Esta política de pagar antecipadamente, disse o líder do PSD e primeiro-ministro, é um investimento no futuro. “Há quatro anos pediram o dinheiro, já o estamos a pagar e vamos continuar a pagar antecipadamente até ao final do ano, porque isso significa muita poupança de juros, que é como quem diz mais dinheiro para podermos aliviar a carga fiscal, mais dinheiro para podermos pagar mais dívida, menos dívida para o futuro dos portugueses.”

Passos volta assim a dar uma “alfinetada” no maior partido da oposição. Sem nunca ter mencionado o PS, o primeiro-ministro sublinhou novamente o facto de terem sido os socialistas a chamar a troika para Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo
    21 set, 2015 Lisboa 19:18
    Não compreendo é preciso cortar 600 milhões de euros na SS, que grande pânico que é agora a SS para toda a gente, mas antecipa-se um pagamento não obrigatório de 5 mil milhões em plena campanha eleitoral para depois das eleições ...as prioridades estão à vista...
  • LENHA
    21 set, 2015 LISBOA 19:11
    ...só para "entender"...todos os meses tomamos mais empréstimos para pagar ....JUROS e amortizar ALGUM PRINCIPAL( menos do que tomamos)...logo a dívida é sempre crescente !... NÃO TEMOS PRODUÇÃO PARA PAGAR ESTA DíVIDA E NUNCA TEREMOS...por isso virá um outro resgate...que será "creditado" ao vencedor das próximas eleições...seja ele quem for...É UM BECO SEM SAíDA ESTE " BECO DO EURO" ---para alegria da próxima oposição...é a chamada alternancia....que nos diverte....
  • José Soares de Pinho
    21 set, 2015 Gafanha da Nazaré 19:07
    Acho que o governo faz muito bem em adotar esta forma de procedimento, em jeito de providência cautelar, antes que aconteça a desgraça de voltarmos a ter aqueles QUE COMEM TUDO E NÃO DEIXAM NADA.