|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

De Cavaco "ditador" a Sócrates no Guinness. O que Belmiro disse sobre os políticos

29 nov, 2017 - 17:30 • Pedro Rios

Enquanto líder da Sonae, nunca foi meigo com a classe política. Leia as frases que Belmiro de Azevedo dedicou a Soares, Sócrates, Cavaco, Marques Mendes, Ferreira Leite, Louçã..

A+ / A-

Veja também:


No programa televisivo "Contra-Informação", o senhor Sonae era "Belmiro Mete-Medo". A piada honrava uma longa experiência na arte da frontalidade - ou do insulto, disseram alguns.

Belmiro de Azevedo, que morreu esta quarta-feira aos 79 anos, admitiu que tem "muito respeito pelos políticos… Não necessariamente pelos indivíduos que ocupam cargos políticos". Ao longo dos anos, acumulou críticas a ministros, líderes partidários e primeiros-ministros. Eis algumas.

José Sócrates: "O primeiro-ministro telefona ou manda telefonar com muita frequência". "Não há exemplo de alguém ter feito tanta coisa tão mal feita em tão pouco tempo. Ele vai para o Guinness".

Marcelo Rebelo de Sousa: "É pluri-pluri. Tem dez respostas, todas boas, para a mesma pergunta. Não sofre de pensamento único".

Luís Marques Mendes: Dele disse, em 2005, que nem para porteiro da Sonae servia, pelo facto de falar em excesso.

Carlos Tavares, ministro da Economia de Durão Barroso, hoje presidente da CMVM: "Deve ter a frustração de nunca ter gerido uma empresa, está por interposta autoridade, que é a autoridade do Estado, a querer gerir as empresas e intervir na sua estratégia. Ele que compre uma empresa!"

Maria de Lurdes Pintassilgo, ex-primeira-ministra: "Uma peronista de saias"

Mário Soares, que apoiou nas duas candidaturas à Presidência da República: "Reconhecidamente um mau gestor"

Ramalho Eanes, Presidente da República de 1976 a 1984: "Uma pessoa inconsequente"

Manuela Ferreira Leite, quando era líder do PSD: "Teve muitos anos de trabalho, mas no Estado. Nunca dormiu mal por ter a responsabilidade de saber como pagar salários".

Cavaco Silva (à Visão, em 2010): "Cavaco é um ditador. Mandou quatro amigos meus, dos melhores ministros, para a rua, assim, 'com vermelho directo'". A frase gerou polémica e Belmiro esclareceu: "É-o só no sentido que dou à expressão quando frequentemente digo, referindo-me até a mim mesmo, que 'às vezes é preciso ser-se ditador', querendo com isso significar que o titular do poder de decisão tem, a certa altura, de impor o seu critério, não fazendo do 'diálogo' e da procura de consensos um espartilho que o agrilhoa e o imobiliza."

Francisco Louçã e o Bloco de Esquerda (em 2010): "[O Bloco tem] uma comunicação retrógrada e um líder com um discurso inteligente - ele diz que é inteligente, até escreve livros - usa a comunicação mais primaria e mente com todos os dentes".

Fontes: "O Homem Sonae", Filipe Fernandes (Academia do Livro, 2008); Entrevista à revista Visão, Janeiro de 2010


Adaptação de artigo publicado a 11 de Março de 2015, a propósito da saída de Belmiro de Azevedo do cargo de presidente do conselho de administração do grupo Sonae

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.