O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

António Costa: “A troika só acaba quando este Governo acabar”

12 set, 2015 - 09:54

Líder socialista acusou Passos Coelho de querer privatizar a saúde, educação e segurança social e deixou um apelo à mobilização dos eleitores.
A+ / A-

O candidato socialista a primeiro-ministro chamou a atenção para o facto de o governo ter tido, ao longo dos últimos quatro anos, "todas as condições para poder governar". Costa considerou, contudo, que o executivo falhou nos objectivos principais.

"Mas este governo desperdiçou isto tudo, e falhou nos dois objectivos principais, na redução da dívida que, em vez de diminuir, aumentou, e falhou no objectivo de repor a economia a crescer, porque a nossa economia, em vez de ter andado para a frente, andou 13 anos para trás. Este será o governo que fica para a história como sendo o primeiro governo que entrega um país mais pobre do que aquele país que recebeu quatro anos antes", declarou.

Num jantar comício de pré-campanha no Jardim do Centro Cívico de São Martinho, no Funchal, que reuniu, segundo a organização, cerca de 700 pessoas, António Costa sustentou que o governo de coligação PSD/CDS, de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, não cumpriu com as promessas que fez nas últimas eleições legislativas de há quatro anos.

Para António Costa, é tempo de acabar com a situação actual: "é, por isso, que nós dizemos basta. Traíram os compromissos que assumiram, falharam nos objectivos a que se propuseram, propõem, agora, continuar o mesmo caminho porque, como dizem, não estão arrependidos".

O líder socialista alertou que nas eleições de 4 de Outubro "o que está em causa não é só saber se é este ou aquele o primeiro-ministro".

"É muito mais importante do que isso: o que está em causa é saber em que sociedade queremos viver, se queremos viver numa sociedade onde investimos no conhecimento e na inovação ou numa sociedade onde queremos cortar salários e precarizar as relações de trabalho."

Segundo o candidato do PS, "o país, neste momento, enfrenta a necessidade de, de uma vez por todas, por termo à troika e a esta política, tirando a direita do governo, derrotando a coligação de direita e dando vitória ao Partido Socialista".

"A troika só acaba quando este governo acabar e quando a direita for posta na rua do governo da República", acrescentou.

António Costa sublinhou ainda, numa alusão às autonomias políticas da Madeira e dos Açores, que "as regiões não são um problema, são uma riqueza nacional para o futuro de todo o país".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • o que queremos
    13 set, 2015 lx 22:53
    ". muito mais importante do que isso: o que está em causa é saber em que sociedade queremos viver" não queremos viver de todo numa sociedade onde os politicos são de péssimo caracter, honestidade, integridade e muita falta de respeito pela receita de cada contribuinte na ajuda da riqueza do seu Pais atraves dos seus impostos e paulatinamente assistindo aos roubos perpertados pelos mesmos politicos...queremos uma sociedade SÃ
  • AC
    12 set, 2015 lx 15:30
    António Costa não convence , não mostra qualquer credibilidade , indo atrás da espuma da comunicação social, prometendo tudo a todos, sem qualquer sentido de estado. Um verdadeiro banha da cobra que nos pode desgraçar o nosso futuro como portugueses. Não me esqueço como o PS deixou o país em Junho de 2011 na bancarrota socialista. Nunca irei premiar quem nos arruinou por décadas
  • carlos
    12 set, 2015 lisboa 14:02
    Este senhor é como os remédios que prometem combater a queda de cabelo masculina: depois descobrimos que ficamos sem o cabelo e sem o dinheiro. O pior é que nos sabiamos que isso iria acontecer!